Brasil nos 4 cantos: Claudemir

Brasil nos 4 cantos de volta e de cara nova, Doentes!

BRASIL NOS 4 CANTOS REDUZIDA

Não é incomum encontrar brasileiros pouco conhecidos atuando em equipes estrangeiras, mas mesmo assim a curiosidade ainda é provocada quando nos deparamos com estes casos. Atualmente jogador do Club Brugge, Claudemir, meio-campista baiano de Macaúbas, é um bom exemplo dessa categoria, tendo deixado o modesto São Carlos em 2008 e se aventurado pela Holanda com apenas 19 anos. Lá vestiu a camisa do Vitesse por duas temporadas e meia, antes de mudar-se para o Copenhague, sua casa até o início deste ano.

Partamos no início. Antes de marchar para sua empreitada na Europa, Claudemir passou pelas categorias de base de União São João de Araras e Palmeiras, até se profissionalizar no São Carlos, em 2007, time de pouca expressão profissional fundado em 2004, que disputa apenas a Série A3 do Paulistão. Naquele já distante ano de 2007, o jogador havia se destacado na Copa São Paulo de Futebol Júnior, marcando três gols, e ganhado espaço no elenco profissional do clube.

Foto: Vitesse.nl

Foto: Vitesse.nl

Assim, em 2008, Claudemir partiu para Arnhem, onde defenderia o Vitesse com destaque. Tão logo chegou, o brasileiro assumiu a titularidade da equipe e em seu terceiro jogo, proveu a assistência para o gol da vitória de seu time, que terminou a temporada 2007-2008 na 12ª posição. Ao todo, o volante brasileiro disputou nove partidas neste ano, marcando três gols e criando duas assistências.

Sobre a oportunidade de mudar-se para a Europa ainda tão jovem, o jogador falou um pouco, com exclusividade, ao Doentes por Futebol:

“Então, a oportunidade surgiu depois de ter jogado a Copa São Paulo, em que meus atuais empresários me viram jogando e logo em seguida tive o convite para ir jogar no Vitesse, da Holanda. A adaptação, graças a Deus, foi tranquila pois o futebol é um pouco parecido com o meu estilo de jogo, agressivo e com toque de bola rápido”.

Seu segundo ano no novo país foi sem dúvidas melhor do que o primeiro. Atuando em 33 das 34 partidas da Eredivisie, com média de 88 minutos em campo, cimentou seu lugar na equipe e teve brilho individual em grandes jogos. Exemplo claro foi sua atuação contra o Ajax, na 22ª rodada, ocasião em que proveu duas assistências na vitória de sua equipe por 4×1, contra um time que à época contava com Luis Suárez. A temporada encerrou-se com o Vitesse na décima posição e com Claudemir em evidência.

Foto: Vitesse.nl

Foto: Vitesse.nl

Seu último ato em Arnhem seguiu a mesma toada das anteriores, com dificuldades, mas destaque individual. O clube terminou na 14ª posição e após disputar 80 jogos, marcar 10 gols e prover 12 assistências, Claudemir aceitou um novo desafio, em uma equipe maior: o Copenhagen, da Dinamarca. Então, o Vitesse vivia graves problemas financeiros, à beira da falência, o que foi solucionado em 2010, com sua venda ao georgiano Merab Jordania, conhecido por sua amizade com Roman Abramovich.

Na Dinamarca, o jogador consagrou-se e chegou a tomar todos os holofotes do mundo da bola para si. Desde a sua primeira temporada em seu novo clube, o brasileiro foi titular, tendo marcado o seu nome em uma página da história do futebol mundial. Atuando em casa, pela UEFA Champions League, contra um Barcelona que alinhou figuras da qualidade de Lionel Messi, David Villa, Xavi e Iniesta, Claudemir marcou um gol e assegurou um empate improvável para o Copenhagen: 1×1. Ademais, na mesma campanha de 2010-2011, marcou mais quatro gols e conquistou seu primeiro título dinamarquês.

