Málaga de bem com a vida

  • por Victor Mendes Xavier
  • 7 Anos atrás

O Málaga teve um verão bem complicado, tudo mundo sabe. O meio-campista Santi Cazorla, o atacante Salomón Rondón e o zagueiro Joris Mathijsen criticaram a postura controversa da administração do sheikh Abdullah Al-Thani, colocaram o clube na justiça por atraso no salário (ação que foi voltada atrás semanas depois) e rumaram para outros lugares. A diretoria pouco gastou na recomposição do elenco e esteve a um passo de perder o técnico Manuel Pellegrini. A lógica era imaginar a equipe brigando contra o rebaixamento e nem avançando de fase na UEFA Champions League. Bobagem.

Málaga inicia bem a temporada e mostra que estadaçalho criado no verão eram exagerados

Analisando friamente o elenco blanquiazul, as perdas dos três jogadores, obviamente, são consideráveis, mas não a ponto de criar um estardalhaço. Após seis jogos, desfruta invencibilidade, a melhor defesa e a terceira posição na Liga BBVA. A péssima reação generalizada ao também péssimo mercado havia ampliado uma pressão que seria naturalmente grande. As respostas a ela, no entanto, são as melhores possíveis. Na fase prévia da Liga dos Campeões, os boquerones engoliram o Panathináikos quando ainda nem haviam contratado ninguém. A boa partida de Eliseu, sobretudo, deu esperança aos torcedores de que o português pode ser, em certas ocasiões, um substituto interno de Cazorla.

A falta de um centroavante mais experiente foi preenchida no último dia do mercado, com as contratações de Javier Saviola e Roque Santa Cruz. Juanmi, Portillo e Fabricie (respectivamente, 19, 20 e 16 anos de idade), o trio que vinha sendo utilizado como referência antes do dia 31, são jovens promissores e com faro de gol, mas sem cancha e experiência suficiente para determinados jogos, sobretudo em âmbito europeu, onde os andaluzes irão enfrentar Zenit, Milan e Anderletch. Passar de fase é possível, sobretudo pelo enfraquecimento do Milan. Porém, a disputa, na teoria, ainda é pela segunda posição contra o forte Zenit, campeão da Copa da UEFA em 2007/2008 e que desponta como favorito ao título do campeonato russo. No entanto, nas duas primeiras rodadas, o Málaga é quem mantém o 100% de aproveitamento do grupo, com duas vitórias (Zenit e Anderletch). Nas próximas duas rodadas, os confrontos que irão, certamente, definir o futuro da equipe na competição: encara o Milan no La Rosaleda e no San Siro.

Ainda que a zaga assuste em certos momentos, o setor ofensivo tende a desequilibrar um confronto. Melhor jovem da temporada passada, Isco assume com contundência, neste início de temporada, a responsabilidade de ser o melhor jogador da equipe. Joaquín, aberto à direita, é confiável quando está em forma. Com apoio da diretoria e dos torcedores, Pellegrini é novamente o responsável por fazer a equipe fluir. O revezamento incessante dos três meio-campistas de seu 4-2-3-1 é a chave do triunfo inicial. Se tem condições ou não de manter esse pique até o final da temporada e novamente conquistar uma vaga na Champions League, isso só saberemos depois. Mas a conquista de uma vaga na Liga Europa representaria, sim, um inesperado sucesso do projeto que, por pouco, não caiu por ladeira abaixo.

Comentários

Jornalista, carioca e apaixonado pela Liga Espanhola desde a época em que Rivaldo, Zidane, Figo e Raúl foram seus professores. Colaborou para o programa [email protected] da Rádio Globo São Paulo falando sobre o futebol do país das touradas. Repórter da Super Rádio Tupi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.