Franz Beckenbauer, “Der Kaiser”

  • por Lucas Amaral Nunes
  • 7 Anos atrás

Dezesseis de Junho de 1970, Cidade do México. No Estádio Azteca, enfrentam-se Itália e Alemanha, naquele que ficaria para sempre marcado na história do futebol como o maior jogo de todos os tempos. A partida, que terminaria 4×3 para os italianos, teve cinco de seus escores anotados na prorrogação, credenciando-a a permanecer imune ao esquecimento na mente de todos aqueles que viram e ouviram seus lances e gols.

Porém, o pensamento comum alemão refletia acerca de outro tema. Uma figura até hoje aclamada nas ruas das duas Berlins, respeitada por homens de todas as línguas. Um herói, lenda, um lutador incessante. Acima de tudo, um Cáiser. A torcida ficara aflita, sofrida, sob tormenta. Estremeceu diante da lesão de seu principal jogador, que quebrara a clavícula e retornara, magoado, ao gramado, em respeito aos companheiros exaustos. “Der Kaiser!”, gritavam os alemães. Se você já ouviu falar em futebol, certamente reconheceu esta alcunha.

Fratura, honra, vontade, glória. Apesar da derrota, foram estes os temas sobre os quais falaram os jornais à época, exaltando seus efeitos tanto quanto o triunfo italiano. Entrava para os anais do futebol Franz Anton Beckenbauer, o primeiro líbero, exímio defensor, detentor de uma categoria incomum. Um personagem que fez o próprio povo esquecer uma derrota para louvar os seus propósitos.

Jogando à frente e às costas dos zagueiros, numa função por ele mesmo inventada, Beckenbauer foi três vezes campeão da Champions League, por quatro vezes ergueu o caneco da Copa da Alemanha e venceu a Bundesliga por cinco vezes, três delas em seqüência, pelo Bayern de Munique. Com a seleção alemã, triunfou no principal torneio continental, a Eurocopa, em 1972, e teve a consagração máxima na Copa do Mundo, em 1974.

O Cáiser já teria atributos suficientes para se juntar aos ídolos supremos do povo alemão, mas suas glórias não pararam por aí. Como treinador, conquistou, além de mais um título do campeonato nacional, a Copa do Mundo de 1990.

Nomeado como um rei, proclamado como um deus. Dizem que as pessoas morrem quando esquecidas. Sob este estandarte, Beckenbauer conseguiu ser imortal.

Franz Anton Beckenbauer

★ 1945

Títulos

Como jogador:

Liga dos Campeões (3)

Copa da Alemanha (4)

Recopa Europeia

Campeonato Alemão (5)

Copa Intercontinental

Eurocopa 1972

Copa do Mundo 1974

Campeonato Estadunidense (3)

Como treinador:

Campeonato Alemão

Copa da UEFA

Copa do Mundo

 

Comentários

Lucas é jornalista desde 2011, mas o fanatismo pelo futebol o acompanha desde o berço. Aficionado por história, jogadores antigos e contemporâneos e causos e contos sobre o mais famoso esporte bretão. Participou de sites como o cruzeiro.org e o fanáticos por futebol. Atualmente atua como editor do futebol mineiro na Doentes por Futebol, onde também é o responsável pela coluna “Lendas do Futebol”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.