Fla x Flu e o mito dos 8×3 em decisões.

  • por Igor Leal da Fonseca
  • 8 Anos atrás

 

Damos início hoje a mais uma coluna, a “Caça Mitos”. A frequência será quinzenal e você leitor pode nos enviar seu ‘’mito’’ envolvendo o futebol. Caso você esteja com a razão, publicaremos, pois é compromisso da página colocar a veracidade dos fatos sempre em 1º lugar.

Flamengo x Fluminense e o mito do ‘’8×3 para o Fluminense em finais’’.

Por Igor Leal da Fonseca

Quem é Rubro-Negro, sabe. Bastou entrar em discussão com torcedor do Fluminense e 2 são os argumentos deles. Ou melhor, eram 2, já que o de maioria de títulos estaduais já caiu: ‘’não pipocamos pra vocês em decisões, o placar é de 8×3 para o Fluminense, FREGUÊS’’.

Traremos aqui dados, fontes e resultados que mostrarão que isso é uma inverdade. Você, Rubro-Negro que ouvir isso daqui pra frente, já sabe onde encontrar a verdade. E você, torcedor do Fluminense, não repita isso novamente.

Partiremos dos seguintes princípios, estabelecidos por todos que dizem ser amantes de futebol e entendedores das regras do esporte bretão:

1 – Final – Jogo entre 2 clubes que tem condições de sair da peleja com o título;

2 – Pontos Corridos, triangular, quadrangular, hexagonal, octogonal não têm final, a não ser que, EXCEPCIONALMENTE, os 2 clubes cheguem à última rodada podendo ganhar o título, como aconteceu algumas vezes, sendo 1995 o maior exemplo.

1916 – Dez clubes disputaram o Estadual do Rio de Janeiro. A fórmula de disputa era pontos corridos, turno e returno, quem fizesse mais pontos levantava o caneco. Como todo Doente Por Futebol que se preze deve saber, a vitória valia 2 pontos. Na classificação final, o Fluminense terminou com 34 pontos e o Flamengo com 28. O Flamengo perdeu os 2 clássicos que fez contra o Fluminense, sendo que no último, o que os tricolores dizem que foi a ‘’1º final envolvendo os clubes’’, apenas o Fluminense jogava pelo título. A diferença era de 4 pontos a favor do Fluminense faltando 2 rodadas, ou seja, o Flamengo precisaria ainda de uma nova vitória na última rodada e de uma derrota do Fluminense para o América, para ainda forçar jogos extra.

Final 1, favorável ao Fluminense: LENDA.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1919.htm

1936 – Por problemas que não entraremos nesse post, entre 1933 e 1936, o Estadual do Rio teve 2 Campeões por ano. Em 1936, um foi o Vasco e o outro o Fluminense. Eram 2 Ligas diferentes, imbróglios a respeito de profissionalismo, etc, etc. O que importa para nós nesse post é que uma das ligas tinha a dupla Fla x Flu e ambos terminaram sua liga empatados em pontos. Jogos extras foram marcados (melhor de 3) e com 2 empates e uma vitória por 4×1, o Fluminense conquistou o título diretamente contra o rival.

Final 2, favorável ao Fluminense: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1936.htm

1941 – O ano do famoso ‘’Fla x Flu da Lagoa’’. O Estadual teve 4 turnos, vários jogos, mas no fim, o time que levantaria a taça era o que somasse mais pontos durante os 4 turnos. Flamengo e Fluminense chegaram à última rodada do 4º turno para um confronto direto na disputa pelo título. O Fluminense tinha a vantagem do empate. E empate foi o resultado do jogo, 2×2, com direito a muitas bolas chutadas pelos tricolores na Lagoa Rodrigo de Freitas, visando diminuir o ímpeto do Flamengo, que empatou o jogo aos 85’ e pressionava em busca da virada que lhe daria o título.

