Adrien Silva é o franco-luso que equilibra Portugal

  • por Lucas Martins
  • 1 year atrás

A Eurocopa do português Adrien Silva é um bom espelho da trajetória lusitana na competição. Enquanto a seleção de Cristiano Ronaldo desfilava ofensividade (média de 23 chutes por jogo), gols e posse de bola (mediana de 63% por duelo) na fase de grupos, Adrien esteve sempre no banco. Porém, quando foi preciso reconhecer as fragilidades para seguir na Euro, o capitão do Sporting vestiu sua armadura de titular e foi à guerra – para não sair mais.

Nascido em Angoulême e iniciado no planeta futebol pelo Bordeaux, o meia volta ao país de origem para fazer história com Portugal.

CmJY9d1WgAAKlA5.jpg large

Foto: Twitter.com/Adrien_Silva23

É curioso analisar a entrada de Adrien na equipe, pois foi aí – e muito por ele – que Portugal mudou de faceta. Quando deixou de pertencer aos meio-campistas mais construtores para cair no bolso dos que tudo fazem. Assim como ele, o garoto Renato Sanches também virou titular. Caracterizar o jogador sportinguista ao longo do mata-mata fica fácil: simplesmente o carrapato dos maestros.

>>Leia mais: Portugal: Quando ser campeão vale mais que um título<<

Foi o franco-luso quem trabalhou sobre e anulou gente como Luka Modric, Joe Allen, Krychowiak e Maczynski. Com ajuda dele, a trupe de CR7 sofreu um único gol nos últimos 330 minutos.

Cl1nWE9WQAAS2mI.jpg large

Foto: Twitter.com/Adrien_Silva23

Portugal não se resume ao brilho de Pepe quando recua, na realidade tudo é feito para os zagueiros serem pouco acionados. Tanto que na vitória sobre Gales, o contestado Bruno Alves (aos 34 anos e bastante longe da melhor forma) teve atuação claramente segura. O coração português está no meio, e um grande responsável por fazê-lo palpitar atende pelo nome de Adrien.

A ordem de Fernando Santos é quebrar o jogo adversário na raiz, isolando quem inicia as saídas ao ataque na meia-cancha. O conjunto das quinas até pode entregar a pelota, como vem fazendo, porém a mantém distante dos pés mais qualificados.

Entretanto, quando consegue recuperar a redonda, é necessário manter o mesmo nível de intensidade. Aí entra o privilegiado pulmão de Adrien Silva, capaz de se multiplicar em dez entre as intermediárias mesmo depois de tanto serviço defensivo. Ainda que sem tocar na bola a cada instante, parecendo até distante, sua mobilidade dá um auxilio brutal e abre buracos para os companheiros. Um carregador de pianos silencioso.

Sem título

Foto: Twitter.com/Adrien_Silva23

A seleção principal aconteceu um pouco tarde para o meia, a esperada estreia veio só aos 25 anos. Assim como esta Eurocopa, que demorou a engrenar para o líder do Sporting. A exemplo de um taça relevante para Portugal, algo que já tarda quase um século. Todavia, se existe uma possibilidade breve de tirar todo esse atraso, ela está marcada para este dia 10 de julho.

Comentários

2000. Um doente por futebol que busca insistentemente entender esse jogo magnífico de forma completa - claro, sem sucesso.