Jogo dos sete erros: Por que a Argentina foi vice de novo?

  • por Elcio Mendonça
  • 26 Visualizações
Foto: Olé - Cabeça quente ou algo planejado? Messi planeja deixar a seleção

Foto: Olé – Cabeça quente ou algo planejado? Messi planeja deixar a seleção

Não foi dessa vez que a seleção argentina acabou com o jejum de títulos, que chegou ao seu 23o ano e, na melhor das hipóteses, irá ao 25º, já que a próxima competição oficial pela frente será a Copa do Mundo na Rússia, em 2018.

A Albiceleste chegou como favorita aos Estados Unidos e correspondeu dentro de campo com tal alcunha. Lidou bem com essa cobrança, pelo menos até a final, e viu um Messi totalmente à vontade na seleção, algo que não costumava acontecer. Além disso, mostrou equilíbrio entre os setores dentro de campo, o que sempre lhe foi um problema.

O caminho até a decisão contra o Chile foi tranquilo. Cinco vitórias, sendo três delas por goleada, inclusive na semifinal diante dos EUA. Contra os chilenos, na abertura da Copa América, triunfo por 2 a 1 e sem Messi em campo, em um jogo aonde o resultado não traduziu o domínio argentino.

Mas na grande final nada saiu como o planejado e, novamente nos pênaltis, os comandados de Tata Martino viram o Chile fazer a festa. Afinal, o que deu errado para a Argentina?

https://www.youtube.com/watch?v=hjhAYlstVsg


Pizzi anulou o meio campo argentino

Juan Antonio Pizzi foi feliz na hora de montar o Chile. Levou a campo um time baseado no 4-1-4-1 (que virou 4-4-1 após a expulsão de Díaz) e conseguiu encaixotar o meio campo argentino. Banega, que fazia uma grande Copa América, foi anulado, assim como Biglia. Com isso, a Albiceleste teve enorme dificuldade para realizar a transição ofensiva.

Foto: Olé - Messi perdeu a sua cobrança na decisão por pênaltis

Foto: Olé – Messi perdeu a sua cobrança na decisão por pênaltis


Messi isolado

Ao anular o meio campo adversário, o Chile conseguiu “separar” Messi do restante do time. A bola não chegava ao camisa 10, que, isolado, foi incapaz de ditar o ritmo argentino em campo.


Olha ele de novo!

Higuain, novamente ele, perdeu um gol que poderia mudar a história do jogo, logo aos 20 minutos do primeiro tempo. Cara a cara com Bravo, mandou a bola para fora. Sair na frente, logo no início, colocaria a partida de uma maneira confortável para os argentinos, obrigando o Chile a sair para o jogo e afrouxar um pouco a marcação.

https://www.youtube.com/watch?v=Whfl0Nm-3wA

 


10×10 não é 11×11

Com Messi e Higuain em campo, Tatá Martino armou a Argentina no 4-3-2 após a expulsão de Rojo. Diante de um Chile que jogava em duas linhas, a Albiceleste perdeu o meio campo. Mais do que isso, viu seu camisa 10 ficar ainda mais isolado na frente.

Foto: Olé - A Albiceleste sofreu com a pressão do jejum de títulos

Foto: Olé – A Albiceleste sofreu com a pressão do jejum de títulos


23 anos nas costas

Com o passar do tempo e o 0 a 0 no placar, era visível o nervosismo dos jogadores argentinos. Enquanto o Chile controlava o encontro à sua maneira, a Albiceleste parecia longe de se encontrar em campo. Neste ano, sem o peso de uma final nas costas, a Argentina bateu duas vezes a Roja, inclusive em Santiago, por exemplo.

>>Leia mais: o incômodo jejum da Albiceleste<<


Pressão extra

Se não bastasse a cobrança comum a uma grande seleção que não é campeã há quase 25 anos, a Argentina sofreu uma cobrança extra nos dias que antecederam a decisão. Nem Maradona perdoou seus antigos comandados: “Se não ganharem, nem voltem para casa”, disse o Pibe.


O desastre AFA

Foto: Reprodução/Instagram - Messi usou as mídias sociais para mostrar seu descontentamento com a AFA

Foto: Reprodução/Instagram – Messi usou as mídias sociais para mostrar seu descontentamento com a AFA

O Fifagate acertou como um furacão a AFA, envolvida até o pescoço com corrupção e em sérios problemas financeiros. Tatá Martino, por exemplo, não recebe salários há oito meses. Em solo americano a Argentina sofreu com a falta de dinheiro, afetando diretamente a logística da equipe nas viagens. Até os treinamentos foram prejudicados. Para complementar o elenco nos treinos, a AFA costumava levar alguns atletas sub 20 junto com a delegação. Sem dinheiro, cortou tais viagens e apelou para garotos de times locais, com qualidade técnica inferior.

Messi não escondeu seu descontentamento com a situação. Em seu perfil no Instagram chamou a AFA de desastre. O anuncio de sua aposentadoria da seleção, que poderá contar a com a adesão de outros atletas, tem ligação direta com os desmandos da federação. Vale lembrar que atualmente a AFA está sob intervenção da FIFA.

Jornalista pós graduado em Gestão Aplicada ao Esporte e um doente por futebol. Trabalha atualmente como gerente executivo de esportes na RedeTV! e já passou por Esporte Interativo, Náutico, Portuguesa e Santo André.

  • twitter