Ben Arfa e o ressurgimento no Nice

  • por Henrique Souza
  • 20 Visualizações
Foto: OGC Nice || Divulgação

Foto: OGC Nice || Divulgação

Gols, dribles desconcertantes e arrancadas fulminantes. A descrição poderia se referir a nomes como Messi, Cristiano Ronaldo ou Neymar, mas estamos falando de Hatem Ben Arfa. O meia-atacante vem fazendo a grande temporada da sua carreira. Embora ainda esteja distante do patamar dos principais jogadores do mundo, o francês é um dos principais nomes da Ligue 1 e é o responsável por liderar o Nice na briga por uma vaga na próxima Liga dos Campeões da Europa.

Ben Arfa apareceu para o futebol como uma grande promessa. Surgido em Clairefontaine, principal centro de formação de jogadores da França, o meia-atacante teve passagem pelas seleções de base do país e chegou aos profissionais no Lyon. Na temporada 2007/2008, alcançou destaque ao ser eleito revelação da Ligue 1. Pelo clube, foram quatro títulos franceses.

O jogador começou a causar problemas pelo seu temperamento após forçar sua saída para o Olympique Marseille. A transferência já estava acertada, mas, de última hora, o presidente do Lyon, Jean-Michel Aulas, desistiu do negócio. Ben Arfa brigou, acionou a justiça e conseguiu mudar de clube. Na nova equipe, o francês começou bem, mas após se recusar a entrar em campo em uma partida contra o PSG depois de ter ficado na reserva, a situação do atleta começou a se deteriorar lentamente. Ainda assim, conquistou a Ligue 1 em 2010.

O futebol de Ben Arfa despertou o interesse do Newcastle, que fez uma proposta de empréstimo com opção de compra pelo jogador. Apesar do desejo de se transferir, o Olympique havia acabado de perder peças importantes e vetou a negociação. Novamente o francês resolveu forçar sua saída. Após muitas brigas, conseguiu ir para a Inglaterra.

Nos Magpies, mesmo após sofrer uma lesão por seis meses, foi comprado pelos ingleses. Na Premier League, impressionou pelo talento e habilidade, mas outra contusão o atrapalhou na nova equipe, culminando com exibições irregulares e problemas com o peso.

Emprestado ao Hull City, mais uma briga, desta vez com o técnico Steve Bruce. O empréstimo cancelado. De volta ao Newcastle e sem clima para continuar na Inglaterra, teve seu contrato rescindido.

Quando Ben Arfa assinou com Nice, poucos esperavam que a contratação do jogador fosse dar tão certo. Vindo de um período em baixa no Newcastle, o atleta parecia fadado a ser apenas mais uma daquelas tantas promessas que não vingaram. Após um empréstimo fracassado ao Hull City, a oferta feita pelo clube do Mediterrâneo parecia o ideal para o francês.

Entretanto, por ter jogado uma partida no time reserva da equipe inglesa, e já ter defendido o Newcastle na temporada passada, Ben Arfa precisou esperar seis meses para atuar por seu novo clube, já que a FIFA não permite que um atleta defenda três equipes diferentes na mesma temporada.

Foi um período difícil para o jogador, como ele mesmo declarou: “E quando eu acreditei em mim mesmo, e assinei com o Nice, eles foram impedidos de me contratar. Eu me senti preso em uma sala escura sem porta ou em um túnel sem fim”, afirmou em entrevista à France Football.

Os primeiros dias de Ben Arfa na sua nova casa suscitaram novas dúvidas sobre o futuro do jogador. Se apresentou em péssima forma, nitidamente acima do peso. No entanto, a habilidade que nunca o deixou fez com que ele, mesmo longe das condições físicas ideais e sem ritmo de jogo, conseguisse se destacar na pré-temporada. As boas exibições vieram, o excesso de peso foi eliminado e Ben Arfa engrenou.

O francês é o grande nome da surpreendente campanha do Nice, que, em quarto lugar, briga por uma vaga na Liga dos Campeões da Europa e pode até beliscar um vice-campeonato. Já são 10 gols e 2 assistências em 21 jogos. Mas a grande fase de Ben Arfa não pode ser resumida apenas em números. As arrancadas e dribles em velocidade são comuns e o jogador tem protagonizado jogadas espetaculares pelo clube do Mediterrâneo. Diferentemente dos lampejos de gênio que apresentou principalmente em Lyon e Newcastle, a regularidade, desta vez, também é um dos pontos a ser destacados na temporada do meia-atacante.

A fase é tão boa que ele voltou inclusive a ser chamado para a seleção nacional. Participou dos últimos amistosos da França em 2015, contra Alemanha e Inglaterra.

Ben Arfa sempre foi um jogador muito talentoso. Seu companheiro de Lyon, Benzema, já chegou a afirmar que ele poderia “ser como Messi” se quisesse. Aos 28 anos, talvez seja tarde para chegar ao nível que prometia quando começou no futebol, mas ainda há tempo para terminar seus dias no esporte de maneira muito mais digna. Esta temporada pode marcar um recomeço na carreira do francês. Para o bem o futebol, esperamos que isso aconteça.

Doente por futebol desde que se conhece por gente. Formado em Educação Física e estudante de jornalismo. Apaixonado por jogos e times clássicos. Considera Zidane, Ronaldo, Romário e Messi os maiores que viu jogar.

  • facebook
  • twitter