Futebol Arte Marcial – Romário e Edmundo contra o Velez

  • por Bráulio Silva
  • 8 Anos atrás

 

Romário e Edmundo se tornaram profissionais no Vasco em anos diferentes. Sempre se disseram amigos. Com personalidades fortes, faziam a alegria da torcida por onde passaram. E também arranjaram confusões. Nesse espaço, vocês ainda verão falar muito da dupla. Mas dizem que a primeira é inesquecível.

A “Futebol Arte Marcial” de hoje relembra um episódio marcante na carreira de ambos. O dia que Edmundo apanhou e o Romário foi defendê-lo. Isso em uma briga generalizada contra jogadores do Velez (ARG).

O Flamengo vivia o ano de seu centenário. O ano que Sávio, Romário e Edmundo formavam “o pior ataque do mundo”. O atacante, que na coletiva de apresentação cantou o “Rap do Bad Boy” com o parceiro Romário, atuou apenas 23 vezes com a camisa do rubro-negro.

Com péssima campanha no Brasileirão, a aposta para o segundo semestre era o título da Supercopa. Treinados pelo JORNALISTA Washington Rodrigues, o “Apolinho”, o Mengão jogava no Parque do Sabiá em Uberlândia o jogo de volta contra o Velez, após ter vencido o jogo de ida por 3×2.

No jogo de volta, tudo corria tranquilo. O Flamengo construiu o resultado e praticamente garantiu a classificação ao ampliar a sua vantagem com tranquilidade para 3 a 0, com um gol contra (após jogada de Sávio), um de Edmundo e outro de Romário.

Aos 40 minutos do segundo tempo, Edmundo tentou dar um drible em Zandoná. A bola passou, mas o flamenguista não. Com uma cotovelada, Edmundo sofreu um corte no supercílio. O juiz nem falta marcou. A bola seguiu em jogo e os jogadores continuaram discutindo. Ao perceber que sangrava, Edmundo deu um tapa em Zandoná, que revidou na hora com outro tapa. Não satisfeito e com o time sofrendo uma goleada, o argentino aproveitou e deu um cruzado de esquerda, que levou o atacante do Flamengo a nocaute.

Voadora do Romário:
http://www.youtube.com/watch?v=zrZr1yDaAs0

O baixinho Romário logo chegou com uma voadora e exaltou ainda mais os ânimos em campo, que logo transformou-se em uma batalha campal com socos, pontapés e muita correria para todos os lados.

O Flamengo avançou até a final da competição, quando ficou com o vice-campeonato. Edmundo não gosta de relembrar sua passagem pelo rubro-negro, mas a imagem dele levando o soco do Zandoná é uma das mais famosas quando o assunto é brigas futebolísticas.

É isso aí, semana que vem tem mais.

Comentários

Paulistano, casado e com 33 anos. Apaixonado por futebol e pelo São Paulo FC. De memória privilegiada, adora relatar e debater fatos futebolísticos de outrora. Ex-estudante de jornalismo, hoje gerencia uma drogaria no município de Barueri, além de escrever para a Doentes por Futebol.

1 Comente agora!

  1. Adorei o site, meus parabens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.