Nova chance para David Luiz

  • por Lucas Sousa
  • 35 Visualizações

David Luiz é daqueles jogadores que divide opiniões. Tem o carinho de muitos pelo seu carisma e dedicação, mas também tem a rejeição de outros tantos. Seu comportamento extracampo já era alvo de críticas por parte da torcida brasileira, que teve nas péssimas atuações do zagueiro um grande lastro para querê-lo fora da seleção brasileira. Pode até ser que essa relação torcida-jogador tenha algum peso, mas David Luiz sumiu das convocações por que estava jogando mal e não merecia uma vaga na lista dos 23. Hoje, pelo mesmo critério técnico, o ex-camisa 4 da Seleção pede uma nova chance.

Foto: Fifa/Site oficial – David Luiz teve atuação desastrosa no 7 a 1 (assim como toda a Seleção)

Certamente as atuações recentes de David Luiz o colocam em condições de almejar uma vaga na defesa verde e amarela. Pelo que faz dentro do campo, e é isso o que realmente importa, o zagueiro faz por merecer uma oportunidade de Tite. Na Inglaterra, tem correspondido ao alto nível da Premier League e se tornou um dos pilares do líder Chelsea. Mesmo sob fortes críticas, Antonio Conte bancou seu retorno a Londres por que sabia exatamente o que fazer com seu reforço. Jogando centralizado em uma defesa de três homens, David Luiz é fundamental para o bom funcionamento da proposta de Conte graças a sua qualidade técnica acima da média.

via GIPHY

É ele quem muitas vezes leva o time ao ataque a partir de passes ou conduções (agora mais conscientes e maneiradas) capazes de superar as linhas de marcação adversárias. Sendo assim, sua influência na saída de bola londrina é notável, e nessa fase do jogo a Seleção já demonstrou algumas dificuldades.

Leia mais: Antonio Conte e a metamorfose do 3-4-3

Por mais que o selecionado brasileiro tenha evoluído muito sob o comando de Tite as deficiências existem. A ausência de meio-campistas de primeiro nível faz com que o Brasil enfrente problemas para sair com a posse do seu campo quando bem pressionado, como na difícil vitória contra o Peru. Ainda que haja estrutura coletiva, não existe alguém dominante no setor para clarear a situação e levar o time ao ataque. Obviamente David Luiz não é a solução do problema, mas pode ser mais uma peça a contribuir para uma melhora nesse contexto.

Foto: Chelsea FC/Facebook oficial – David Luiz pode contribuir na saída de bola brasileira e dar mais velocidade a defesa

Atuando em uma equipe organizada sem a bola, como é o Chelsea 2016/2017, David também tem demonstrado suas virtudes defensivas. Tem velocidade e agilidade para enfrentar atacantes rápidos, além de boa capacidade de antecipação e recuperação. Assim como o treinador italiano, Tite preza por uma defesa em zona (com os jogadores guardando posição e sem fazer longas perseguições) e pelo trabalho coletivo sem a bola (de modo que todos participem na contenção do adversário e não deixem a defesa exposta). Ainda que as formações táticas sejam diferentes, as propostas dos dois treinadores possuem semelhanças que facilitariam o encaixe do zagueiro na Seleção. Nunca é demais destacar que as recentes Seleções, de Felipão e Dunga, tinham pouquíssima estrutura coletiva, tanto defensiva quanto ofensiva, o que prejudicava o desempenho de qualquer jogador.

Foto: Chelsea FC/Facebook oficial – O zagueiro é um dos destaques da ótima temporada do Chelsea

É certo que um eventual retorno de David Luiz ao elenco brasileiro seria alvo de muita discussão. Por outro lado, talvez não exista momento melhor para que isso aconteça. Tite está nas graças da torcida, da imprensa e do meio futebolístico brasileiro, tendo sido chamado de “mago” pelo ex-treinador Carlos Alberto Parreira. A recente recuperação de Paulinho, outro que sofria alta rejeição, também pesa a favor de uma volta e atesta que o desempenho individual está diretamente ligado a organização defensiva. Esses fatores devem passar pela cabeça de Tite, que está observando David Luiz para futuras convocações.

E o zagueiro tem correspondido.

Mineiro e estudante de jornalismo. Admira (quase) tudo que cerca o futebol inglês, não esconde seu apreço por times que jogam no contra-ataque (sim, sou fã do Mourinho) e acha que futebol se discute sim. Também considera que a melhor invenção do homem já ultrapassou os limites do esporte.

  • facebook