Chucho Benitez e o sucesso dos artilheiros sul-americanos no México

  • por Mauricio Fernando
  • 13 Visualizações

936239_10200113325421231_1921015116_n

Não é de hoje que atacantes sul-americanos fazem muito sucesso no futebol mexicano. Exemplos não faltam: o paraguaio José Cardozo, maior artilheiro da história das Liguillas (mata-matas) e quarto maior da história do campeonato mexicano e o brasileiro Cabinho, maior do futebol mexicano com, 312 gols, são os maiores deles. Além dos dois, o chileno Osvaldo Castro e o brasileiro Carlos Eloir Perucci ainda aparecem entre os 10 maiores goleadores da história do campeonato do país da Tequila. Dentre vários outros, alguns conhecidos nomes como o uruguaio “Loco” Abreu, o equatoriano Agustín Delgado, o paraguaio Salvador Cabañas, o chileno Humberto Suazo e o brasileiro Kléber Boas – aqui conhecido como Kleber Pereira – figuraram na lista de artilheiros por lá nos últimos dez anos.

Para se ter uma ideia do sucesso dos atacantes sul-americanos no campeonato mexicano, desde 1997, há ao menos um artilheiro do continente por ano. Lembrando que são realizados dois campeonatos anualmente no país: o Clausura e o Apertura.

Atualmente, o grande rei da artilharia da Liga MX é um equatoriano. Christian Rogélio Benítez Betancourt, ou simplesmente “Chucho” Benítez, de apenas 27 anos, ídolo das torcidas de Santos Laguna e do América, dois grandes clubes do país. A título de curiosidade, Christian é filho de Ermen Benítez, outro artilheiro, o maior da história do campeonato de seu país.

Foto: Record - Chucho no Santos Laguna.

Foto: Record – Chucho no Santos Laguna.


Chucho chegou ao futebol mexicano em 2007, contratado pelo Santos Laguna junto ao El Nacional, clube onde foi bicampeão equatoriano. No clube de Torreón, ele conquistou o Clausura de 2008, sendo ainda eleito o melhor jogador do torneio. Por lá, ele ainda conquistaria sua primeira chuteira de ouro, sagrando-se artilheiro do Apertura 2010 com 14 gols. Neste meio tempo, o equatoriano ainda chegou a atuar pelo Birminghan City na temporada 2009-10 da Premier League, onde não teve sucesso e acabou voltando para o Santos.


Mas foi no América, clube que defende desde 2011, que o atacante equatoriano realmente fez sua fama de artilheiro. Pelo clube da capital, conquistou consecutivamente a artilharia dos últimos três campeonatos mexicanos, fato inédito no atual formato da competição. No Clausura 2012 foram 14 gols (junto com o uruguaio Iván Alonso), no Apertura 2012 foram 11 gols (junto com o chileno Esteban Paredes) e no Clausura 2013, mais 12 gols. O jogador ainda foi eleito o craque do Apertura 2012. Somando-se a seus prêmios individuais alcançados no Santos Laguna, foram, portanto, quatro chuteiras de ouro e duas bolas de ouro, além dos 103 gols já anotados no país. Mas o sucesso individual não é o principal, e Chucho está perto de conquistar seu bicampeonato da Liga MX.

Foto: Servidor Notícias - Chucho comemora o gol que classifica o América a final

Foto: Servidor Notícias – Chucho comemora o gol que classifica o América a final


Os torcedores mexicanos estão na expectativa para as finais do Clausura 2013, na qual Cruz Azul e América estarão frente a frente. No último encontro entre as equipes, ainda na fase de classificação, Chucho foi o protagonista, marcando os três gols da vitória de sua equipe por 3×0. O equatoriano vem sendo realmente decisivo na competição até aqui. Além dos 12 gols na 1ª fase – o que conta para efeitos de artilharia – ele ainda marcou cinco dos sete gols da equipe da Liguila, levando as Águias para a decisão, que não disputavam desde 2007. O último título do clube tem ainda mais tempo, foi o Clausura 2005. A conquista dos azulcremas pode consagrar de vez o artilheiro equatoriano e colocar o clube novamente entre os maiores campeões do México. Seria o 11º título do clube em sua história, empatando com o Chivas Guadalajara.

As finais serão realizadas na próxima quinta feira às 23h e no próximo domingo às 22h (horários de Brasília), ambas com transmissão de ESPN. O jogo de volta será no Estádio Azteca, casa do América e templo que consagrou o histórico tricampeonato do Brasil de Pelé, o sul-americano mais famoso de todos do futebol em 1970.

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".

  • facebook