DOENTES POR FUTEBOL

Especial: Reis da Copa

Como sabemos, o rei é um personagem importante a uma nação. Geralmente o rei é aquele a ser seguido, principalmente no campo de batalha. O rei guerreiro toma a dianteira de seus exércitos e muitas vezes é o responsável direto pelos resultados finais, sejam positivos ou negativos.

Entre os vários reis que caminharam na terra, um de bravura inigualável – e muitas vezes chamado imperador – foi Alexandre, o Grande. Conquistador de terras, expandiu seu território por caminhos sem fim e escreveu seu nome nas páginas da humanidade. Por este fim, tem sua imagem associada e imortalizada como o rei de copas do baralho ocidental. Copas, ou um coração, o símbolo da paixão, sentimento que move os guerreiros para a matança nas trincheiras e nos campos.

ODD Shark

E o futebol, onde ele se encaixa nisto, caro Doente?

Hoje, os campos de batalha são os gramados verdejantes onde os aguerridos disputam suas máximas. Guerreiros uniformizados, tomados pela paixão em nome de sua nação, não tão diferentes de épocas antigas. E à frente destes esquadrões, destas seleções, há o rei, o homem que lidera, que toma para si a responsabilidade e, tal qual Alexandre, deixa sua marca na história.

Seleção de 70
Portanto, bravo leitor, querido Doente por Futebol, esta sessão é uma homenagem aos “Reis de Copas”, aqueles que comandaram exércitos e se destacaram nas Copas do Mundo com paixão e, tendo vencido ou não, jamais serão esquecidos. O primeiro Rei será divulgado amanhã. Você arriscaria algum nome?

Maradona

Por Victor Gandra Quintas e José Eduardo Volpini

O conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor. O Doentes por Futebol respeita todas as opiniões discordantes e tem por missão promover o debate saudável entre ideias.

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).