As boas revelações do Benfica 2015/2016

  • por Levy Guimarães
  • 56 Visualizações

A temporada do Benfica até aqui está longe do ideal. Uma campanha irregular no Campeonato Português, já vendo à distância o rival Sporting, uma eliminação para os leoninos na Taça de Portugal e um Rui Vitória ainda com dificuldades de impor o seu padrão de jogo à equipe, até aqui um vulto do time de Jorge Jesus – de positivo, fica a boa campanha na Liga dos Campeões. Mas em meio a tudo isso, de um aspecto os benfiquistas não podem reclamar: Em parte pela filosofia do treinador, em parte por necessidade, o clube está aproveitando os jovens das categorias de base como há muito não se via.


Um dos que mais têm surpreendido nesses primeiros meses de temporada é Nélson Semedo. Contrariando a expectativa de muitos torcedores, o Benfica não trouxe nenhum reforço para o lugar de Maxi Pereira, o que deixou muitos desconfiados se Semedo já estaria pronto para a função. Lançado logo de cara por Rui Vitória devido à lesão de Sílvio (que era o mais cotado para assumir a posição), o lateral direito de 22 anos, que até então só havia atuado pelo Benfica B e pelo modesto Fátima, mostrou personalidade e assegurou o seu lugar no onze inicial.

Foto: SL Benfica/Oficial

Com vocação ofensiva, chega com frequência ao ataque, ao mesmo tempo em que tem muito fôlego para encobrir os espaços deixados na defesa, além de, volta e meia, aparecer na área para finalizar. Nos números, inclusive, supera Maxi em muitos aspectos, como na eficácia em desarmes (84% contra 78% do uruguaio) e em dribles certos (45% x 12%). Uma lesão no joelho o tem deixado fora de ação nas últimas semanas – e nesse meio tempo, Sílvio tem deixado a desejar. O que assegura ainda mais que a lateral direita encarnada, hoje tem dono: ela é de Nélson Semedo.


Outro “miúdo” (como gostam de dizer os nossos amigos portugueses) que tem roubado a cena é Gonçalo Guedes, 18 anos – mais um que, na falta de opções convincentes, assumiu a titularidade para não mais perder. Jogador do clube desde os nove anos de idade, já tinha ganhado alguns minutos na temporada passada, mas só neste ano teve mais espaço para mostrar futebol. A oportunidade no onze veio com a lesão de Salvio e as más atuações de Taarabt e Carcela-González na pré-temporada. Como um autêntico meia-direita, Gonçalo Guedes mostra facilidade para tabelar, bom cruzamento e um faro de gol acima da média dos pontas portugueses. O rápido entrosamento com Semedo e Gaitán fez do lado direito uma das boas armas da equipe encarnada, ainda que o garoto precise trabalhar melhor o passe e algumas decisões de jogo.

Foto: SL Benfica/Oficial

A importância de Gonçalo e Semedo nesse ainda enfraquecido Benfica se fez no melhor momento da equipe até o momento na temporada, a vitória por 2×1 sobre o Atlético de Madrid no Vicente Calderón. Com um gol do meia-atacante e uma assistência do lateral (regidos por uma grande atuação de Gaitán), o time conseguiu o triunfo que o garante antecipadamente nas oitavas da Champions, o que não acontecia desde 2012.


E foi também no certame europeu que Rui Vitória lançou, sem cerimônia, um garoto de 18 anos no meio-campo. Sem nunca ter atuado no time principal, Renato Sanches foi escalado no complicado jogo fora de casa contra o Astana – um time modesto, mas que terminou a Champions invicto em seus domínios, onde cresce com o frio, a torcida e o gramado sintético. E ele não só jogou bem, como foi um dos melhores em campo na insossa exibição benfiquista. Como um veterano, distribuía o jogo e imprimia velocidade através do passe, sendo um dos responsáveis pela reação do time após estar perdendo por 2×0. E logo no seu primeiro jogo no Estádio da Luz, contra a Acadêmica pelo Campeonato Português, marcou um golaço de fora da área, tendo sido o grande destaque da vitória benfiquista por 3×0. Com Pizzi e Talisca em má fase, tudo indica que está aí o companheiro ideal de Samaris na volância.

Foto: SL Benfica/Oficial

Rui Vitória também tem feito uso de outros garotos, como Victor Andrade, que chegou do Santos, passou um ano no Benfica B e foi imprescindível nas primeiras rodadas do Campeonato Português. Contra Estoril, Moreirense e Belenenses, entrou muito bem no 2º tempo, mas começou a oscilar e a perder espaço. Ainda assim, segue como uma opção de bom potencial. Nuno Santos é outro atacante que já ganhou alguns minutos e pode aparecer mais vezes ao longo da temporada.

Facebook Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.

  • facebook
  • twitter