Mundial de Futsal – Colômbia 2016

Começa neste sábado (10), a oitava edição do Mundial Fifa de Futsal, que terá a Colômbia como país-sede.

Futsal2016_DpF_1.jpg

Os jogos acontecerão em Cali (ginásio Coliseo El Pueblo), Bucaramanga (ginásio Coliseo Bicentenario) e Medellín (ginásio Coliseo Iván De Beodut). O Mundial acontece em momento chave para a modalidade: a mais praticada do Brasil – sobretudo na fase escolar – e uma das mais praticadas no globo. A Copa acaba marcada por grande insatisfação geral com a Fifa, sobretudo pelo futsal estar fora das Olimpíadas de Tóquio. Isso acaba deixando patente a falta de interesse da entidade para com o futsal.

No Brasil, por exemplo, poucas pessoas têm conhecimento que oficialmente, o futsal não é considerado uma atividade profissional. Ainda que existam inúmeras equipes organizadas profissionalmente, isso acaba sendo este grande entrave para o desenvolvimento maior do futsal. O fato de não ser profissionalmente reconhecido e de também não ser uma modalidade olímpica, inviabiliza série de maiores investimentos.

Na Colômbia, serão 24 seleções, das seis confederações continentais filiadas a Fifa. Assim como no futebol, o futsal também sofre com o inchaço da sua principal competição envolvendo times nacionais. Tal qual no futebol de campo, no futsal também há um desnível técnico flagrante entre certas seleções. Como o Brasil em comparação a uma seleção como as Ilhas Salomão (representante da Oceania), por exemplo. Neste aspecto, a briga pelo título deverá novamente ficar restrita aos representantes da Conmebol e da Uefa. São os que dominam a modalidade em termos de organização da mesma e, sobretudo, nos aspectos técnicos e táticos.

Grupos do Mundial de Futsal 2016, que será disputado na Colômbia l imagem: Fifa.com

Grupos do Mundial de Futsal 2016, que será disputado na Colômbia (imagem: Fifa.com)

Os 24 participantes estão divididos em seis grupos, com quatro seleções cada. Classificam-se automaticamente para as oitavas-de-final os campeões e vices de cada chave, além dos quatro melhores terceiros colocados. A partir das oitavas, até a final, os jogos são eliminatórios.

Grupo A

Composto por Colômbia, Portugal, Uzbequistão e Panamá, deve ter o selecionado português passando tranquilamente. Comandados por Ricardinho (atualmente eleito melhor jogador do Mundo), a equipe lusitana possui outros bons jogadores, como o fixo Cardinal. Esta será a quinta participação portuguesa na história da competição.

Comandados pelo espetacular Ricardinho (10), Portugal espera conquistar o título (foto: divulgação)

Comandados pelo espetacular Ricardinho (10), Portugal espera conquistar o título (foto: divulgação Ricardinho10oficial)

Com boa preparação feita, Portugal chega como um dos candidatos ao título: tendo elenco extremamente entrosado, jogo de muita marcação e velocidade, além de possuir Ricardinho (aquele que pode decidir partidas e oferecer espetáculo).

A outra vaga da chave deverá ficar com os donos da casa, que participam pela segunda vez da competição. O colombianos chegam confiantes após o surpreendente quarto lugar no Mundial de 2012, realizado na Tailândia. O ala-direita Angellot Caro (camisa 10) é o grande destaque da equipe:

A Colômbia não foi bem nos torneios preparatórios, mas deverá vir forte, contando com o apoio do seu entusiasmado torcedor.

Após o quarto lugar em 2012, a Colômbia espera, em casa, repetir a boa campanha (foto: divulgação)

Após o quarto lugar em 2012, a Colômbia espera, em casa, repetir a boa campanha (foto: divulgação)

Estreante no Mundial, o Uzbequistão conquistou a inédita classificação ao conquistar, de forma surpreendente o vice-campeonato asiático. A seleção aproveitou muito bem, o fato de a equipe sediar o torneio. A equipe é treinada pelo espanhol Jose Maria Pazos Mendez “Pulpis”, exímio conhecedor do futsal asiático e que implementou modelo de jogo bastante coletivo, uma das características da escola espanhola de futsal.

Outro integrante do grupo, o Panamá participa pela segunda vez de um Mundial. Chega após o vice-campeonato da Concacaf, que lhe garantiu o direito de disputar o torneio-mor da modalidade. O goleiro Daniel Atencio é o grande destaque da sua equipe, que não deve oferecer grandes obstáculos aos seus adversários.