Final 3, favorável ao Fluminense: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1941.htm

1963 – O maior público da História do Futebol em jogos de clubes (194.063 presentes no Maracanã) compareceu ao Maracanã para ver a última rodada do Estadual. Flamengo x Fluminense disputavam o título e o Rubro-Negro tinha um ponto a mais de vantagem, podendo jogar pelo empate. E empate foi o resultado, 0x0, que deu ao Flamengo o título de Campeão Carioca.

Final 4, favorável ao Flamengo: fato incontestável.

Fonte:http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1963.htm

1969 – Doze clubes disputaram o 1º turno do Estadual do Rio de Janeiro, em turno único. Os 8 melhores avançavam para o 2º turno, carregando a pontuação que tivessem feito no 1º. Ao fim do 1º turno, Fluminense e Botafogo tinham 17 pontos, 2 a mais que o Flamengo. Na penúltima rodada do 2º turno, deu-se o embate entre os 2 clubes e o Fluminense ainda tinha a mesma vantagem de 2 pontos que trouxe do turno. O Flamengo precisava vencer o clássico, contar com tropeço do rival na rodada seguinte e ganhar seu jogo para garantir o título. Como explicado anteriormente e algo que acredito que seja consenso, campeonato de ponto corrido só tem final como nos casos de 41 e 63.

Final 5, favorável ao Fluminense: LENDA.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1969.htm

1972 – 3 turnos, cada um com um vencedor diferente: O Flamengo venceu o 1º, o Fluminense o 2º, o Vasco o 3º. Um triangular para decidir o título foi marcado e essa era a ordem dos jogos (favor prestar MUITA atenção nisso): Flamengo x Vasco, Fluminense x Vasco, Flamengo x Fluminense
No 1º jogo, o Flamengo venceu o Vasco por 1×0. 3 dias depois, o Fluminense venceu o Vasco por 2×0. O Fla x Flu da última rodada do triangular decidiria o título e o Fluminense tinha a vantagem do empate. Mas o Flamengo venceu o jogo por 2×1 e ganhou o título.

Final 6, favorável ao Flamengo: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1972.htm

1973 – Seguramente a fórmula mais complicada da História do Estadual do Rio de Janeiro. 1º turno com 12 clubes, pontos corridos, turno único, deu Flamengo. No 2º turno, com 8 clubes, turno único e pontos corridos, o Fluminense bateu o Vasco num jogo extra e garantiu a vaga pra final. No 3º turno, os 8 clubes que disputaram o 2º turno foram divididos em 2 grupos de 4 equipes, sendo que as equipes de um grupo só jogavam contra as de outro, algo muito parecido com a Taça Rio do Estadual atual. Ao fim dessa confusão toda, o Vasco levou o Grupo A e o Fluminense o Grupo B. Como vencedor de um turno e de um grupo, o Fluminense ficou em stand by, enquanto Flamengo (vencedor do 1º turno) e Vasco (vencedor do grupo A do 3º turno) disputavam a outra vaga na final, tendo o Flamengo a vantagem do empate. Flamengo x Vasco terminou empatado em 0 a 0 e o Rubro-Negro foi à final contra o Fluminense, final essa que perdeu por 4×2 e viu o time das Laranjeiras levantar o título.

Final 7, favorável ao Fluminense: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1973.htm

1983 – 12 equipes, 2 turnos com 11 jogos. O vencedor de cada turno garantia vaga na final. Se uma terceira equipe não ganhasse um turno, mas somasse mais pontos no geral, o regulamento previa um triangular. E foi o que aconteceu, com o Flamengo ganhando a Taça Guanabara, o Fluminense a Taça Rio e o Bangu como líder no geral. No triangular, essa foi a ordem dos jogos: Fluminense x Bangu, Flamengo x Fluminense, Bangu x Flamengo.
No jogo 1, Fluminense x Bangu empataram. Logo, o Fla x Flu não dava a ninguém a chance de ser campeão, pois o Flamengo ainda não tinha jogado no triangular, o Fluminense só poderia chegar aos 3 pontos – como aconteceu depois do jogo – e o Bangu poderia igualar a pontuação caso vencesse o Flamengo na última rodada. Caso o Fla x Flu terminasse empatado, o Flamengo e Bangu ficariam com um ponto cada e o Fluminense com 2, com o título sendo decidido no jogo Flamengo x Bangu e com qualquer um dos 3 podendo ganhar a Taça. E mesmo com a vitória no Fla x Flu – 1 a 0, gol de Assis – o Fluminense só pode comemorar seu título 3 dias depois, quando o Flamengo venceu o Bangu por 2×0 (caso o Bangu vencesse o Flamengo por mais de um gol de diferença, seria Campeão).

