Você lembra? Ricardinho no Bordeaux

Foto: Bruno Fablet - Ricardinho fez 20 jogos na França e marcou somente um gol

Foto: Bruno Fablet – Ricardinho fez 20 jogos na França e marcou somente um gol

Pentacampeão mundial com a Seleção Brasileira e um dos poucos jogadores a vestir a camisa de três dos quatro maiores clubes de São Paulo (Corinthians, Santos e São Paulo), o meio-campista Ricardinho foi um dos personagens mais marcantes do futebol brasileiro entre o final dos anos 90 e princípio dos 2000.

Além de polêmico – passar pelos três clubes paulistas mostra esse lado, Ricardinho conquistou muitos fãs com a bola no pé. Técnico e com precisão nos chutes e cobranças de faltas que poucos atletas tinham na época em que jogava, o meia não passou por tantos clubes grandes por acaso.

Porém o que lhe credenciou a ter passagens marcantes por times europeus de destaque não aconteceu efetivamente. No retorno do quadro “Você lembra?”, a Doentes por Futebol recorda a primeira passagem de Ricardinho pelo Velho Continente. Por um ano, o meio-campista vestiu a camisa do Bordeaux.

Chegada na França

Ricardinho pousou no Velho Continente quando tinha apenas 21 anos. Antes de ser contratado pelo Bordeaux, ele já havia feito três excelentes temporadas pelo Paraná, clube que o revelou, sendo tricampeão estadual e fazendo mais de 80 partidas.

O brasileiro foi aposta de Guy Stéphan, técnico jovem à época, 41 anos, e que estava começando a figurar nos times de elite da França. Como se não fosse o bastante, Ricardinho chegou ao Bordeaux vestindo a camisa 10 do clube.

Jogando ao lado do compatriota Gralak, do experiente Jean-Pierre Papin e do futuro protagonista girondino, Sylvain Wiltord, Ricardinho começou como titular na primeira rodada do Campeonato Francês. O brasileiro jogou por 77 minutos na partida diante do Monaco, realizada no Parc Lescure (antigo nome do estádio Jacques Chaban-Delmas).

No citado confronto, o Bordeaux conseguiu o triunfo na “bacia das almas” com Lilian Laslandes. O atacante conseguiu tirar o zero do marcador aos 44 minutos da etapa complementar, aproveitando rebote esquisito do goleiro Fabien Barthez.

Na rodada seguinte, Ricardinho novamente foi titular, desta vez em duelo fora de casa contra o Metz. Durante a primeira etapa, o meia teve boa participação e iniciava a maioria das jogadas do Bordeaux, mesmo assim, o placar era desfavorável: 1×0. O Bordeaux até buscou o empate com Laslandes, mas um passe errado, com participação de Ricardinho, resultou no início da derrocada girondina. O brasileiro recebeu próximo a linha lateral, mas o passe foi forte e o domínio não foi o ideal, fazendo com que a bola ficasse no controle do Metz. No prosseguimento da jogada, Bruno Rodriguez fez o segundo.

Condenado ou não, Ricardinho foi substituído logo após o gol, dando lugar a Kiki Musampa, que era outra aposta de Stéphan. A partida acabou 4×1 para o Metz.

Desempenho

Foto: Reprodução - O brasileiro ficou apenas um ano na França

Foto: Reprodução – O brasileiro ficou apenas um ano na França

Mas isso não parece ter pesado na carreira de Ricardinho no Bordeaux. Depois da trágica goleada, o brasileiro participou de 18 jogos, sendo 16 pelo Campeonato Francês e dois pela Copa da Liga. Das 18 participações, 12 foram como titular, mas somente em quatro jogos atuou durante 90 minutos. Curiosamente, nas seis vezes que saiu do banco, os girondinos não perderam. Foram três vitórias e três empates com Ricardinho iniciando como reserva e entrando no decorrer dos jogos.

Neste período, o brasileiro marcou apenas um gol. Foi na 12ª rodada, no triunfo pelo marcador mínimo sobre o Guingamp. Na ocasião, o Bordeaux jogava com 10 em campo após a expulsão de Lassina Diabaté e o meia balançou as redes aos 31 minutos da etapa final.

Porém a troca de comando técnico acabou pesando para que a passagem de Ricardinho pela França se tornasse um fracasso. Ao término de 1997, Guy Stéphan partiu para a seleção francesa, onde foi auxiliar de Aimé Jacquet. Para substitui-lo, chegou Élie Baup, e o número de aparições do brasileiro caiu drasticamente. Com Stéphan, foram 17 partidas; com Baup, apenas três.

Desprestigiado com o novo treinador, a última aparição de Ricardinho com a camisa girondina acabou sendo no dia 18 de fevereiro de 1998, contra o Stade Poitevin, em partida válida pelas quartas-de-final da Copa da Liga Francesa. Em sua última partida no Campeonato Francês (vitória por 3×1 sobre o Montpellier na 26ª rodada), o Bordeaux ocupava a 5ª colocação mesma posição que o clube conquistou ao fim da 34ª rodada.

Em uma temporada, Ricardinho participou de 20 partidas, vencendo nove, perdendo quatro e empatando sete jogos. Com o brasileiro em campo, o Bordeaux teve 55% de aproveitamento.

Fracasso consumado

Até hoje, Ricardinho é lembrado como um exemplo de “flop” no Bordeaux. Recentemente, Jean-Louis Triaud, presidente do clube desde a época em que o brasileiro foi contratado, usou o meia como exemplo para defender o uruguaio Diego Rolán, que também chegou ao clube com grandes esperanças e ainda não rendeu o esperado. Triaud disse que Ricardinho não é mau jogador, mas que não se adaptou as diferenças do futebol europeu comparado com o sul-americano.

“Certa vez, Ricardinho me disse: ‘Nós, na América do Sul, temos tempo para pisar na bola, erguer a cabeça, olhar e passar. Temos tempo para jogar. Na Europa, você recebe a bola, o adversário já chega junto e você deve ir mais rápido’”, relembrou.

Alguns fóruns de torcedores do Bordeaux destacam que “o futebol de Ricardinho prevaleceu em uma liga em que a falta de contato físico é menos prejudicial do que na França”, reforçando o discurso de Triaud de que o brasileiro não se adaptou ao futebol francês.

Divisor de águas

Foto: Reprodução - Depois do Bordeaux, Ricardinho acertou com o Corinthians, clube onde mais fez sucesso

Foto: Reprodução – Depois do Bordeaux, Ricardinho acertou com o Corinthians, clube onde mais fez sucesso

Por fim, a passagem pela França acabou sendo um divisor de águas na carreira de Ricardinho. Se Baup tivesse mais paciência com o brasileiro e viesse a render o esperado quando contratado, talvez não se transferisse para o Corinthians, clube onde mais fez sucesso e por qual conseguiu ser convocado para a seleção brasileira que venceu a Copa do Mundo de 2002.

Depois da passagem pelo Bordeaux, Ricardinho se aventurou mais duas vezes na Europa: pelo Middlesbrough, da Inglaterra, em 2004 (no qual ficou três meses e nem jogou), e pelo Besiktas, da Turquia, entre 2006 e 2008.

Fonte: Ligue1.fr, World Football, Girondins 4ever e Les Bordelais

Facebook Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.

  • facebook
  • twitter