Grupo B

Rússia, Tailândia, Cuba e Egito compõem a chave, com amplo favoritismo para os russos, fortes candidatos ao título da competição. Participando pela sexta vez do Mundial, os atuais vice-campeões europeus possuem um forte padrão de jogo, baseado no talento e entrosamento do quarteto de brasileiros naturalizados: Gustavo (goleiro), Rômulo (fixo e capitão), Robinho (ala/pivô) e Eder Lima (ala-esquerda), um dos grandes jogadores da modalidade na atualidade.

Aliando o talento brasileiro e disciplina dos russos natos, a equipe vermelha pode conquistar seu primeiro título mundial.

Contando com o talento de Eder Lima (8), Gustavo (de capacete), Fernandinho (10) e Rômulo (15), os russos estão entre os favoritos ao título (foto: divulgação)

Contando com o talento de Eder Lima (8), Gustavo (de capacete), Robinho (10) e Rômulo (15), os russos estão entre os favoritos ao título (foto: divulgação)

Terceira colocada no Campeonato Asiático de Futsal, valendo classificação para sua segunda Copa, a Tailândia é um dos mercados expoentes do futsal asiático. Treinada pelo espanhol Miguel Rodrigo, tem no talento e faro de gol do pivô Suphawut Thueanklang seu grande destaque:

E irá brigar pela segunda colocação do grupo.

Tradicional representante da Concacaf, a Seleção de Cuba, classificou-se para seu quinto Mundial. Porém, a equipe cubana não deverá oferecer grande resistência aos seus adversários. O destaque positivo é o jovem ala-direita Diego Ramirez, de 17 anos, eleito Revelação do Campeonato de Futsal da Concacaf.

“Velho” e conhecido representante da África, o Egito estará presente em seu sexto Mundial. A classificação para a Copa do Mundo veio com o vice-campeonato africano. O grande destaque dos “Faraós” é o pivô Mostafa Eid Mohamed (camisa 12), um dos artilheiros da equipe. Devem brigar com a Tailândia pela segunda vaga do grupo, sendo eventuais candidatos a avançar entre os melhores terceiros colocados do certame.

Grupo C

Itália, Paraguai, Vietnam e Guatemala formam o grupo. Se a tradição pesar, provavelmente terá italianos e paraguaios classificados de forma tranquila. Formada por uma legião brasileiros naturalizados (08), os italianos participam pela sétima vez do torneio e estão entre os favoritos.

A equipe do treinador Roberto Menichelli caracteriza seu jogo com forte marcação e saída muito rápida no contra-ataque. Entre os destaques os habilidosos alas brasileiros naturalizados Alex “Babalu” Merlim (Sporting Lisboa – POR), um dos líderes da Azzurra:

E o capitão da Azzurra, Gabriel Lima, que vem em excelente fase na sua carreira.

"<yoastmark

Uma das escolas mais tradicionais do futsal, o Paraguai participa pela sexta vez da competição. La Albirroja deve classificar-se com tranquilidade, brigando com os italianos pela liderança da chave. Baseia seu jogo na forte e incansável marcação, além de uma obediência tática que impressiona positivamente. Conta com equipe extremamente experiente, seis dos 14 jogadores convocados com idade acima de 30 anos. Possui também jovens valores que participarão pela primeira vez da Copa do Mundo.

Com muita tradição, o Paraguai, que mescla experiência e juventude, pode ser uma das surpresas (foto: A Dos Toques)

Com muita tradição, o Paraguai, que mescla experiência e juventude, pode ser uma das surpresas (foto: A Dos Toques)

Estreante na Copa do Mundo, o Vietnam classificou-se ao ficar na quarta colocação do Campeonato Asiático de Futsal, eliminando de forma surpreendente o Japão. A equipe é treinada pelo espanhol Bruno Garcia, mais um da escola espanhola de treinadores. Ou seja, baseia seu jogo na forte marcação, com saída rápida para o contra-ataque. A equipe fez diversos amistosos preparatórios para o Mundial, mas não deverá dificultar o caminho de italianos e paraguaios. Deve brigar por um possível terceiro lugar com os guatemaltecos.

Guatemala: busca por classificação inédita

Em sua quarta participação, a Guatemala chega à Colômbia após ficar em terceiro lugar no Campeonato de Futsal da Concacaf. A equipe é treinada pelo espanhol Tomas De Dios Lopez, tendo no fixo Miguel Santizo um dos seus principais jogadores.

Com jogo de pouca intensidade e muitos aspectos vulneráveis, os guatemaltecos lutam no máximo por um eventual terceiro lugar. Isso já seria feito de grande tamanho, pois seria uma classificação inédita às oitavas-de-final da Copa do Mundo.

