O outro lado do Tijuana

  • por Mauricio Fernando
  • 4 Anos atrás
Foto: JoinMexico

Foto: JoinMexico

O Club Tijuana Xoloitzcuintles de Caliente foi fundado em 14 de janeiro de 2007 por um conjunto de empresários, liderados pelo grupo Caliente. Originalmente chamado de Gallos Caliente de Tijuana, o time era uma filial dos Gallos de Querétaro (modesto clube que havia sido recém-promovido à primeira divisão) e iniciou sua jornada na Primeira Divisão A do México, a terceira divisão do futebol do país. Seus objetivos iniciais eram possuir seu próprio estádio, o que ocorreu em novembro do mesmo ano com a inauguração do moderno Estádio Caliente, com seu polêmico gramado sintético, e ascender à elite do futebol no país.

Localizado em Tijuana, cidade na fronteira entre Estados Unidos e México, o clube mudou seu nome para Club Tijuana Xoloitzcuintles de Caliente, assumindo o Xoloitzcuintles, cão mexicano, como símbolo.

Em 2011, veio o tão sonhado acesso à Liga MX, divisão principal do futebol mexicano. Logo em sua primeira temporada, a equipe, já comandada pelo argentino Antonio Mohamed, disputou sua primeira Liguila, sendo eliminado nas quartas de final do Clausura 2012 pelo Monterrey. A vingança veio no campeonato seguinte, no qual os xolos eliminaram o Monterrey na mesma fase e depois conquistaram o primeiro título mexicano em sua curta história, o Apertura 2012. A equipe venceu o tradicionalíssimo Toluca nos dois jogos finais, sob a batuta da afinada dupla formada pelo equatoriano Fidel Martínez e pelo colombiano Duvier Riascos, autor do gol do título.

Foto: UOL Esporte. Jogadores comemoram classificação diante do Palmeiras

Foto: UOL Esporte.    Jogadores comemoram a classificação diante do Palmeiras

Dentro de campo, o clube tem mostrado sua força e as coisas parecem estar correndo da melhor maneira possível. Mas nem tudo são flores no Club Tijuana.

A Origem obscura

Foto: Notícias del México

Foto: Notícias del México

O sucesso do clube em campo está diretamente ligado à família Hank, tradicional e influente no México. O atual presidente do clube, Jorge Alberto Hank Inzunza, 28 anos, é um dos dezenove filhos de Jorge Hank Rhon, antigo presidente do município de Tijuana e proprietário do grupo Caliente. O Caliente, que tem como principal negócio uma casa de jogos e apostas, é o maior patrocinador do clube e dá nome ao moderno estádio dos xolos.

Jorge Hank Rhon, presidente de honra do clube, tem histórico envolvimento com o narcotráfico na fronteira com os Estados Unidos e, por isso, chegou a ser preso. Seu encarceramento colocou em risco, inclusive, a manutenção do Club Tijuana na liga mexicana, já que a condenação de Jorge, na época presidente em exercício do clube, poderia significar a exclusão da equipe na Liga MX.

O colunista e escritor americano Robert Andrew Powell, do “New York Times” e da “Sports Illustraded”, documentou, em reportagem publicada pela revista “Placar” no último mês de janeiro, o suposto envolvimento de Jorge Hank com contrabando de pele de animais, sua associação com o narcotráfico, posse ilegal de armas e até com o assassinato de um jornalista.

No que diz respeito ao narcotráfico, Jorge Hank ainda está sob investigação de uma força-tarefa do FBI e do DEA (sigla em inglês para Força Administrativa de Narcóticos).

Apesar do extenso histórico de associação com o crime organizado, Hank misteriosamente se livrou da grande maioria das acusações na Justiça, sendo ainda eleito presidente de Tijuana em 2004. No fim de seu mandato, em 2007, comandando um grupo de empresário, conforme relatado anteriormente, fundou o clube que deu origem ao Xolos.

Foto: Notícias del centro

Foto: Notícias del centro

Jorge teve a quem puxar. Carlos Hank Gonzalez, seu pai, foi governador do Estado do México na década de 1970 e líder do grupo Atlacomulco, formado por políticos do Partido Revolucionário Institucional (PRI), que chegou ao comando do Estado do México e tinha como objetivo se manter no governo e prosperar empresas familiares. Empresas como a da família Hank que, em 2001, com a morte de Carlos, passariam a pertencer ao filho Jorge. O ex-governador, antes de sua morte, estava sendo investigado por uma série de casos de lavagem de dinheiro envolvendo os negócios da família.

Foto: Eleconomista. Jorge Hank Rhon repaginado, na versão política

Foto: Eleconomista.   Jorge Hank Rhon repaginado, na versão política

No fim de 2012, em entrevista ao portal “Proceso”, do México, Hank declarou que pretende usar o sucesso do Club Tijuana para alavancar sua candidatura ao governo do Estado da Baixa Califórnia, onde fica Tijuana. Hank, também é filiado ao PRI, mesmo partido do presidente do país, Enrique Peña Nieto, também tido como discípulo do grupo Atlacomulco.

Como se não bastassem todos estes problemas, ainda existe uma inegável ligação do clube com casas de apostas (Caliente). Esse tipo de associação vai contra as diretrizes da FIFA, que, em seu Código de Ética, não permite o envolvimento de dirigentes de clubes com empresas deste gênero em função do óbvio conflito de interesses.

Há, portanto, uma série de fatos extracampo que mostram que, infelizmente, por trás deste clube que ascendeu rapidamente no México e vem surpreendendo a América do Sul, existe uma origem obscura e pra lá de suspeita.

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".