Novo limite faz número de gringos aumentar no Brasil

  • por Saimon
  • 4 Anos atrás

Ao término das competições nacionais de 2013, a CBF fez uma mudança até certo ponto radical e interessante em seu regulamento geral de competições. Adotou um novo limite de jogadores estrangeiros por partida. O número máximo, até então de três jogadores, subiu para cinco. A mudança motivou os clubes brasileiros a olharem mais para o mercado sul-americano, e hoje chegamos a mais de 50 estrangeiros atuando na Série A.

O assunto entrou em discussão através do Internacional. Na época, o colorado gaúcho contava com quatro estrelas gringas em seu elenco: D’Alessandro, Forlán, Scocco e Dátolo. Pela regra da CBF, qualquer clube poderia ter quantos estrangeiros quisesse, mas só três entrariam em campo na mesma partida, o que impedia o quarteto de jogar junto. O aumento do limite veio no fim do ano, mas o Inter já negociava Dátolo com o Atlético Mineiro, além de negociar as saídas de Forlán e Scocco.

Atualmente são 53 estrangeiros jogando a primeira divisão. O líder do ranking é o Palmeiras, que soma oito jogadores mais a comissão técnica, liderada por Ricardo Gareca. Atrás do Palestra, aparecem Flamengo e Grêmio, com cinco estrangeiros cada. O rubro-negro carioca pode diminuir esse número, pois negocia a rescisão do zagueiro Frickson Erazo. Apenas Sport e Goiás não possuem gringos, embora o clube pernambucano tenha começado o ano com o boliviano Chumacero, o paraguaio Meza e o uruguaio Robert Flores no elenco.

Entre os países, a Argentina lidera com folga. São 22 atuando por aqui. O Paraguai aparece em segundo com onze jogadores. Ao todo, dez países possuem atletas registrados, sendo até um de Angola e um de Portugal. O angolano é Geraldo, atacante que está no Coritiba há várias temporadas. O português é Fábio Braga, volante do Fluminense e filho do técnico Abel Braga. Apesar de ter pais brasileiros e nacionalidade brasileira, Fábio nasceu em Lisboa e pode ser considerado como estrangeiro no Brasil.

Foto: Reprodução - Gareca é o principal fator para o Palmeiras ser o time com mais gringos.

Foto: Reprodução – Gareca é o principal fator para o Palmeiras ser o time com mais gringos.

Esse aumento também fez os clubes de divisões inferiores olharem com mais carinho para o mercado de fora. Dois nomes chamam atenção: Alexander Robinson e Mattia Binatti. Robinson é um lateral costa-riquenho de 25 anos com passagens pelo Saprissa e que defende o Juventude na Série C. Já Binatti é um zagueiro italiano que joga a Série D pelo Metropolitano de Blumenau. Com apenas 22 anos, o defensor passou por times cearenses e italianos antes de chegar a Santa Catarina. Na base, essa alternatividade também é comum. Recentemente, o Corinthians teve o zagueiro camaronês Vincent Bikana, enquanto que o Atlético Paranaense contava com o nigeriano Dominic no seu elenco sub-23.

Abaixo todos os estrangeiros atuando na primeira divisão:

 

banner_argentina

Argentina – 23 jogadores

Dátolo (Atlético/MG), Emanuel Biancucchi e Maxi Biancucchi (Bahia), Bolatti e Ferreyra (Botafogo), Martinuccio (Coritiba), Sergio Escudero (Criciúma), Mugni e Canteros (Flamengo), Conca (Fluminense), Matías Rodríguez, Alan Ruíz e Barcos (Grêmio), D’Alessandro e Luque (Inter), Tobio, Mouche, Cristaldo e Allione (Palmeiras), Pato Rodríguez (Santos), Clemente Rodríguez e Cañete (São Paulo), Damián Escudero (Vitória)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_paraguay

Paraguai – 11 jogadores

Wilson Pittoni (Bahia), Zeballos (Botafogo), Meza (Chapecoense), Ángel Romero (Corinthians), Samudio (Cruzeiro), Victor Cáceres (Flamengo), Riveros (Grêmio), Mendieta (Palmeiras), Luis Cáceres, Beltrán e Roberto Fernández (Vitória)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_uruguay

Uruguai – 8 jogadores

Olaza (Atlético/PR), Lodeiro (Corinthians), Fornaroli (Figueirense), Maxi Rodríguez (Grêmio), Victorino e Eguren (Palmeiras), Álvaro Pereira (São Paulo), Luís Aguiar (Vitória)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_chile

Chile – 4 jogadores

Cereceda (Figueirense), Aránguiz (Inter), Valdívia (Palmeiras), Mena (Santos)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_peru

Peru – 2 jogadores

Cachito Ramírez (Botafogo) e Guerrero (Corinthians)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_ecuador

Equador – 1 jogador

Erazo (Flamengo)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_colombia

Colômbia – 1 jogador

Valencia (Fluminense)

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

banner_bolivia

Bolívia – 1 jogador

Marcelo Moreno (Cruzeiro)*

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

ang

Angola – 1 jogador

Geraldo (Coritiba)*

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

pt

Portugal – 1 jogador

Fábio Braga (Fluminense)*

* Marcelo Moreno, Geraldo e Fábio Braga são jogadores nascidos fora do Brasil, mas com nacionalidade brasileira. Ou seja, eles podem ser escalados que não serão contados entre os cinco gringos permitidos.

Há ainda o caso de jogadores brasileiros naturalizados; alguns os consideram também como estrangeiros por terem atuado por uma seleção que não seja a do Brasil. São casos comuns, como o do croata Eduardo da Silva, reforço do Flamengo, ou do atacante Cléo, que tem cidadania sérvia e atua pelo Atlético Paranaense. Outro caso conhecido é o de Émerson Sheik, que chegou a defender a seleção do Catar, mas depois foi suspenso de atuar pelo país.

Comentários

Palmeirense, 23 anos. Acompanha futebol em qualquer canto. Fã da ótima geração belga.