Grupo D

O grupo do Brasil tem também Ucrânia, Austrália e Moçambique. Berço do futsal, o Brasil participou de todas as edições da Copa do Mundo Fifa. São cinco títulos, um vice-campeonato e um terceiro lugar; um currículo que coloca o Brasil como um dos favoritos ao título desta edição. Entretanto, após série de escândalos na CBFS (Confederação Brasileira de Futebol de Salão) que culminou no afastamento do presidente Aécio Borba, a seleção brasileira vem enfraquecida.

Crise na CBFS e como isso afeta o Brasil:

A Canarinho quase ficou fora das eliminatórias sul-americanas da competição. Além disso, também sofreu por ter seus principais jogadores abdicando da seleção enquanto não houvesse transparência nas contas da CBFS. Enquanto os principais candidatos ao título já estão reunidos há mais de 30 dias, o Brasil chega após preparação de apenas 10. Isso é preocupante.

Berço do futsal, o sempre favorito Brasil vai em busca de mais um título (foto: Luis Domingues/CBFS)

Berço do futsal, o sempre favorito Brasil vai em busca de mais um título (foto: Luis Domingues/CBFS)

O canto de cisne do maior da história do Futsal:

A equipe do treinador Serginho “Bigode” Schiochet deposita suas esperanças no maior jogador da história da modalidade: Falcão

Aos 39 anos, o camisa 12 deverá participar da sua última Copa do Mundo, buscando seu terceiro título. Elenco experiente, o Brasil também conta com grande fase do ala Bateria, do Barcelona, um dos principais jogadores do mundo:

A seleção brasileira deverá chegar com tranquilidade até as quartas-de-final, quando teoricamente o caminho deverá ficar mais difícil.

Em sua quinta participação mundial, a Ucrânia é uma das principais escolas do futsal europeu. Deverá, salvo qualquer “imprevisto”, classificar-se com tranquilidade, ao lado do Brasil, na segunda colocação do grupo. A equipe se caracteriza pela forte marcação na quadra defensiva e tem no fixo Mykhailo Grytsyna, um dos seus destaques.

Tradicional representante do leste europeu, a Ucrânia é velha conhecida dos brasileiros (foto: divulgação)

Tradicional representante do leste europeu, a Ucrânia é velha conhecida dos brasileiros (foto: divulgação)

Em sua sétima participação na Copa do Mundo, a Austrália busca passar para uma fase decisiva pela primeira vez. Os “cangurus” conquistaram a vaga ao terminarem na quinta colocação do Campeonato Asiático de Futsal (que ofertou cinco vagas). Em quadra, os comandados do treinador Robert Varela contam com o talento do fixo Gregory Giovenali, para tentarem surpreender Brasil e Ucrânia.

Outra integrante da chave é Moçambique, que se classificou na terceira e última vaga da África, para sua primeira participação. Destaque para o pivô Dino, um dos artilheiros da equipe. Os moçambicanos provavelmente serão meros figurantes da chave e sérios candidatos uma goleada diante do Brasil.

Grupo E

Conta com Argentina, Cazaquistão, Costa Rica e Ilhas Salomão. A Argentina deverá brigar pela primeira colocação, com o candidato a surpresa do torneio, o Cazaquistão. Os portenhos possuem elenco muito técnico, com boa experiência internacional e postura de jogo propondo mais o ataque. A maioria dos seus convocados atua na Itália, com destaque para o habilidoso ala Leandro Cuzzolino.

Grande rival sul-americana do Brasil, argentinos mudaram estilo de jogo e esperam irem longe no Mundial (foto: divulgação)

Grande rival sul-americana do Brasil, argentinos mudaram estilo de jogo e esperam irem longe no Mundial (foto: divulgação)

Candidato a ser uma das surpresas desta edição do Mundial, o Cazaquistão participa pela segunda vez da competição. Impulsionados pelo alto investimento no Kairat Almaty, um dos maiores clubes do mundo atualmente, os cazaques sonham em chegar longe. A equipe possui quatro jogadores brasileiros naturalizados e é treinada pelo também brasileiro Ricardo “Cacau” Sobral. Profundo estudioso da modalidade, Cacau fez o Cazaquistão se tornar uma equipe respeitada no cenário mundial com um forte jogo de posse de bola, com o auxílio do goleiro-linha. É aí que entra o goleiro (brasileiro) Léo Higuita, considerado por muitos como o melhor goleiro do mundo na atualidade.

Candidato a surpresa do Mundial, o Cazaquistão alcançou um padrão de jogo altamente competitivo (foto: divulgação)

Candidato a surpresa do Mundial, o Cazaquistão alcançou um padrão de jogo altamente competitivo (foto: divulgação)

Em seu quarto mundial, a Costa Rica, atual campeã da Concacaf, busca avançar pela primeira vez para uma fase decisiva. Entretanto, a missão não será fácil, uma vez que os favoritos da chave são Argentina e Cazaquistão.

