DOENTES POR FUTEBOL

Especial Liga dos Campeões da Oceania: A história – parte 3 (2010 a 2012)

Na terceira parte do nosso especial sobre a história da Copa dos Campeões da Oceania, trataremos dos anos de 2010 a 2012, incluindo o inédito título de Papua Nova Guiné.

2009/10

ODD Shark

Hekari_United_Logo

Em 2010, finalmente o que vinha se desenhando (com exceção do ano anterior) aconteceu: um time da Nova Zelândia não levou o título. Em torneio disputado por 8 equipes de 7 países, o Hekari United , de Papua Nova Guiné, foi o grande campeão.

Na primeira fase, de novo um velho filme: Waitakere United e Auckland City disputando o primeiro lugar do grupo, com o United jogando pelo empate e o placar final em 2×2. Waitakere e Auckland ficaram com 12 pontos, contra 6 do Magenta (Nova Caledônia) e 1 do Manu-Ura (Taiti).

No grupo B, Hekari United, Lautoka (Fiji) e Tafea (Vanuatu) lutaram pela vaga até a última rodada. O Hekari bateu o Marist (lanterna com 1 ponto) fora de casa por 4×1 e ficou com 13 pontos, um a frente do Lautoka, que venceu o Tafea (8 pontos) também fora de casa por 3×1.

O Tafea, que liderava o grupo com 7 pontos a duas rodadas do fim, acabou terminando em terceiro, empatando em casa com o lanterna e perdendo o jogo final. Mais do que isso, 7 de seus 8 pontos foram conquistados na fase de ida, disputada em 2009. Em 2010, o time piorou demais e acabou tropeçando bastante. O Hekari, ao contrário, tinha começado o campeonato com apenas um ponto em seis disputados.

Na final, cerca de 15.000 pessoas compareceram ao PMRL Stadium, em Papua Nova Guiné, para ver uma goleada da equipe da casa: 3×0 nos neozelandeses do Waitakare, com gols de Kema Jack (27’ e 73’) e Alick Maemae (49’).

Na partida de volta, a mais doce derrota da história do futebol de PNG. O Waitakare venceu por 2×1, o que não foi suficiente para tirar das mãos do Hekari seu primeiro título continental. Mais do que isso, foi a primeira vez em que um time de fora da Austrália ou Nova Zelândia faturou o torneio.

Hekari campeao

Curiosidades da edição:

– Os 15.000 presentes ao PMRL Stadium na primeira partida da final impediu que as Ilhas Salomão tivessem os 10 maiores públicos da história do torneio. O jogo em PNG teve o 6º maior público da história.

– Os gols do jogo, entrevistas e comemoração podem ser vistos em http://www.youtube.com/watch?v=ppIaXNjIBr4

– Kema Jack, do time campeão, artilheiro do torneio com 7 gols, ao lado do croata Koprivcic, naseu em uma vila que não tinha energia elétrica e era um pescador.

– O Hekari tinha, no seu elenco campeão, 6 jogadores das Ilhas Salomão e 2 de Fiji.

– O time campeão tinha instrutor de academia (Henry Fa’arodo), oficial de polícia (Simione Tamanisau), professor (Rex Hono) e até mesmo um gerente do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (Andrew Lepani).

– No ranking da FIFA divulgado em maio de 2010, no mesmo mês em que foi disputada a final da competição, a seleção de Papua Nova Guiné era a última colocada, com nenhum ponto, assim como outras 5 seleções, incluindo Samoa Americana.

 

2010/11

Auckland_City

Mais uma vez, oito equipes representaram sete países na competição. Após o título inédito, o Hekari United decepcionou e acabou na lanterna do grupo A, com 6 pontos, quatro a menos que o vencedor da chave, o Amicale, de Vanuatu. Koloale, das Ilhas Salomão, com 9 pontos, e Lautoka, de Fiji, com 8, também foram eliminados.

Imagem de Koloale x Amicale

Imagem de Koloale x Amicale

Na chave B, o Auckland terminou em primeiro com 14 pontos, 6 a mais que o Waitakere United. Magenta, da Nova Caledônia, com 7 pontos, e Tefana, do Taiti, com 4 pontos, também foram eliminados.

Na final, superioridade total dos neozelandeses, com vitória em Port Villa (2×1) e Auckland (4×0).

O-League Final - Auckland v Amicale, 17 April 2011

Fenedy Masauvakalo, do Amicale, foi o artilheiro com 8 gols marcados.

Masauvakalo

2011/12

Auckland_City

Pela primeira vez, as equipes da Nova Zelândia foram colocadas em grupos diferentes na primeira fase.

No grupo A, o Tefana, após perder por 10×0 do Waitakere United na primeira fase, deu a volta por cima e venceu a chave, com 13 pontos, à frente dos neozelandeses, que foram eliminados com 12. Logo atrás ficou o Ba, com 9, que chegou à rodada final com chances de classificação mas foi goleado por 5×0 pelos taitianos em casa. O Mont-Dore, com 1 ponto, empatou justamente com o Tefana.

O futebol bonito do Tefana

O futebol bonito do Tefana

Na chave B, o Auckland City foi o campeão com 13 pontos, após vitórias nas quatro primeiras partidas. O Hekari United terminou em segundo com 11 pontos, seguido por Amicale (7) e Koloake (3).

Na final, pela primeira vez o time neozelandês jogou a primeira partida em casa, conseguindo uma vitória suada contra os taitianos: 2×1. Na volta, no gramado artificial do Stade Louis Ganivet, em Papeete, um gol de Exposito, aos 41 minutos de jogo, deu nova vitória à equipe e o 4º título da competição.

Auckland 2012

Com o gol, o espanhol se isolou na artilharia da competição, com 6 gols, seguido do fijiano Krishna, do Waitakere, com 5 gols, e Kema Jack, do Hekari, que marcou 4 vezes.

Curiosidades da edição:

– O jogo entre Tefana 4×1 Ba, pela fase de grupos, teve 13 cartões amarelos, incluindo os dois de Isimeli Naresia, que foi um dos três jogadores do Ba expulsos na partida.

– Os 10×0 do Waitakere sobre o Tefana na primeira rodada são o maior placar da história do torneio desde que passou a ser disputado sob o nome de Liga dos Campeões.

Waitakare

– Junto com essa partida, os 7×3 do Auckland sobre o Koloale são o jogo com mais gols na história recente do torneio.

 

Veja também a parte 1, a parte 2, os números e a prévia da edição atual da Liga dos Campeões da Oceania.

O conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor. O Doentes por Futebol respeita todas as opiniões discordantes e tem por missão promover o debate saudável entre ideias.

Sergio Rocha é torcedor do Madureira e sempre teve o sonho de escrever sobre esportes em geral, embora tenha optado pela carreira de engenheiro civil. No "currículo", cadernos recheados de resultados esportivos e agendas da década de 90, quando antes da internet acessava rádios de diversos locais do país buscando os resultados esportivos do Acre à Costa Rica. Além de fanático por futebol, é fanático por praticamente todos os esportes, e no tempo livre que sobra sempre busca os últimos resultados esportivos do PGA Tour ou dos futures da ATP. Além disso, coleciona quadrinhos da Disney e é louco por astronomia.