A fantástica fábrica de gols de Dries Mertens

  • por Raniery Medeiros
  • 8 Meses atrás

Quando Gonzalo Higuaín trocou o Napoli pela Juventus, deixando a torcida furiosa, perguntava-se quem seria o novo goleador dos Azzurri Meglio. A dúvida realmente pairou no ar. O clube do sul da Itália havia passado por algo semelhante em 2013, quando Edinson Cavani foi jogar no Paris Saint-Germain. E encontrar outro matador parecia algo complicado. Maurizio Sarri foi buscar o polonês Arkadiusz Milik junto ao Ajax para suprir a ausência de Pipita no comando de ataque. O polaco encaixou-se rapidamente ao esquema, fazendo vários gols, mas se lesionou a serviço de sua seleção. Eis o novo pesadelo, já que o Napoli vinha atuando muito bem com um homem de referência. Sarri tentou, sem sucesso, fazer de Gabbiadini o cara a decidir os jogos. Mas o que poderia ser alterado? A resposta encontrava-se no próprio elenco. Sempre brigando pela titularidade com Lorenzo Insigne, principalmente pela faixa esquerda do campo de ataque, Dries Mertens começou a ser testado como falso 9.

Mas será que o baixinho possuía características para exercer esta função?

– meia ou atacante veloz;

– bom no drible;

– é preciso ter aspectos de armação e boa velocidade;

finalização em esfera altíssima;

– recuar, por vezes, permitindo que o ponta entre em diagonal;

– gerar espaços aos companheiros.

Partindo desse pressuposto, com ênfase na movimentação e finalização, o treinador não teve dúvidas de que o belga se enquadraria perfeitamente como seu homem gol. Com certeza foi algo analisado e assimilado por Sarri, já que Dries fez algo parecido quando atuou pelo PSV, clube pelo qual fez muitos gols.

Temporada goleadora pelo PSV

O assunto é o Napoli, mas não podemos deixar de lado o que este baixinho fez em 2011/2012 pelo PSV, anotando 27 gols na temporada, seu recorde pessoal. Ótimo time: Bouma, Willems, Strootman, Mertens, Depay, Toivonen, Wijnaldum, Lens, Tim Matavž.

Intensa movimentação ainda pelo PSV, algo bem parecido com o que ocorre na Itália. Jogou basicamente pelo lado esquerdo do campo. Mostrou-se goleador, assistente e bastante participativo na recomposição defensiva. Desde sempre pegando bem na bola, aprimorando a cobrança de falta.

Napoli em função de Mertens?

É preciso ter em mente que nem todo ponta veloz possui os atributos necessários a exercer uma função determinante ao aspecto ofensivo. Mertens, além de habilidoso e veloz, enxerga bem o posicionamento dos companheiros. Qualificá-lo como jogador de referência não foi o intuito de seu técnico, mas sim o de dar velocidade e mobilidade ao time que possui jogadores velozes: Callejón e Insigne, por exemplo.

A equipe sulista não joga em função do belga, porém, ao analisarmos a movimentação do camisa 14, percebe-se que do meio para frente ele é a bola de segurança. A ousadia de Insigne, a técnica de Hamšík, a versatilidade de Callejón. Até mesmo com Mililk, antes da lesão, Dries criou opções de gols aos companheiros. Prova disso ocorreu na vitória por 2×1 ante Milan, no San Ciro. Duas assistências do baixinho bom de bola.

Posicionamento

Mesmo atuando como falso 9, o camisa 14 flutua bastante pelas zonais letais de ataque. Veja dois exemplos.

Mertens sai do centro para o lado direito. No contra-ataque bem aplicado contra o Milan, o belga deixou Insigne na boa, sozinho, para abrir o placar.

Flutuou do centro à direita, deixando Callejón na cara do gol.

Baixinho goleador

Após a breve análise sobre seu lado “garçom”, eis o momento do grand finale, com suas melhores atuações na temporada. Deve-se destacar que o jogador em questão nunca foi um ponta que fica paradão, à espera da bola. Participativo, todavia, o goleador de Nápoles é infernal, incomoda muito, vai para o mano a mano sem medo.

Em dia inspirado na Champions League, dois gols na partida diante do Benfica:

Tripleta no Cagliari. Três gols em pleno Comunale Sant Elia, com direito a gol à la Ronaldo.

Na rodada seguinte, contra o Torino, mais quatro gols. Com direito a golaço de cobertura em Joe Hart. Muita frieza!

Goleada de 7×1 sobre o Bologna, com direito a três gols e uma assistência:

Em confronto direto com a Roma, dois gols decisivos para colocar o Napoli na briga pela 2ª colocação do Calcio.

Fica comprovado que essa mudança de função ajudou no bom momento do supracitado. Outro aspecto que o beneficiou encontra-se no ataque veloz ao lado de Insigne e Callejón. E foi assim, através da lesão de um companheiro de time, que redescobrimos as várias facetas deste belga que mais parece um sul-americano com a bola nos pés. Será que o recorde pessoal de gols em uma temporada será batido? Faltam 03 até a publicação desta matéria.

Se o Napoli almeja uma vaga direta à próxima edição da UEFA Champions League, pode ter certeza que a esperança da torcida tem nome e número: Dries Mertens, o baixinho que veste a 14.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.