Falta futebol mas sobra sorte.

  • por Igor Leal da Fonseca
  • 8 Anos atrás

Victor Valdés; Michel Salgado, Odvan, Ronaldão, Silvestre; Nasa, Paulo Almeida, Pintado; Gudjohnsen, Guivarc’h, Toni.

O que tem em comum entre esses jogadores além da falta de talento de todos? Um caminhão de conquistas, sendo todos titulares em times de futebol que fizeram história no esporte.

Valdés – Não é que comprometa diretamente, mas é um dos poucos jogadores do 11 inicial do Barça que não é titular da sua Seleção e que sabidamente está abaixo da média da equipe. Mas tem currículo de títulos melhor que muitos gênios da posição, inclusive alguns da atualidade, como Buffon e Cech.

Michel Salgado – Jogou ao lado de gênios como Zidane e Ronaldo, vencendo 2 Champions League e 4 campeonatos espanhóis pelo Real Madrid. Entretanto, a imagem que marcou sua carreira foi a entrada desleal em Juninho Paulista, que tirou o brasileiro da Copa do Mundo de 1998.

Odvan – O “zagueiro-zagueiro” de Luxemburgo era um rebatedor de bolas. Porém conquistou dois Campeonatos Brasileiros, uma Taça Libertadores e uma Copa América pela Seleção Brasileira, todos como titular absoluto da equipe.

Ronaldão – Tão ruim quanto Odvan, mas ainda mais vencedor. 2 Brasileiros, 2 Libertadores, 2 Mundiais de Clubes pelo São Paulo – todos como titular – além de uma Copa do Mundo com o Brasil (ainda bem que como reserva).

Silvestre – O ex-lateral esquerdo francês é conhecido pelo balãozinho que tomou de Edmundo no jogo Vasco 3×1 Manchester United. Ruim com a bola nos pés, ruim na marcação, um dos piores laterais da última década. Mas no currículo, uma Champions League, 5 títulos de Premier League e 2 Copas das Confederações pela França.

Nasa – O rei dos gols contra em finais – um contra o Real Madrid, um contra o Flamengo – tem os mesmos títulos de Odvan, já que ambos jogaram juntos no Vasco.

Paulo Almeida – O ex volante do Santos tem dois títulos do Campeonato Brasileiro no currículo, além de um título português. De “jogador de Seleção”, Paulo Almeida hoje perambula por clubes menores do Brasil, jogando a Série D. Tem apenas 31 anos de idade.

Pintado – O atual treinador do CRB foi um volante reconhecidamente violento e de pouca técnica. Mesmo assim, foi titular absoluto no São Paulo de Telê Santana, time que encantava pelo bom futebol e que venceu 2 Libertadores da América e 2 Mundiais de Clubes.

Guivarc’h – O ex atacante francês foi titular da França na conquista da Copa do Mundo de 98, deixando os talentosos Trezeguet e Henry no banco. Reconhecidamente ruim, Guivarc’h é do time “protegidos de treinadores”. Inexplicável sua presença no time titular da França.

Luca Toni – Um poste. Essa é a melhor definição para o italiano, que atualmente defende a Fiorentina. Incrivelmente, foi titular da Itália no título de 2006 e entrou para a Seleção da Copa, mesmo marcando apenas dois míseros gols no mundial.

Gudjohnsen – O finlandês passou por clubes como PSV, Barcelona, Chelsea, Monaco e Tottenham. Tem uma Champions League no currículo, além de 4 títulos nacionais (1 pelo Barcelona, 1 pelo PSV, 2 pelo Chelsea). Fez 186 jogos pelo Chelsea e 72 pelo Barcelona.

Já imaginaram um time desses, com todos juntos? Conseguiria fugir da Série C do Brasileiro? É como dizem por aí: ”O futebol é uma benção!”

Comentários

33 anos, morador do Rio de Janeiro. Rubro Negro de coração, apaixonado pelo Maracanã, tem no Barcelona o exemplo de clube para o que entende como futebol perfeito, dentro e fora do campo. Estudioso da memória do futebol, tem nessa sua área de maior atuação no site, para preservar a memória do esporte. Dedica especial atenção aos times mais alternativos, equipes que tiveram grandes feitos, mas que não são tão lembradas quanto as maiores do mundo. Curte também futebol do centro e do leste da Europa, com uma coluna semanal dedicada ao assunto. Um Doente muito antes de fazer parte desse manicômio, sua primeira memória acadêmica é uma redação sobre o Zico, na qual tirou 10 e a mesma foi para o mural da escola. Nunca trabalhou com futebol dessa forma, mas adora o que faz junto com o restante do pessoal e se pergunta o porquê de não ter começado com isso antes. Espera recuperar o ''tempo perdido''. Acha Lionel Messi o melhor que viu jogar e tem em Zico, Petkovic e Ronaldo Angelim como heróis.