Bayern de Munich x Real Madrid: o Superclássico da Europa

  • por Victor Mendes Xavier
  • 7 Meses atrás

Bayern de Munich ou Real Madrid? O sorteio das quartas-de-finais da Liga dos Campeões da UEFA colocou frente a frente mais uma vez espanhóis e alemães, donos de 16 taças levantadas. Os jogos, que têm sido batizados de “final antecipada”, marcam o retorno de Carlo Ancelotti ao Santiago Bernabéu. Palco onde viveu a memorável temporada 2013/2014 pelo Real Madrid. Onde venceu Copa do Rei contra o Barcelona na final e a sonhada décima Liga dos Campeões. Do outro lado, estará Zinedine Zidane, em busca de mais um título europeu, perante o homem a quem considera o seu espelho no mundo dos treinadores.

Eu aprendi muito com o Ancelotti. É uma grande pessoa e estou feliz de que a gente volte a se encontrar. Eu me dedico a isso e quando eu era jogador, preferia esse tipo de jogo que outros. Será um jogo entre mestre e aluno. Aprendi muito ao seu lado, mas as eliminatórias estão 50% de chance para cada“, elogiou o francês.

Conheço muito bem o Real e será uma eliminatória muito difícil. Para mim, serão dois jogos especiais e emocionantes. Hoje em dia todos se conhecem e não há segredos. Serão dois jogos muito difíceis, mas temos muita confiança. Queremos ganhar a Liga dos Campeões. Será difícil, mas temos chance de passar. Meu passado no Real não é uma vantagem. Eles são os atuais campeões do mundo e tem uma equipe, jogadores e treinador fantásticos“, retribuiu o italiano.

Foto: Site Oficial da Uefa | Mestre e aluno: Carlo Ancelotti e Zinedine Zidane se enfrentarão pela primeira vez como treinadores. Quem passa para a semifinal da Liga dos Campeões?

Foto: Site Oficial da Uefa | Mestre e aluno: Carlo Ancelotti e Zinedine Zidane se enfrentarão pela primeira vez como treinadores. Quem passa para a semifinal da Liga dos Campeões?

O confronto marca um dado especial: Bayern e Real Madrid já se enfrentaram 22 vezes em âmbito europeu. Um recorde entre equipes de países diferentes. Os ringues da Liga dos Campeões os unirão para os novos combates nos dias 12 e 18 de abril, na Allianz Arena e no Santiago Bernabéu, respectivamente. É a penúltima parada antes da tão sonhada final em Cardiff, no País de Gales. Na expectativa pelos jogos, o Doentes por Futebol relembra os duelos anteriores entre as duas potências do futebol mundial.

O LOUCO DO BERNABÉU – 1975/1976

Foto: El País | O momento da agressão: torcedor invade gramado do Santiago Bernabéu e agride árbitro austríaco Erich Linemayr

Era a primeira vez que se enfrentavam, e logo em uma semifinal. Na ida, após o empate por 1×1 em Madrid, um torcedor invadiu o gramado do Santiago Bernabéu e agrediu o lendário árbitro Erich Linemayr. Além do super goleador alemão Gerd Müller, que na volta em Munique marcou os dois gols da vitória do Bayern por 2×0. De Bomber foi, aliás, o destaque máximo da eliminatória. Afinal, o gol dos Bávaros no Bernabéu havia sido marcado pelo centroavante; depois de Roberto Martínez abrir o placar. Os bávaros viriam a vencer a competição pela terceira vez consecutiva, ao derrotar o Saint-Etienne na Escócia. Müller adentrava definitivamente na história do futebol mundial.

 

ADEUS À FINAL, REAL MADRID – 1986/1987

 

Mais uma vez se encontrando numa semifinal. No jogo de ida da classificatória, o Real Madrid foi assassinado. Os merengues sofreram com o futebol implacável do Bayern no primeiro jogo. Saíram de Munique com uma goleada de 4×1 nas costas. E dois dos principais jogadores expulsos: Mino e Juanito, que perdeu a cabeça ao pisar em Lothar Matthaus. Klaus Augenthaler, Matthaus, duas vezes de pênalti, e Roland Wohlfarth marcaram para os Bávaros. Enquanto que Emílio Butragueño descontou. Na volta, Santillana até marcou cedo, mas o jogo ficou no 1×0, que de nada valeu ao Real Madrid. Na final de Viena, o Bayern sucumbiu ao Porto.