Temos que admitir que é uma bela ‘’final’’ aquela que você só pode comemorar o título do seu time 3 dias depois e para comemorar precisa que o time ”vice” pelo menos empate com o outro, para evitar que esse outro conquiste o título. Qualquer dúvida sobre a ordem dos jogos no triangular, basta olhar o link abaixo.

Final 8, favorável ao Fluminense: LENDA.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1983.htm

1984 – Mesma fórmula de 83, dessa vez Flamengo, Fluminense e Vasco classificaram-se para o triangular. A ordem dos jogos era a seguinte: Fluminense x Vasco, Flamengo x Vasco, Fluminense x Flamengo. Fluminense venceu o Vasco por 2×0, o Flamengo venceu o Vasco por 1×0 e 153 mil pessoas estiveram no Maracanã para ver a decisão. O Fluminense jogava pelo empate, mas venceu por 1×0, gol de Assis e ganhou o bi.

Final 9, favorável ao Fluminense: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1984.htm

1991 – 12 clubes, 2 turnos, vencedor de cada turno garantia a vaga na final. O Fluminense ganhou a Taça Guanabara e o Flamengo a Taça Rio. Na final, empate em 1×1 no 1º jogo e vitória do Flamengo por 4×2 no 2º, título na Gávea.

Final 10, favorável ao Flamengo: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1991.htm

1995 – No ano da última decisão entre os clubes, regulamento para lá de confuso. Para nós basta o seguinte: a última fase previa um octogonal, turno e returno, pontos corridos. Flamengo x Fluminense chegaram à última rodada do octogonal brigando pelo título em confronto direto, na épica decisão que ainda hoje é relembrada quando se fala do clássico. O Flamengo jogava pelo empate, mas o Fluminense venceu por 3×2 – naquele histórico gol de barriga do Renato Gaúcho – e terminou com o título.

Final 11, favorável ao Fluminense: fato incontestável.

Fonte: http://www.rsssfbrasil.com/tablesrz/rj1995.htm

Como todos podem ver, o Fluminense ainda leva vantagem em decisões contra o Flamengo, mas nem de longe a tal vantagem alardeada pelos tricolores. O placar é um 5×3 bem equilibrado, com vários jogos épicos e que marcaram a História do futebol do Rio de Janeiro. Uma pena que desde 1995 não acontece uma decisão de título (não falo de turno, falo de título mesmo) entre os 2.

Esperamos ter trazido a verdade pra todos vocês, com pontos bem elucidados. Daqui a 15 dias tem mais!

Comentários

33 anos, morador do Rio de Janeiro. Rubro Negro de coração, apaixonado pelo Maracanã, tem no Barcelona o exemplo de clube para o que entende como futebol perfeito, dentro e fora do campo. Estudioso da memória do futebol, tem nessa sua área de maior atuação no site, para preservar a memória do esporte. Dedica especial atenção aos times mais alternativos, equipes que tiveram grandes feitos, mas que não são tão lembradas quanto as maiores do mundo. Curte também futebol do centro e do leste da Europa, com uma coluna semanal dedicada ao assunto. Um Doente muito antes de fazer parte desse manicômio, sua primeira memória acadêmica é uma redação sobre o Zico, na qual tirou 10 e a mesma foi para o mural da escola. Nunca trabalhou com futebol dessa forma, mas adora o que faz junto com o restante do pessoal e se pergunta o porquê de não ter começado com isso antes. Espera recuperar o ''tempo perdido''. Acha Lionel Messi o melhor que viu jogar e tem em Zico, Petkovic e Ronaldo Angelim como heróis.