2007 – Clássico vale mais que título

Foto: Reprodução - Campeão... Só que não

Foto: Reprodução – Campeão… Só que não

Em 2007, o tombo do Schalke 04 foi maior que o imaginado. Ao término da 17ª rodada, os Azuis Reais dividiam a liderança do Campeonato Alemão com o Werder Bremen, ambos com 36 pontos e campanhas rigorosamente iguais (11 vitórias, três empates e três derrotas). O Stuttgart, que viria ser o maior protagonista da temporada, estava duas posições atrás da dupla, mas a distância era de sete pontos.

O início de segundo turno, que costumava ser traumático para o Schalke, teve característica oposta naquela temporada. A equipe treinada por Mirko Slomka engatou cinco jogos invictos (quatro vitórias e um empate) e liderava a competição na 22ª rodada. A vantagem para os Suábios era de cinco pontos.

Na 26ª rodada, os Azuis Reais deram um gigantesco passo para ao menos tirar o Stuttgart da briga pela Salva de Prata. Com um gol salvador de Mladen Krstajic, o Schalke bateu os Suábios pelo marcador mínimo e abriu sete pontos para o adversário que, na época, ocupava a 3ª posição. O Bremen, oponente mais próximo, estava três pontos atrás.

Porém, as partidas que serviram como divisores de água no campeonato foram os clássicos regionais. Na 31ª rodada, vacilou de forma gigantesca diante do pequenino Bochum, clube de cidade que faz fronteira com Gelsenkirchen. Após abrir o marcador com Kuranyi, os Azuis Reais tomaram a virada com gols de Misimović e Gekas. No fechamento da jornada, a diferença pro Stuttgart era de apenas dois pontos.

Ainda assim, o Schalke se deparou com o cenário dos sonhos na penúltima rodada. Enfrentaria o Borussia Dortmund em solo amarelo e preto e poderia ser campeão com uma vitória. Se o Stuttgart perdesse para o Bochum e o Bremen ao menos empatasse com o Frankfurt, o triunfo no Signal Iduna Park traria o tão esperado título.

Porém, os vários torcedores azuis reais que foram ao campo do rival viram o Schalke sofrer o tombo fatal. Nervoso com a situação e com o jogo em si, a equipe de Gelsenkirchen falhou em duas saídas de bola e, como consequência, sofreu dois gols, estes anotados por Alexander Frei e Eusebiusz Smolarek. Por um dia, os torcedores aurinegros puderam dizer que vencer o clássico foi o título que tanto queriam e o troféu foi a lamentação do rival.

Para piorar, o Stuttgart, que chegou a ficar atrás do marcador duas vezes diante do Bochum, virou com gols de Mário Gomez e Cacau, venceu por 3×2 e assumiu a liderança do campeonato próximo da linha de chegada.

Na rodada final, o clima já era de enterro em Gelsenkirchen, mesmo com a fácil vitória sobre o Arminia Bielefeld por 2×1. Os Suábios chegaram a vacilar contra o Energie Cottbus, mas conseguiram vencer pelo mesmo 2×1 e ergueu o caneco.

Por fim, o sonho do Schalke de levantar a Salva de Prata na casa do Dortmund tornou-se um pesadelo que persiste até hoje, já que o rival amarelo e preto ganhou o Campeonato Alemão duas vezes.

[youtube id=eH_Fm6aOo8c (eg. USHZZ5bwASU)” width=”620″ height=”360″]

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.