REVANCHE BLANCA – 1987/1988

 

Uma temporada depois, as equipes se reencontraram. Dessa vez, em cenário semelhante ao atual: nas quartas de final. A revanche madrilenha foi concretizada com sabor especial. O Real perdia por um 3 a 0 (Hans Pflügler, Norbert Eder e Wohlfarth) que praticamente colocava o Bayern nas semifinais até os 40 minutos do segundo tempo. Quando Butragueño e Hugo Sánchez marcaram dois gols relâmpagos. Silêncio no Estádio Olímpico de Munique que deu uma sobrevida moral gigantesca aos madridistas. Na volta, 2×0 no Bernabéu com gols de Milan Jankovic e Míchel. Placar que garantiu o passaporte às semifinais, nas quais caíram para o futuro campeão PSV. Mais uma vez, a forte geração de canteranos de ouro do Real Madrid, conhecida como La Quinta Del Buitre, decepcionava em solo europeu.

O HERÓI ANELKA – 1999/2000

 

Real e Bayern ficaram doze anos sem se enfrentar. Até se reencontrarem em dose quádrupla em 2000. Naquela temporada, quatro grandes confrontos marcaram a rivalidade entre as equipes. Os primeiros ocorreram na extinta segunda fase de grupos. E o Bayern não teve piedade: ganhou por 4×2 em Madrid (Mehmet Scholl, Stefan Effenberg, Thorsten Fink, Paulo Sérgio; Fernando Morientes e Raúl González) e 4×1 em Munique (Scholl, Giovane Élber, Alexander Zickler, duas vezes; Iván Helguera).

 

Na semifinal, contudo, o Real Madrid deu o troco e a volta por cima, contando com Nicolas Anelka inspirado: foi ele quem marcou os dois da vitória por 2×0 na ida no Bernabéu. E o gol de honra que valeu a classificação à final na derrota por 2×1 (Carster Jancker e Élber marcaram para o Bayern). Contra o Valencia, no Stade de France, o show de Raúl e a vitória por 3×0 garantiram La Oitava para os merengues.

ÉLBER BRILHA E PÕE BAYERN NA FINAL – 2000/2001

 

Um brasileiro tem a moral de dizer que já foi protagonista desse clássico: o paranaense Giovane Élber. Novamente, as semifinais serviram com palco para os confrontos. Na ida, em Madrid, Iker Casillas saiu de campo cabisbaixo. Com apenas 19 anos, o arqueiro falhou no gol de Elber. Tento que decretou a vitória alemã em pleno território madridista. E colocou os bávaros a um passo da final de Milão. Na volta, o brasileiro, eleito o melhor em campo no jogo anterior, voltou a ser pedra no sapato dos atuais campeões europeus. Élber marcou um gol e sofreu a falta que permitiu o outro tento, marcado por Jens Jeremies. Luis Figo descontou, mas de nada adiantou: 2 a 1 e o passaporte para a final de Milão entregue ao Bayern de Munich.

 

No Meazza, o Valencia foi a vítima da vez e perdeu nos pênaltis para o Bayern. Com direito a Oliver Kahn inspirado nas penalidades. Os Chés, pela segunda vez consecutiva, ficaram no quase. Os alemães, por sua vez, quebraram o tabu de 25 anos sem um título europeu. E, ainda por cima, jogaram para longe o pesadelo de 1999; quando foram derrotados pelo Manchester United nos minutos finais, na memorável decisão no Camp Nou.

BÁVAROS ENGOLEM SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS – 2001/2002

Pela terceira temporada consecutiva a dupla se encontrou. Desta vez pelas quartas de final. Comandado por Zidane, Figo e Raúl, o Real Madrid havia dado adeus às chances de vencer a Liga Espanhola. E se concentrou somente na competição europeia. Na ida em Munique, Geremi abriu o placar. Mas, Effenberg e o eterno Claudio Pizarro, nos minutos finais, conseguiram a virada na fortaleza alemã.

 

Na coletiva pós-jogo, os madridistas foram provocados pelos jogadores e o treinador do Bayern, Ottmar Hitzfeld. Isso ocasionou um Bernabéu inflamado na volta. Pressionando o rival desde antes da bola rolar, os torcedores foram uma espécie de 12º jogador; ajudando na classificação blanca. Gols de Helguera e Guti: Real Madrid 2, Bayern de Munich 0. Após eliminar o maior rival, Barcelona, na semifinal, o Real foi campeão na final de Glasgow. Vitória sobre o Bayer Leverkusen por 2×1, com golaço de Zidane.

Leia mais: o voleio de Zidane

MAGO ZIDANE – 2003/2004

 

Em 2004, o encontro aconteceria na até então inédita fase de oitava-de-final. Foi a primeira temporada sem a segunda fase de grupos. No jogo de ida, partida empatada: 1×1. Roy Makaay, que muito incomodou os merengues nos tempos de Deportivo La Coruña, abriu o placar, mas Roberto Carlos empatou de falta após colaboração de Oliver Kahn.

 

Em Madrid, noite mágica do genial Zidane, melhor jogador do mundo à época. Inspirado, o francês mandou na partida e marcou o gol da vitória. Na fase posterior, os galáticos viriam a ser eliminados de forma dramática para o Mônaco. Morientes, jogador que havia sido emprestado ao clube francês, foi um dos principais responsáveis pela queda madridista; Ao lado de Ludovic Giuly (que viria jogar no Barcelona no futuro).

