Lesões inusitadas e bizarras no futebol

  • por Edson Vinicius
  • 51 Visualizações
Frascos de perfume, videogames e até animais já causaram lesões em boleiros

Frascos de perfume, videogames e até animais já causaram lesões em boleiros

Traumas, escoriações, torções, luxações e fraturas são comuns no futebol, esporte de alto rendimento que sujeita os jogadores a impactos e movimentos bruscos. Porém há casos de lesões não provocadas pelo esporte em si, que ocorreram em condições incomuns e insólitas, causando danos de muita gravidade.

No quesito Copa do Mundo, nada tira o primeiro lugar do goleiro Santiago Cañizares. Às vésperas da copa de 2002, o arqueiro, então titular da seleção espanhola, teve o tendão de um dedo do pé rompido ao derrubar um frasco de perfume no chão e tentar amortecê-lo com esse mesmo pé para que não partisse, no quarto do hotel onde estava. Ficou fora da Copa. Assim como o volante Emerson, também no mesmo mundial, ao luxar o ombro direito quando brincava de ser goleiro num rachão durante os preparativos para o torneio. Falando em volante, merece recordação o caso de Batista, da seleção de 1982. Após a eliminação brasileira, o treinador Telê Santana recebeu muitas críticas por utilizar muito pouco o jogador durante a competição. Porém o motivo real dessa ausência foram bolhas nos pés causadas por sua chuteira, que o impediam de calçar normalmente e minimizaram sua participação na Copa.

A seção Argentinos tem alguns destaques. Em 2009, Carlitos Tévez torceu o tornozelo ao escorregar no banheiro enquanto tomava banho, ficando afastado dos treinamentos no Manchester City por duas semanas. O volante Ever Banega foi atropelado pelo seu próprio carro enquanto ele mesmo o abastecia, em 2012, por não ter puxado o freio de mão. Sofreu fratura de tíbia e fíbula esquerdas, ficando fora dos gramados por aproximadamente seis meses. Igualmente bizarro foi o caso de Martin Palermo, que, em 2001, jogando pelo Villarreal, teve fratura no tornozelo direito após uma placa de publicidade cair em cima dele, quando comemorava um gol com os torcedores e os companheiros de time. Ficou sem atuar durante vários meses. O goleiro Nery Pumpido, em 1987, teve um pedaço de seu dedo anelar esquerdo decepado quando, durante um salto num treinamento, sua aliança se prendeu num dos ganchos da trave que fixam as redes. Por sorte, o dedo pôde ser reimplantado. Fechando o elenco, Sergio Agüero esse ano lesionou o pé ao brincar e pisar na mini-moto de seu filho de apenas três anos. Pra piorar, ainda tentou remediar a situação usando spray anestésico, o que piorou a ferida e causou bolhas no local. Ficou de fora de dois jogos do City e recebeu reprimenda pública do técnico Roberto Mancini.

Na categoria Entretenimento, o caso mais notório é o do italiano Alessandro Nesta, que, em 2005, ficou afastado dos gramados por mais de um mês, devido a uma ruptura do tendão de um dedo da mão esquerda por excesso de esforço ao jogar video game (Playstation), tendo de ser submetido a cirurgia reparadora. Rio Ferdinand, quando ainda fardava no Leeds United, lesionou os joelhos ao ficar várias horas com a perna esticada em posição inadequada em cima de mesa de apoio, enquanto assistia TV e jogava video game. O goleiro inglês David Seaman, no meio da carreira, chegou a sofrer fratura óssea ao esticar o braço para alcançar o controle remoto da TV. Um outro goleiro sofreu lesão inusitada, que não o impediu de jogar, mas vale ser mencionada: Kasey Keller, que fez parte da seleção americana, voltava de uma partida de golfe (seu hobby) e, após retirar os tacos do bagageiro do carro com força excessiva, acabou acertando involuntariamente sua própria boca, perdendo alguns dentes.

Na modalidade Animais, um caso já tem dose suficiente de bizarrice: no final dos anos 90, o jogador alemão Darren Barnard (ex-Chelsea) rompeu os ligamentos do joelho após escorregar na urina de seu próprio cachorro de estimação poodle e cair no chão. Atuava então no Barnsley e ficou 5 meses longe dos gramados.

Por fim, no item Brasucas, além dos citados anteriormente Emerson e Batista, há o caso nem tão estranho assim do goleiro Marcos, ex-Palmeiras, que perdeu alguns jogos do Paulistão de 2004 após um acidente de moto que lhe causou contusões e escoriações abrasivas. O atacante Maurides, do Internacional, rompeu ligamentos de joelho ao comemorar um gol contra o Atlético Mineiro dando uma cambalhota e caindo de mau jeito. E o famoso incidente com Adriano, o Imperador, que, em 2009, desfalcou o Flamengo na reta final do Brasileirão após apresentar uma queimadura no pé esquerdo ao encostar numa lâmpada de jardim, ao chegar em casa. Uma versão não oficial diz que, na verdade, o ferimento foi causado pelo cano de descarga de uma moto, mas o jogador desmentiu. Fato é que o atacante não jogou a penúltima partida do torneio contra o Corinthians, e na última e decisiva partida contra o Grêmio, estava visivelmente em más condições. Menos mal que o título veio.

Médico clínico geral e geriatra, apreciador do bom futebol, doente pelo Flamengo e viúva de Zico!