Jorge Campos, o goleiro-atacante

Goleiro-artilheiro não é mais novidade hoje em dia. É cada vez mais comum os arqueiros treinarem  bolas paradas, mas o mexicano Jorge Campos, mais do que goleiro-artilheiro,  era também  um goleiro-atacante, já que, além de atuar no gol, costumava jogar no ataque.

Foto: Reprodução - Jorge Campos com sua camisa número 9, pouco usual para goleiros.

Foto: Reprodução – Jorge Campos com sua camisa número 9, pouco usual para goleiros.

Apesar de já ter se aposentado, Jorge Campos é até hoje lembrado pelos fãs do esporte. Considerado uma figura mitológica, tanto pelos seus uniformes espalhafatosos, quanto pela sua baixa estatura (1,73 m), é difícil encontrar alguém que não tenha admirado o goleiro mexicano. Sua presença em campo já era um show a parte.

Engana-se quem pensa que ele só chamava atenção pelo estilo ou pelo pequeno porte físico. Campos jogou 130 partidas pela seleção mexicana, se firmando como um dos melhores da posição da história do seu país. Participou das Copas de 1994 e 1998 como titular da meta. Em 2002, viu do banco o Mundial no Japão e na Coreia.

Campos construiu sua carreira no próprio México, onde jogou por UNAM, Atlante, Cruz Azul, Tigres e Puebla, time o qual se aposentou, em 2003. Também teve duas passagens pelos Estados Unidos, logo que a MLS (Major League Soccer) foi criada, atuando pelo Los Angeles Galaxy, em 1996, e Chicago Fire, em 1998.

Como dito anteriormente, era muito comum, no decorrer dos jogos, Jorge Campos trocar seu uniforme de goleiro para jogar na linha. Ao todo foram 35 gols anotados, entre eles um golaço de voleio quando atuava pelo Atlante.

O mexicano tinha tanta popularidade que, mesmo sem ter jogado sob os holofotes do futebol europeu, era um dos jogadores de destaque nos comerciais da Nike, como nesse abaixo:

O famoso desenho Super Campeões, que tem como protagonista o Oliver Tsubasa, também tem um personagem inspirado no Jorge Campos, chamado Ricardo Espadas.

espadas

Hoje, Jorge Campos trabalha como comentarista de futebol pela Televisión Azteca.

Comentários