Foto: fck.dk

Foto: fck.dk

Os anos que se seguiram na Escandinávia mantiveram a mesma toada do primeiro. Titularidade, números interessantes e títulos. Até sua saída para o Club Brugge, o baiano participou de mais um título dinamarquês e de duas copas da Dinamarca (tendo deixado o clube em meio à disputa da última campanha vitoriosa). Com um total de 184 jogos disputados, 14 gols marcados e 17 assistências, o brasileiro entendeu que precisava de mais um desafio na sua carreira e após 4 temporadas e meia partiu para o Club Brugge.

Vale ressaltar que mesmo nas temporadas em que não conquistou títulos com o Copenhagen, chegou perto, participando de três vice-campeonatos dinamarqueses e um da Copa da Dinamarca. Perguntado sobre o ponto alto de sua carreira, Claudemir respondeu:

“Sem dúvida, o primeiro título dos quatro (o Campeonato Dinamarquês da temporada 2010-2011) que ganhei foi especial por ser o primeiro e teve um sabor diferente. Claro que os outros três foram importantes também, mas por ser o primeiro foi marcante (…) Sem dúvida o gol contra o Barcelona sempre será lembrado pela importância do jogo e por ser contra o melhor time do mundo na atualidade na época; será sempre lembrado pelos fãs do Copenhagen”.

Foto: fck.dk

Foto: fck.dk

Praticamente a um ano no Club Brugge, o jogador comentou suas experiências na Holanda, na Dinamarca e na Bélgica e garantiu que a sua última mudança de clube foi motivada pela busca de um novo desafio.

“Por onde passei foi sempre muito bom, na Holanda, na Dinamarca, lugares em que dei meu melhor e consegui deixar meu nome gravado na memória dos fãs do Vitesse e do Copenhagen. Mas a minha vida toda sempre foi um desafio e gosto de desafios. Achei que era o momento certo de sair do Copenhagen e buscar um novo desafio, recomeçar do zero e fazer meu nome no futebol belga como consegui fazer no futebol holandês e no dinamarquês”.

Foto: Clubbrugge.be

Foto: Clubbrugge.be

Nas quatro linhas, a mudança para Bruges também vem se mostrando um acerto feito por Claudemir. Em menos de seis meses já conquistara o título da Copa da Bélgica e o vice-campeonato belga. Com 32 jogos disputados e três gols marcados, vem escrevendo novamente uma página interessante em sua carreira. Um dos gols supracitados aconteceu em uma ocasião muito especial para o clube e merece o destaque.

Na sexta rodada da atual disputa da Jupiler League, o Club Brugge recebeu o tradicional Standard Liège e massacrou-o, como revela o placar de 7×1. O quinto tento saiu da cabeça deste brasileiro que deixou seu país ainda garoto e já deixou sua marca na Holanda e na Dinamarca, sendo mais um brasileiro espalhado pelo mundo.

Foto: Clubbrugge.be

Foto: Clubbrugge.be

No entanto, apesar do sucesso na Europa, o jogador, como a grande maioria dos brasileiros que saem muito jovens do Brasil, não se esquece de sua nação e confirma que ainda sonha em retornar ao país:

“Graças a Deus procuro fazer as coisas da melhor forma possível como fiz em todos os clubes que passei até hoje. Com certeza pretendo voltar a jogar no Brasil. Tenho esse sonho e esse objetivo de um dia poder voltar a jogar no Brasil e sei que com trabalho, melhorando a cada dia, isso poderá acontecer.”

A história de Claudemir traz mais uma daquelas interessantes trajetórias que só o futebol é capaz de proporcionar. O jogador é um baiano que se profissionalizou em São Paulo, escreveu páginas bonitas na Holanda e na Dinamarca e hoje joga na Bélgica, sem resistir ao sonho de retornar ao Brasil.

Facebook Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, pós-graduando em Direito Desportivo e Negócios do Esporte, 24 anos. Admito minha preferência pelo futebol bretão, mas aprecio o esférico rolado qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Estou também no "O Futebólogo", meu blog.

  • facebook
  • twitter
  • googleplus
  • youtube
  • instagram