Leia mais: uma data na história do Mônaco

GOL RECORDE DE ROY MAKAAY E POLÊMICA COM MARK VAN BOMMEL – 2006/2007

 

Há dez temporadas, os jogos foram marcados por polêmicas. No Bernabéu, o Real Madrid venceu por 3×2. Mas, um gol do holandês Mark van Bommel, campeão europeu com o Barcelona na temporada anterior, causou tumulto e briga entre os jogadores. Na comemoração, o volante dirigiu-se aos aficionados blancos, que o vaiaram durante os 90 minutos, xingando-os e gesticulando com sinais de menosprezo. Na volta, após provocações lado a lado nas coletivas, os bávaros começaram a definir a eliminatória cedo.

 

Novamente Roy Makaay: o atacante holandês anotou aos nove segundos (gol recorde na história da Liga dos Campeões) o primeiro gol. O zagueiro brasileiro Lúcio ampliou ainda no primeiro tempo. E van Nistelrooy, de pênalti, tentou a reação nos minutos finais da segunda etapa. De maneira dramática, o jovem Sergio Ramos marcou um gol aos 40 do segundo tempo, mas corretamente anulado pela arbitragem. Fábio Capello, treinador merengue à época, assinou praticamente sua carta de demissão com a eliminação. Mais um fracasso do Real Madrid no nível continental. Foi o primeiro jogo entre os gigantes na Allianz Arena. Na etapa seguinte, o Bayern acabou caindo para o Milan de Kaká e Ancelotti, que tornaria-se campeão ao final do torneio.

CRISTIANO RONALDO E MOURINHO BATEM NA TRAVE, E BAYERN GARANTE VAGA PARA A FINAL DE MUNIQUE – 2011/2012

 

O equilíbrio marcou os confrontos de 2012 entre Real Madrid e Bayern. Mais uma vez, a fase semifinal promoveu o embate. Na primeira temporada de Jupp Heynckes na Baviera, o desejo do Bayern era poder disputar a final em casa, na Allianz Arena. Na ida em Munique, Frank Ribery e Mário Gomez decretaram a vitória bávara por 2×1. Mas, o gol de Mesut Özil deixou o Real Madrid vivo para o confronto no Bernabéu. Com o moral elevado pela vitória no Camp Nou contra o Barcelona de Lionel Messi e Josep Guardiola, que praticamente cravou o título da Liga Espanhola, o Real Madrid entrou em campo a mil por hora.

 

Em menos de 20 minutos, Cristiano Ronaldo já havia marcado duas vezes. Porém, após pênalti de Pepe, Arjen Robben recolocou o Bayern na partida. O resultado não se alterou durante o tempo normal e a prorrogação, obrigando a disputa de pênaltis. Foi quando brilhou a estrela de Manuel Neuer: ele defendeu as cobranças de Cristiano Ronaldo e Kaká. E viu Sergio Ramos mandar para longe os últimos resquícios de esperança do Real Madrid. E comemorou a última cobrança de Bastian Schweinsteiger. O goleiro saiu de campo como um dos responsáveis pela vaga do time alemão na final. No entanto, na final contra o Chelsea, o Bayern bateu na trave e ficou sem a taça em seu estádio.

CARLO ANCELOTTI, SERGIO RAMOS E CRISTIANO RONALDO RESSUSCITAM O REAL MADRID NA EUROPA – 2013/2014

 

O ano de 2014 marcou a ressurreição do Real Madrid na Liga dos Campeões. Muito dessa definição veio depois da histórica semifinal contra o Bayern de Guardiola. Afinal de contas, era o clube que o Real sempre temeu, contra o treinador que sempre o venceu. E o jogo da volta seria decidido no estádio onde os merengues sempre sofreram. Mas tudo isso ficou só no papel.

 

Em 180 minutos, o que vimos nos confrontos foi uma aula de obediência tática. Contra-ataques e defesa de área quase que intransponível montada por Ancelotti. Depois da vitória por 1 a 0 em Madrid, com gol de Karim Benzema, a volta na Allianz Arena consagrou Sergio Ramos. O espanhol marcou dois gols antes dos 30 minutos, que sentenciaram a possibilidade de remontada por parte dos alemães. Depois, Cristiano Ronaldo viria a anotar mais dois que marcaria seu nome na história da competição como o maior artilheiro da Champions em uma única edição e colocaria, definitivamente, em xeque as habilidades táticas de Pep Guardiola.

Comentários

Jornalista, carioca e apaixonado pela Liga Espanhola desde a época em que Rivaldo, Zidane, Figo e Raúl foram seus professores. Colaborou para o programa Esporte@Globo da Rádio Globo São Paulo falando sobre o futebol do país das touradas. Repórter da Super Rádio Tupi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.