O time que uniu o Equador agora quer conquistar a América

Foto: Divulgação/IDV - José Angulo comemora o gol da virada sobre o Boca

Foto: Divulgação/IDV – José Angulo comemora o gol da virada sobre o Boca

O que seria do futebol se não fossem as surpresas? O que transforma este no maior esporte do mundo é a incerteza da vitória, a chance de um Davi bater um Golias a cada jogo. Por isso ele é apaixonante. Por isso somos doentes por futebol.

Em um ano que nos deu Leicester e Islândia, na Libertadores é o Independiente del Valle quem luta contra as probabilidades. O pequeno time do Equador faz história ao chegar à semifinal do torneio continental e bater o Boca Juniors por 2 a 1 no primeiro jogo.

https://www.youtube.com/watch?v=v2gTLzhjxOg

Mais do que isso, conseguiu unir o país, casando o útil com o agradável. Foi através do “marketing humanitário” que o clube conquistou o apoio nacional. Em abril deste ano o Equador sofreu com um terremoto que matou 660 pessoas. Naquele mesmo período o Negriazul encarou o River Plate nas oitavas de final da competição sul-americana.

Com capacidade inferior a 10 mil pessoas, o Estádio Rumiñahu, em Sangolquí (região metropolitana de Quito), não pôde receber o duelo com os Millonarios. O jeito foi levar a partida para o Olímpico Atahualpa, em Quito, que costuma receber a seleção nacional.

Mas como um time que tem uma torcida modesta lotaria a “cancha” com capacidade para 35 mil pessoas? A solução foi doar a receita do jogo para as vítimas do terremoto. O gesto mobilizou os torcedores de outros times, e mais de 30 mil pagantes compareceram diante do River. A dose foi repetida nos jogos diante de Pumas e Boca, que também tiveram casa cheia.

Foto: Divulgação/IDV - O Independiente conquistou o apoio de todo o país

Foto: Divulgação/IDV – O Independiente conquistou o apoio de todo o país

Não é raro encontrar camisas da seleção equatoriana nas arquibancadas. O fato do Independiente colocar uma enorme bandeira do país em uma das mangas do uniforme também ajuda a criar empatia. Há a preocupação em passar uma imagem de um nacional, ultrapassando os limites da capital.

Chegar à semifinal é um grande passo não só para o clube, mas também para o país. Apenas em três oportunidades um equatoriano foi à final. Em 1990 o Barcelona de Guaiaquil foi derrotado pelo Olímpia. Oito anos depois voltou à decisão, sendo batido dessa vez pelo Vasco da Gama. O único título do país veio com a LDU, em 2008, que derrotou o Fluminense.

Mas quem é o Independiente del Valle? Criado em 1958, o time só chegou à elite do futebol equatoriano em 2010. Seu modelo de gestão é voltado para a formação de atletas, tanto que quase metade do time titular que bateu os xeneizes é oriunda das categorias de base, que já revelaram nomes conhecidos como Cazares, meia do Atlético Mineiro, e Montero, que atualmente joga no Swansea.

Foto: Divulgação/IDV - Cabezas (esq) é o destaque do time equatoriano

Foto: Divulgação/IDV – Cabezas (esq) é o destaque do time equatoriano

O time é comandado pelo uruguaio Pablo Repetto, que está no clube desde setembro de 2012 e tem importante participação no crescimento do “Arsenal Equatoriano”, como o time é apelidado. Também vale destacar a ótima estrutura da equipe, que conta com um centro de formação de alto rendimento na cidade de Sangolquí, aonde trabalham os times profissional e de base.

Leia também: São Paulo precisa de resultado quase inédito para ir à final

Dentro de campo o Negriazul aposta na velocidade e qualidade na troca de passes. Contra o Boca Juniors teve 66% de posse de bola e chutou ao gol em 22 oportunidades, contra 10 chances dos argentinos. O jovem Cabezas, de apenas 19 anos, é o destaque do time. Foi dos pés do veloz ponta esquerdo que saiu o gol de empate. A virada veio com José Angulo, centroavante de 21 anos, que, assim como Cabezas, é prata da casa e já chama a atenção de outros clubes.

Mesmo que seja eliminado em La Bombonera, o Independiente já fez história. Mas para quem tem como slogan “futuro campeão do Equador”, conquistar a América não é algo impossível.

Comentários

Jornalista pós graduado em Gestão Aplicada ao Esporte e um doente por futebol. Trabalha atualmente como gerente executivo de esportes na RedeTV! e já passou por Esporte Interativo, Náutico, Portuguesa e Santo André.