DOENTES POR FUTEBOL

Zagueiro: a personificação do terror em campo

“É o anjo da guarda da defesa. Mas para ser um bom zagueiro, não pode ser muito sentimental” (Jorge Ben Jor)

Beque de roça, pé de foice, zagueiro clássico, xerife, defensor, líbero, zagueiro-zagueiro. Não existe uma posição dentro de um campo de futebol que tenha tantas possibilidades de apelido como essa. Os zagueiros precisam ter cara de mau, assustar os atacantes só com o olhar. Zagueiro que se preza mostra que é o dono do pedaço, cria uma linha imaginária limítrofe e, dali por diante, quem entrar só pode ter um direito: ser uma caça frágil e indefesa.

ODD Shark
Foto: Reprodução - Bellini, na Copa do Mundo de 1958, imortalizou a forma de levantar a Taça

Foto: Reprodução – Bellini, na Copa do Mundo de 1958, imortalizou a forma de levantar a Taça

Na defesa, atacantes e bola são inimigos mortais, quanto mais longe estiverem, melhor. O gramado, coitado, muitas vezes sofre com carrinhos e chutões que parecem enxadas capinando o terreno de uma plantação. Os zagueiros são verdadeiros guardiões do portão de um templo sagrado que precisa ser inatingível: o gol das cores que protegem. O goleiro, guardião-mor do templo, não pode ser posto a trabalhar. Se cometerem um erro e perderem a batalha, que sejam atirados aos leões.

Zagueiros são parceiros entre si. Cumplicidade e confiança pode ser o segredo de uma boa dupla de zaga. Quem veste as tradicionais camisas 3 e 4 já sabe que, ao lado, não há um companheiro e, sim, um amigo leal, um irmão de sangue. Nessa irmandade, os dois, ou três, precisam ser sérios. Papai e mamãe sempre dizem: “cozinha não é lugar para brincadeiras”. Mas, abusados que são, alguns se aventuram e arriscam dribles, causando uma onda de calafrios pela arquibancada.

Foto: Getty Images - Aldair, campeão do mundo em 1994, em ação pela Roma

Foto: Getty Images – Aldair, campeão do mundo em 1994, em ação pela Roma

Há também os zagueiros mais arrojados que, dotados de qualidade técnica refinada, resolvem desbravar o campo como bandeirantes descobrindo os segredos da mata. Rasgam pelo meio-campo, conduzindo a bola até passarem para um companheiro ou, traídos pelo excesso de confiança, não cuidam da redonda com o zelo necessário e a perdem para um adversário.

E, se a frase diz que “a melhor defesa é o ataque”, às vezes podemos dizer que o melhor ataque é a defesa. Os famosos zagueiros-artilheiros estão espalhados por aí, fazendo fama com cabeçadas que parecem chutes e chutes que parecem tiros, de tão certeiros e violentos que são.

Foto: Reprodução - O brasileiro Thiago Silva é um dos melhores zagueiros da atualidade

Foto: Reprodução – O brasileiro Thiago Silva é um dos melhores zagueiros da atualidade

Zagueiros, zagueiros, com classe ou com vigor, vocês nos fazem um bem danado. Seja salvando um gol em cima da linha, seja cabeceando contra as redes adversárias. Mas também nos fazem um mal imenso com dribles desnecessários e arriscados, botes furados, erros de posicionamento e gols contra, é verdade.

Mas, errando ou acertando, uma coisa nunca há de mudar: vocês são, e sempre serão, a personificação do terror dentro de campo.

O conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor. O Doentes por Futebol respeita todas as opiniões discordantes e tem por missão promover o debate saudável entre ideias.

Jornalista trabalhando com marketing, carioca, 28 anos. Antes de mais nada, não acredito em teorias da conspiração. Até que me provem o contrário, futebol é decidido dentro das quatro linhas. Mais futebol nacional do que internacional. Não vi Zico mas vi Romário, Zidane, Ronaldinho, Ronaldo. Vejo Messi e Cristiano Ronaldo. Totti é pai.