Aniversário do Emerson Sheik

  • por Caio Araújo
  • 8 Anos atrás

Hoje, dia 6 de setembro, Emerson Sheik completa 34 anos. Nascido em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, Márcio Passos de Albuquerque adotou o nome Emerson após falsificar documentos para adulterar sua idade. Apesar de ser carioca e ter sido criado no Rio de Janeiro, foi no São Paulo Futebol Clube que o Sheik deu seus primeiros passos no futebol. Como profissional jogou pouco no Tricolor até se transferir para a Ásia, onde ficou por quase 10 anos, passando por Japão, Qatar e Emirados Árabes. Neste período chegou a se naturalizar qatariano, atuando nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

Mesmo tendo passado grande parte da carreira no outro lado do mundo, Emerson conseguiu grande destaque também no futebol brasileiro. Em 2009, para poder jogar em seu clube de coração, Flamengo, o Sheik pagou do próprio bolso a multa rescisória junto ao Al Sadd e realizou seu sonho de infância. No Rubro-Negro, apesar de ter saído antes do final do Campeonato Brasileiro, teve papel importante no título, marcando gols decisivos no primeiro turno. Durante a competição recebeu uma proposta milionária dos Emirados Árabes e voltou para a Ásia, mas sua passagem por lá não durou muito tempo.


Em meados de 2010, o jogador acertava seu retorno ao futebol carioca, mas dessa vez o destino era o Fluminense. E mais uma vez consegue o título do Campeonato Brasileiro, inclusive fazendo o gol que garantira o caneco, contra o Guarani na última rodada. Mesmo sendo o herói do título tricolor, Emerson saiu pelas portas dos fundos do clube. Após cantar uma música do rival Flamengo no ônibus, antes da partida contra o Argentinos Jrs., na Libertadores, a diretoria decidiu afastar o jogador e dispensá-lo. Poucos dias depois, o atleta era apresentado no Corinthians. E foi no Timão que o Emerson Sheik se imortalizou. Além de ter conquistado seu terceiro título Brasileiro consecutivo por clubes diferentes, foi o grande herói do time na Taça Libertadores da América, o título mais almejado por toda a Fiel, marcando os dois gols na final contra o Boca Jrs., no Pacaembu, além de ter feito a jogada do gol de Romarinho na Argentina, no primeiro jogo. Com certeza já tem um lugar na rica história corintiana.


Parabéns, Sheik, pelos 34 anos e, principalmente, por tantos títulos num curto espaço de tempo no futebol brasileiro. Currículo para ninguém colocar defeito.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.