Um dos destaques dos Ticos é o fixo Edwin Cubillo, eleito melhor jogador do último Campeonato de Futsal da Concacaf.

Treinada pelo brasileiro Juliano Schmeling, as Ilhas Salomão participam pela terceira vez de uma Copa do Mundo. O representante da Oceania, que recentemente perdeu por 18×0 para o Brasil em amistoso preparatório para a competição, possui inúmeras dificuldades de ordem estrutural para o futsal no país e já se contenta com o fato de participar. Certamente não irá oferecer resistência aos adversários.

Grupo F

Espanha, Irã, Azerbaijão e Marrocos compõem o grupo que tem amplo favoritismo da Fúria, que participa pela oitava vez do Mundial. Bicampeões (2000/2004), os espanhóis são um dos favoritos absolutos ao título. A Espanha conta com uma das ligas mais fortes e organizadas do mundo. Seu futebol se caracteriza por um estilo de jogo que privilegia a forte marcação e o jogo coletivo. Comandados de Venancio Lopez, possuem um elenco experiente e estelar, jogando sempre de forma metódica, com muita aplicação tática.

Destaque para o ala Miguelin, juntamente com o pivô brasileiro naturalizado, Fernandão, outra referência da equipe que possui 7 títulos europeus em 10 participações e que vem treinando há mais de um mês buscando retomar o título mundial.

Atual campeã européia, a Espanha busca seu terceiro título mundial (foto: uefa.com)

Atual campeã européia, a Espanha busca seu terceiro título mundial (foto: uefa.com)

O Irã, atual campeão asiático, vem para sua sétima participação no torneio. Além de maior vencedor continental (11 títulos em 14 edições), possui uma das ligas mais fortes do mundo. Com futsal moderno e competitivo, os iranianos devem criar alguma dificuldade para os espanhóis. Certamente brigam pela vaga para a próxima fase com o Azerbaijão. Destaque para o bom pivô, Hossein Tayebi, um dos artilheiros da equipe.

Sempre competitivo, Irã é um dos candidatos a surpresa do Mundial (foto: afc.com)

Sempre competitivo, Irã é um dos candidatos a surpresa do Mundial (foto: afc.com)

Azerbaijão: um pedacinho de Brasil

Em sua primeira participação na Copa do Mundo, o Azerbaijão investiu e naturalizou seis brasileiros para disputa da competição. Treinada por Miltinho (ex-treinador do Corinthians), a equipe possui jogadores bastante conhecidos do público brasileiro: como o fixo Gallo (ex-Atlântico e Jaraguá), o ala Fineo (ex-Corinthians, Umuarama e São Paulo), o pivô Thiago Bolinha (ex-Maringá e que recentemente estava atuando no Marreco Futsal) e o pivô Poletto (ex-ACBF e Jaraguá).

Assim, o Azerbaijão entra no grupo das equipes que podem surpreender neste Mundial. Devem brigar com os iranianos pelo vice do grupo ou podendo passar como um dos melhores terceiros colocados.

Campeão africano, o Marrocos participa pela segunda vez do Mundial. A modalidade segue em alta no país, mas a seleção carece de maior experiência internacional. Os marroquinos não devem oferecer muita resistência às demais seleções de sua chave, devendo apenas contentar-se com a participação.

Depois da itália, o Azerbaijão, com 6 brasileiros em quadra, espera ser uma das surpresas do Mundial (foto: affa.az)

Com 6 brasileiros em quadra, o Azerbaijão espera ser uma das surpresas do Mundial (foto: affa.az)

Mundial de Futsal: Brasil x resto do globo

Assim, a Copa da Colômbia deverá ter jogos interessantes a partir das oitavas-de-final. Promessa de muitos gols e a briga “restrita” entre o Brasil contra as seleções do Velho Continente. Mesmo em crise com sua Confederação, o Brasil segue sendo grande revelador de talentos da modalidade: têm além dos seus 14 selecionados, outros 22 jogadores espalhados pelas principais seleções europeias.

A tabela completa do Mundial de Futsal da Colômbia 2016, você confere aqui.

Comentários

Natural de Telêmaco Borba-PR e criado em meio à "boemia futebolística", com horas de papo sobre futebol, samba e cervejas na pauta. Influência do pai, que também adorava futebol, e da mãe, que sempre apoiou a iniciativa. Técnico em Eletrônica, formado desde 1999, e fanático por futebol, futsal, futebol de praia, society e todo esporte que tenha no futebol a sua essência.