O primeiro rebaixamento do Palmeiras

  • por Bráulio Silva
  • 8 Anos atrás

Palmeirenses lamentam a queda, na péssima campanha de 2002

O Palmeiras luta com todas as forças para escapar de um rebaixamento que muitos davam como certo. Caso seja confirmada a queda palmeirense, seria a segunda vez que o time do Palestra Itália iria para a Série B. Você se lembra da campanha do clube paulista em 2002?

O futebol brasileiro comemorava o pentacampeonato conquistado naquele ano. Mas ainda se recuperava de mais uma das viradas de mesa, a que elevou o Fluminense da terceira para a primeira divisão.26 equipes iniciaram a competição em busca das oito vagas no mata-mata. Os quatro piores seriam rebaixados.

O Palmeiras começou o ano de 2002 sonhando alto. Havia repatriado o técnico Vanderlei Luxemburgo e queria voltar à Libertadores, que o time havia conquistado três anos antes. Mas o começo de temporada não foi nada animador. Eliminação ainda na primeira fase para o Asa de Arapiraca. No Rio-SP daquele ano, o time até fez uma bela primeira fase. Mas na semi-final foi eliminado pelo São Paulo, no ridículo critério dos cartões.

Outra chance de chegar à Libertadores era na (hoje extinta) Copa dos Campeões, na qual o time caiu nas semi-finais pro Paysandu.

Durante a Copa do Mundo, parte da diretoria se irritou com Luxemburgo, que assumiu compromisso de ser comentarista pela rádio Jovem Pan. O clima ficou insustentável e após a primeira rodada (empate com o Grêmio – 1×1), o estrategista acabou deixando o alvi-verde e seguindo para o Cruzeiro.

Seu substituto foi Flávio Murtosa. O auxiliar do Felipão tinha confiança da torcida, havia acabado de ser campeão com a seleção e contava com o respaldo da diretoria. Mas logo no segundo jogo comandando a equipe, uma derrota acachapante pro Galo em casa (0x4). O treinador comandou o time em apenas quatro jogos e pediu demissão após uma goleada sofrida diante do Paraná (5×1). Era a primeira vez que o time figurava na zona de rebaixamento.

Após um jogo sob comando do desconhecido Karmino Colombini, Levir Culpi assumiu o time palmeirense. Na estreia, empate em casa por 2×2 contra o Gama, sob protestos da torcida. Depois o Palmeiras acumulou quatro derrotas seguidas. A primeira vitória com Levir (segunda no campeonato) veio apenas na 13ª rodada, num jogo sofrido contra o Paysandu. Na ocasião o time era o lanterna da competição.

Na sequência, clássicos regionais. Com grande atuação de Marcos, o Palmeiras segurou o empate contra o Santos, 1×1. Novos empates ocorreram também contra São Paulo (1×1) e Corinthians (2×2).

Até a 23ª rodada o Palmeiras conquistou mais quatro vitórias. Portuguesa (2×1), Guarani (4×2), Botafogo (2×1) e Fluminense (3×0). Na penúltima rodada, a equipe recebia o Flamengo em casa. O Palestra Itália estava lotado. Com uma vitória o time deixaria a zona de rebaixamento pela primeira vez desde a 5ª rodada. Mas o jogo acabou empatado em 1×1 e o vilão da noite foi o zagueiro Alexandre que falhou bisonhamente no gol do flamenguista Liédson.

Com a combinação de resultados, o Palmeiras chegou à última rodada dependendo apenas de suas forças para não ser rebaixado. Os paulistas ocupavam a 22ª posição, a frente de Gama (já rebaixado), Botafogo e Internacional. E empatados com Paraná, Portuguesa e Bahia – estes últimos dois se enfrentariam na última rodada.

O Palmeiras foi até Salvador encarar o Vitória. Os mesmos erros cometidos pela defesa no decorrer do campeonato se repetiram na fatídica tarde. A derrota por 4×3 naquela altura não surpreendia ninguém. Chegava a hora de apontar culpados. E era evidente o medo de mais uma virada de mesa (que não ocorreu). O Palmeiras caiu, com uma campanha pífia (6 vitórias em 25 jogos). Caíram também o Gama, o Botafogo e a Portuguesa que não havia figurado nenhuma vez na zona de descenso.

O time atual tem aproveitamento semelhante ao de 2002. Agora, nas últimas seis rodadas, o time tenta evitar novo rebaixamento.

E aí, será que Barcos e Marcos Assunção evitarão um novo vexame verde?

Comentários

Paulistano, casado e com 33 anos. Apaixonado por futebol e pelo São Paulo FC. De memória privilegiada, adora relatar e debater fatos futebolísticos de outrora. Ex-estudante de jornalismo, hoje gerencia uma drogaria no município de Barueri, além de escrever para a Doentes por Futebol.

2 Comments Already

  1. A Série B Infelizmente Não Dá Vaga Para o Campeão Disputar a Libertadores Que Está Marcada Para Mudar Seu Nome Para Liga dos Campeões das Américas

  2. Dificilmente Sobe Para a Primeira Divisão Depois do Rebaixamento Para a Série B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.