Um homem e três destinos

  • por Victor Gandra Quintas
  • 8 Anos atrás

Foto: Reprodução – Alex de saída?

Por: Victor Quintas, Saimon Mryczka e Henrique P. S. Glasmeyer

Esta é a sina de Alexsandro de Souza, ou simplesmente Alex, que completa hoje seus 35 anos. Apesar de bem brasileiro, ele é ídolo de três grandes times fundados por imigrantes europeus: Os “Palestras” Cruzeiro e Palmeiras, e o germânico Coritiba. Em razão de sua iminente saída do futebol turco, inflamada pela dificuldade de relacionamento com o atual treinador do Fenerbahçe, torcedores dos clubes por onde passou movimentam-se na esperança de rever o grande ícone envergar a camisa de seu clube.

“Piá” de Curitiba, Alex iniciou a carreira no Coxa, sendo o jogador revelado no clube que teve maior destaque internacional. Jogou 124 vezes, ao longo de dois anos, marcando 28 gols e encantando a nação “Coxa-Branca” com seu talento. Volta e meia Alex assiste jogos no Couto Pereira, e prometeu encerrar sua carreira no time do Alto da Glória, do qual nunca escondeu ser torcedor.

Transferido para o Palmeiras em 1997, Alex ganhou em 1998 o seu primeiro título pelo clube: a Copa do Brasil, contra o Cruzeiro. Mas o ponto alto da sua passagem pelo alviverde foi a conquista da Copa Libertadores em 1999. Alex foi um dos destaques do time e decidiu o confronto mais difícil do mata-mata, que foi na semifinal contra o River Plate. O camisa 10 marcou dois gols e o Palmeiras avançou para a final, em que se tornaria campeão em cima do Deportivo Cali da Colômbia.

Em 2000 passou pelo Flamengo, mas não teve o mesmo êxito que nos clubes anteriores. Retornou ao Palmeiras e defendeu o clube na Libertadores de 2001, parando na semifinal contra o Boca Juniors. Em 2002 pelo mesmo Palmeiras, Alex fez o seu maior golaço na carreira, em um clássico contra o São Paulo. O craque chapelou um zagueiro e o goleiro Rogério Ceni antes de mandar a bola pro fundo do gol. Ainda no mesmo ano, encerrou sua passagem pelo clube e foi negociado com o Parma da Itália.

Pelo Cruzeiro, Alex teve duas passagens. Primeiro em 2001, em um time pouco estável, onde participou de apenas 16 jogos e marcou 04 gols. No entanto, foi na volta ao clube mineiro que o craque se destacou, conquistando a tríplice coroa em 2003 (Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro), e sendo o protagonista do time celeste na disputa do Brasileirão, inclusive sendo o artilheiro do time no torneio. Foi uma época mágica para o jogador, que foi o eleito o craque daquele ano.

A satisfação de Alex na carreira só não foi maior por ter ficado de fora da disputa da Copa do Mundo de 2002, período em que era constantemente convocado pelo então treinador Felipão. Apesar disso, conquistou a Copa América em 1999 e 2004.
Enfim, não importa o destino do craque Alex, pois é sabido que terá três grandes torcidas gritando seu nome pelo Brasil.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.