DOENTES POR FUTEBOL

Fernandes, o garçom moderno do Botafogo

Como todos sabem, o Botafogo não vive seus melhores dias na história. Afogado em dívidas, o clube adota desde 2015 uma política administrativa de poucos gastos que termina por afetar o futebol da equipe. Foi justamente neste período de reestruturação que Jonathan Fernandes surgiu no time principal botafoguense, destacando-se por ser um meio-campista contemporâneo em suas características de jogo.

OLHO NELE FERNANDES

ODD Shark

Ou seria ‘todocampista’? Pois o jovem de 21 anos joga em todas na meia-cancha, o que facilita seu encaixe entre os titulares. Dono de passe preciso e ótima visão de jogo, Fernandes é o famoso garçom moderno.

Começo com René Simões e título da Série B

O ano de 2014 foi trágico em General Severiano. Iniciado com eliminação na Libertadores, foi encerrado com rebaixamento para a Série B do Brasileirão. Sem grana e forçado a reformular, o presidente Carlos Eduardo Pereira apostou em René Simões – que, por sua vez, atirou suas fichas nos garotos.

No meio destes estava Fernandes, no clube desde os 10 anos e grande destaque da base alvinegra. Na realidade, pelo fato de contribuir para as finanças da casa desde adolescente – algo até corriqueiro no mundo do futebol -, o volante ganhou algumas manchetes. Porém, se deu no Campeonato Carioca de 2015 a primeira glória maior do jogador entre os profissionais.

Clique e leia mais sobre a matéria do SporTV sobre o precoce arrimo de família da base do Botafogo.

Clique e leia mais sobre a matéria do SporTV sobre o precoce arrimo de família da base do Botafogo.

Fernandes ganhou espaço no 4-3-1-2 de René, logo nos primeiros contatos com o treinador e recém-chegado da categoria juvenil. No losango de meias, ele ocupava o lado canhoto, com Willian Arão pela direita. Aliás, Arão certamente foi um exemplo para o garoto, que possui bastante do hoje atleta do Flamengo. Além do mais, as conexões entra a dupla chegaram a render um tanto para o conjunto carioca. Consolidado no grupo profissional, foram 15 jogos, três gols (incluindo um na semifinal do Cariocão) e muita experiência adquirida no semestre. Tudo excelente, mas a segunda metade do ano seria de recuperação, muita paciência e aprendizado.

Sob comando de Ricardo Gomes e com a chegada de reforços, Fernandes passou mais tempo no banco do que em campo no segundo semestre. O clássico período de oscilação de quem aterrissa das categorias de base, mas que o polivalente meio-campista soube gerir. Tanto que chegou vivo para disputar os quatro últimos compromissos do Glorioso, erguendo o título da 2ª divisão brasileira. No final do ano, mesmo com a fase ruim, o balanço não poderia ser negativo. Até porque, para um estreante, 17 exibições e dois tentos na Série B não são nada ruins.

Vice Carioca outra vez, mas bom início de Brasileirão 2016

Perto de completar 21 anos, Jonathan Fernandes viu o prelúdio de 2016 como reserva. A meiuca botafoguense tinha gente mais experiente, como Rodrigo Lindoso, Bruno Silva e Airton. Além disso, com o 4-4-2 imposto por Ricardo Gomes, a briga de Fernandes se reduziu mais às duas vagas à frente da defesa. Sendo assim, os primeiros 90 minutos da revelação no Carioca aconteceram apenas na 8ª rodada da fase inaugural. A Copa do Brasil, então, serviu como válvula de escape.

Destaque nos duelos contra Coruripe (AL) e Juazeirense (BA), fora alguns minutos quebrados no Estadual, o lançador subiu no conceito de Ricardo para abocanhar várias titularidades nas primeiras rodadas de Brasileirão 2016.

Principais qualidades do meia

FernandesA precisão de Fernandes assusta, sobretudo pelo fato de o meia ser tão garoto. Entretanto, sustentando o passe como um grande predicado, o domínio de tempo na execução desse fundamento é descomunal. O jovem sabe exatamente quando soltar a bola, sem se precipitar ou segurar demais a pelota. Na sequência, como dito, a precisão de força surge de maneira fundamental.

Ainda no quesito passe, Fernandes possui bela visão do que acontece ao seu redor. Por isso, ainda que necessite evoluir nessa via, se movimenta bem para ser opção e controlar as jogadas desde sua concepção. Tal ponto também lhe permite enxergar os colegas, ativá-los em situações favoráveis, fazendo o time avançar ou circular melhor a gorduchinha.

df

Fernandes pisando na área rival, como box-to-box | Clique e amplie

A capacidade de adaptação a distintos posicionamentos é outra qualidade do carioca, que pode fazer de tudo no meio-campo. A exemplo de jogadores como Toni Kroos (que não por acaso, é o ídolo em quem o garoto se inspira), o atleta do Botafogo é um ‘todocampista‘. Todavia, pelo olhar diferenciado para a criação, tê-lo recuado pelo centro é indicado. Seguindo, Fernandes aparenta ter um motorzinho no lugar das pernas. Porque roda constantemente de uma área à outra, sempre buscando participar. A maior parte de seus gols, inclusive, são pisando na área adversária como um puro box-to-box inglês (o gol contra o Sport exemplifica bem isso)

Defensivamente há muita entrega, com o mesmo vigor físico ofensivo. Contudo, por guardar pouco os espaços, nessa fase do jogo o meia tem de ganhar em interpretação. Muitas vezes, esperar e ocupar determinado espaço é melhor do que sair para atacar o rival e recuperar logo a bola. Em vários casos, um volante desarmador é tão feroz para roubar que esquece a vida existente no entorno. Fernandes, principalmente para ser o 1º homem de meio e vingar na Europa, precisa ser direcionado neste sentido.

hh

Enfiada de bola do botafoguense | Clique e amplie

Ninguém é completo aos 21 anos, isso é pedir demais. Na verdade, alguns futebolistas nunca atingirão tal estágio. Mas não perece o caso de Jonathan Fernandes, um projeto de meio-campista moderno e fácil de encaixar. Todos sempre terão aspectos a evoluir, esse é o normal. Contudo, uns jamais o farão, enquanto outros continuarão a longa trilha até o final. Cabe a Fernandes, a partir de boa orientação, decidir qual caminho será o dele. Por ora, um futuro promissor bate à porta.

Olho Nele!

O conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor. O Doentes por Futebol respeita todas as opiniões discordantes e tem por missão promover o debate saudável entre ideias.

Estudante, 16 anos. Um doente por futebol que busca entender esse jogo magnífico de forma completa - claro, sem sucesso.