De Adebayor para Gustagol: a sensação da Série B

As pernas longas e os ombros largos, no auge de seus 1,89m de altura, fazem com que não passe despercebido em campo. Atualmente, os 11 gols em 18 jogos na Série B do Campeonato Brasileiro acabam chamando mais a atenção do que propriamente o porte físico. Este é Gustavo, centroavante do Criciúma e que começa a despertar o desejo de grandes clubes do futebol brasileiro – entre estes, Corinthians e São Paulo.

Aos 22 anos, Gustavo, que já foi chamado de “Adebayor” pela semelhança física ao togolês. Virou “Gustagol” por razões óbvias: vive a melhor fase da curta carreira. Depois de ter sido artilheiro da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2014, pelo Taboão da Serra, o garoto, então com 19 anos, se transferiu para o Tigre com status de promessa para o futuro. Por algum momento, entretanto, esse status parecia ter ido para o lixo.

Início conturbado

Gustavo foi artilheiro da Copinha pelo Taboão da Serra  (Foto: Marcos Bezerra/Agência Estado)

Gustavo foi artilheiro da Copinha pelo Taboão da Serra (Foto: Marcos Bezerra/Agência Estado)

Com os fracassos de Rodrigo Silva e Fernando Karanga, goleadores na Série B do ano anterior por ABC e Boa Esporte, respectivamente, o garoto da pequena cidade de Registro, Litoral Sul paulista, ganhou espaço no Criciúma com Caio Júnior durante o Campeonato Catarinense de 2014, mesmo sem balançar as redes. Porém, a notória falta de recursos técnicos, oriunda principalmente do pouco trabalho de base em São Paulo, fez com que voltasse para as categorias inferiores em Santa Catarina.

Por lá, voltou a mostrar do que era capaz. Atuando na mesma equipe que já tinha Barreto e Dodi (ambos titulares do atual Criciúma), além de Róger Guedes (titular do Palmeiras), Gustavo foi o artilheiro do Estadual Sub-20, anotando 15 gols.

O ano de 2015 prometia ser melhor. Apesar de rebaixado para a segunda divisão, o Criciúma iniciou a temporada com a proposta de apostar nos garotos formados no clube e Gustavo aparentava ser um dos pilares desta nova empreitada. Mero engano. Com apenas três jogos pelo clube, o garoto passou por três empréstimos: Resende (onde fez os dois primeiros gols como profissional), Atlético Tubarão e, por último, Nacional da Ilha da Madeira.

O atacante também teve uma apagada passagem pelo Nacional (Foto: Divulgação/Nacional)

O atacante também teve uma apagada passagem pelo Nacional (Foto: Divulgação/Nacional)

Em nenhum dos três empolgou, e o Criciúma o resgatou no começo de 2016. Ressalte-se que a volta de Portugal se deu por pura necessidade do clube catarinense, que sem conseguir grandes opções no mercado, se viu obrigado a pedir seu retorno.

Surge o “Gustagol”

Foram precisos seis jogos no estadual para que todo o panorama de críticas e questionamentos quanto a sua qualidade fosse alterado. Na partida contra o Inter de Lages, válida pela 4ª rodada do segundo turno do Campeonato Catarinense, Gustavo entrou em campo aos 23 minutos do segundo tempo na vaga do então criticado Bruno Lopes. A partida contra o Leão Baio já estava praticamente decidida quando, 20 minutos depois de entrar, o menino das pernas longas acertou um belo chute de pé direito, fez o quarto do Tigre e tirou 200 toneladas das costas.

A partida que acabara 5×0 para o Tigre foi um marco para Gustavo que, dali para frente, não parou mais de fazer gols. Daquele jogo em diante, o atacante de 22 anos participou de 25 compromissos do Tigre e marcou 17 gols. Números impressionantes que lhe renderam o apelido de “Gustagol”, hoje na boca do torcedor criciumense.

Características

Gustavo é um centroavante à moda antiga. Apesar de já ter exercido a função de extremo com alguns treinadores, foi na grande área que se encontrou. Melhor trabalhado pela atual comissão técnica do Criciúma, ele ganhou porte físico e adquiriu algumas manhas de centroavantes – como jogar os braços para trás em lançamento, impedindo a movimentação dos zagueiros (sim, ele consegue “sofrer” várias faltas assim).

Importante ressaltar que ele atua em uma equipe que evidencia algumas de suas qualidades, como a força física e o jogo aéreo. Segundo o Footstats, o Criciúma é um dos times que mais tenta cruzar na Série B, sendo o líder em cruzamentos certos (146) e também o que mais errou (405). Além disso, é o terceiro que mais acertou lançamentos (336), muitos deles direcionados ao próprio Gustavo. Estes dois pontos demonstram como o time comandado por Roberto Cavalo tem “Gustagol” como a principal referência e o foco de suas jogadas ofensivas.

Gustavo, aproveitando isso, faz valer sua característica. Este gráfico do Footstats mostra que assim como seus gols, todas as suas finalizações certas saíram de dentro da grande área.

Todos os chutes certos de Gustavo foram de dentro da área (Foto: Reprodução/Footstats)

Todos os chutes certos de Gustavo foram de dentro da área (Foto: Reprodução/Footstats)

Levando-se ainda em conta as finalizações certas e o número de gols, um sai a cada 2.18 chutes certos do camisa 9 criciumense. Considerando-se todos os tiros, Gustavo guarda um a cada 4.09. Número expressivo.

E lembram-se dos números dos cruzamentos? Pois bem, dos 11 gols que marcou, sete saíram após bolas cruzadas – um foi de pênalti, outro foi aproveitando rebote também de um penal e apenas dois foram oriundos de bola rolando.

A constatação inicial é de que Gustavo é uma boa opção para times que necessitam de uma referência na grande área. Forte fisicamente e bom no corpo a corpo, aprimorando o posicionamento, ele poderá manter o ritmo de gols. Entretanto, tenderá a ter mais dificuldades de se encaixar em equipes mais técnicas e que prezam por uma movimentação mais intensa do homem mais adiantado. Claro, por ser um jogador jovem, de apenas 22 anos, ainda não é um atleta pronto e pode ser moldado a ter uma participação mais eficaz também em equipes mais leves.

Inevitavelmente, surgem times querendo o artilheiro. Mas o fato é que o clube que quiser Gustavo vai ter de abrir a mão. O presidente do Criciúma, Jaime Dal Farra, foi enfático e disse que só o venderá se pagarem a multa rescisória do contrato válido até 2019 – hoje estipulada em R$ 12 milhões. E aí? Quem topa pagar esta bagatela para ter “Gustagol” em seu time?

Ficha técnica:

Nome: Gustavo Henrique da Silva Souza
Idade: 29/03/1994 – 22 anos
Altura:
1,89m
Clubes:
Taboão da Serra (base), Criciúma (clube atual), Resende, Atlético Tubarão e Nacional (Portugal)

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.