Um novo Barça em busca do sonho (quase) impossível

  • por Elcio Mendonça
  • 7 Meses atrás

Foto: Divulgação/UEFA – Messi é o motor da estrutura catalã

A partida de ida contra o Paris Saint Germain mostrou um Barcelona que não estamos acostumados a ver. Não apenas pelo resultado, um incomum 4 a 0, mas também pela postura da equipe catalã no Parque dos Príncipes. O time de Luis Enrique viu seu meio campo ser engolido pelos franceses.

Escalado em um bem alinhado 4-1-4-1 por Unai Emery, o PSG apostou na compactação das linhas, com uma marcação média, e povoou o setor de meio campo. Deu a bola para os zagueiros barcelonistas saírem jogando, mas anulou as linhas de passes. Limitando o campo de jogo a pouco mais de 20 metros, também não deu a opção da bola longa para os visitantes. Os contra-ataques, verticais e velozes, fizeram a diferença no confronto.

Foto: Reprodução/Youtube – Compacto, o 4-1-4-1 do PSG encaixotou o meio campo do Barça

É difícil pensar em crise num time vitorioso como o Barça, mas a derrota em solo francês trouxe uma forte turbulência ao Nou Camp. Era preciso um ponto de virada, trazer um fato novo à equipe, e foi justamente isso o que o técnico blaugrana fez. Após uma pouco empolgante vitória por 2 a 1 sobre o Leganés, em casa, com direito a gol no finalzinho, era hora de mudar a maneira de jogar.

O 4-3-3 deu lugar a um esquema com três zagueiros, variando entre o 3-4-3 e o 3-3-4. Sergi Roberto migrou para o meio campo, ao lado de Busquets e Iniesta. Rafinha ganhou um lugar na ponta direita, enquanto Neymar seguiu na esquerda. Suarez, por sua vez, é o centro-avante. E o Messi? Bom, La Pulga, como se pode imaginar, é o motor da estrutura, responsável pela variação da formação no campo ofensivo. Flutuando na faixa central, pode recuar para buscar o jogo, carregar a bola vindo de trás, como tanto gosta, ou se tornar um segundo atacante ao lado do uruguaio.

Foto: Arte/DPF – Messi tem mais liberdade no novo esquema blaugrana

A ideia é justamente dar liberdade ao camisa 10. Com dois pontas abertos praticamente nas linhas laterais e um homem de frente que exige atenção total da dupla de zaga, o argentino consegue jogar entre as linhas do adversário. Foi assim, por exemplo, que saiu o primeiro gol da vitória por 5 a 0 sobre o Celta de Vigo, na última rodada da La Liga. E tudo isso, claro, com alta intensidade e trocas de posição. Luis Enrique quer povoar o terço final, tirando a sobrecarga do meio campo, e confundir a marcação rival.

Com o novo sistema tático foram três vitórias, entre elas uma sobre o Atlético de Madrid em pleno Vicente Calderón, 13 gols marcados e apenas dois sofridos. Messi teve participação direta em sete tentos do Barça, balançando a rede em quatro oportunidades e dando três assistências.

Sem a bola, poucas mudanças. O objetivo inicial ainda é recuperá-la no campo de ataque. Quando não é possível, a transição defensiva se faz com duas linhas de quatro, com Sergi Roberto retornando à defesa. Mas tal postura ofensiva aumenta o risco de sofrer com os contra ataques. Um perigo para quem precisa de uma atuação perfeita nesta quarta-feira.

Diante do PSG, a expectativa é que o Barcelona aposte em uma blitz desde o início, povoando o campo de ataque e apostando em um jogo intenso e apoiado. A tarefa beira o impossível. Além de encarar uma equipe de qualidade e bem treinada, os catalães precisarão quebrar um tabu histórico. Nunca na história da UEFA Champions League uma equipe conseguiu reverter uma desvantagem de quatro gols no mata mata.

Comentários

Jornalista pós graduado em Gestão Aplicada ao Esporte e um doente por futebol. Trabalha atualmente como gerente executivo de esportes na RedeTV! e já passou por Esporte Interativo, Náutico, Portuguesa e Santo André.