Anemia em jogadores de futebol

Neymar enfrenta quadro anêmico | Foto: Reprodução

Neymar enfrenta quadro anêmico | Foto: Reprodução

A anemia é um quadro caracterizado por uma redução do número de glóbulos vermelhos (hemácias) ou diminuição da concentração de hemoglobina (proteína que tem por função transportar o oxigênio para todos as células do organismo) nas hemácias, ocasionando má oxigenação tecidual. Não é uma doença propriamente dita, mas sim um sinal de alguma outra patologia de base que seja responsável por causar esse déficit.

Em relação à velocidade de instalação, a anemia pode ser classificada como aguda – quando há perda significativa e rápida de sangue, como em casos de hemorragias digestivas, grandes cirurgias, traumatismos – e crônica – como nos casos de desnutrição, dificuldade de absorção de vitamina B12 ou carência de ferro. Em relação à patologia de base, as anemias podem ser divididas entre adquiridas (como é o caso dos exemplos citados acima) e congênitas. Nesse último caso destacam-se as hemoglobinopatias, em especial a anemia falciforme. Dentre todos os tipos de anemias, a mais comum por larga margem é a anemia por deficiência de ferro, chamada de ferropriva.

Os sintomas dependem da doença causadora do quadro, mas em geral incluem palidez cutânea, cansaço e taquicardia. O principal exame diagnóstico é o hemograma completo, onde é feita a avaliação da “série vermelha” – hemácias (quantidade, tamanho e forma), hematócrito e hemoglobina (quantidade e concentração). Após a detecção da anemia, deve se iniciar o diagnóstico da causa da mesma. O tratamento também deve ser determinado pela condição que levou ao quadro anêmico. Suplementação de ferro é utilizado na correção dos casos da carência desse mineral.

Na semana passada, a mídia esportiva deu destaque à declaração do departamento médico do Barcelona, que revelou que Neymar apresenta quadro de anemia, o que também foi confirmado pelo pai do jogador. Apesar de poucos detalhes terem sido revelados pelo clube catalão, o médico da seleção brasileira José Luis Runco disse que o quadro foi decorrente da perda sanguínea ocorrida na cirurgia de amígdala (que foi tema também dessa coluna) a que o ex-atacante do Santos foi submetido no início de julho. Ele já está sendo tratado com reposição de ferro.

Estudo recente realizado nos EUA aponta relação causal entre morte súbita e atletas negros portadores do traço falciforme – uma condição variante da anemia falciforme, doença congênita, mais comum na população negra. Na anemia falciforme há dois genes defeituosos em uma parte do cromossomo 11, herdados de cada um dos pais. No traço, o indivíduo recebe apenas um gene defeituoso. Aproximadamente 1% das 2.462 mortes súbitas de atletas registradas ocorreram em esportistas portadores do traço falciforme. Esforço físico intenso (como o dispendido em esportes de alto rendimento, incluído aí o futebol de campo) e temperaturas elevadas teriam relação direta com o quadro. Vale lembrar que, em 2010, o meio campista francês Lassana Diarra foi cortado do mundial de 2010 na África do Sul porque durante os treinos preparatórios foi diagnosticado como portador de anemia falciforme.

No futebol brasileiro a incidência de anemia em jogadores de futebol certamente é maior do que os olhos de torcedores e jornalistas esportivos vêem. Há inúmeros relatos, principalmente em categorias de bases de equipes de locais menos favorecidos, de jovens atletas em péssimo estado nutricional e submetidos a esforços e rotinas desgastantes, sem alimentação adequada, com consequente deficiência de ingestão e absorção de ferro, principalmente, e vitamina B12.

Por fim, menção ao caso de Alex Alves, ex-atacante do Vitória/BA, que jogou também no Vasco, Cruzeiro, Palmeiras e Hertha Berlim, entre outros, que faleceu no final de 2012. Inicialmente, o diagnóstico divulgado foi o de leucemia. Na verdade, porém, o jogador era portador da doença conhecida como hemoglobinúria paroxística noturna, que é uma anemia hemolítica (isto é, há destruição das hemácias) crônica adquirida rara, e que apresenta como característica a presença do pigmento hemoglobina na urina. Essa síndrome na maioria dos pacientes leva a algum tipo de falêcia da medula óssea (local de produção das células sanguíneas), que foi o que aconteceu com o jogador, infelizmente levando-o ao desfecho fatal.

Comentários

Médico clínico geral e geriatra, apreciador do bom futebol, doente pelo Flamengo e viúva de Zico!