Oscar, o destaque brasileiro na Europa

  • por Lucas Sartorelli
  • 8 Anos atrás

Chelsea 1×1 Shakhtar, em Stamford Bridge. Jogo duríssimo para o clube inglês, que era dominado pela equipe ucraniana. Aos 39 minutos do primeiro tempo, o espanhol Mata faz um lançamento para Fernando Torres, lançamento que é interceptado pelo goleiro do time ucraniano. Após o corte, a bola vai parar no peito de Oscar, pouco após o círculo cent

ral. A matada é suficiente para clarear e, após o quique, Oscar pega de primeira, lado externo do pé, encobrindo o goleiro. Golaço, o quarto de Oscar em quatro jogos pela maior competição de clubes do mundo.O gol, além de bonito, representa um recomeço: o Brasil tem um meia respeitado na Europa depois de alguns anos. Mas pouco tempo atrás poucos acreditariam nesse jogador, carregado de problemas extra campo.

Oscar começou sua carreira no São Paulo e chegou aos profissionais do clube em 2008. Não jogou, mas fez parte do elenco que conquistou o Tricampeonato Brasileiro. Em 2009, mais uma vez foi pouco aproveitado por Muricy Ramalho e Ricardo Gomes e no fim do ano entrou com ação na Justiça contra o São Paulo. Não é nossa intenção discutir quem estava com a razão no imbróglio, até porque o caso já foi decidido pela Justiça. O fato é que Oscar assinou contrato com o Inter em junho de 2010.

Em 2010, pouco jogou, já que o time era o atual campeão da Libertadores e ele tinha acabado de chegar. Foi parar no sub 23 do Inter e só conquistou seu espaço na equipe em 2011, quando entrou no lugar do contundido D’Alessandro. Com boas atuações no Internacional e já com histórico nas categorias de base da Seleção Brasileira, Oscar foi convocado para o Mundial Sub-20. O Brasil não tinha Neymar e Lucas na competição, já que ambos tinham jogado a Copa América pela Seleção principal. A equipe brasileira era olhada com desconfiança e o empate contra o Egito na estreia pouco fez para mudar isso. Após vitórias contra Áustria e R. Dominicana, o time avançou para o mata, passando pela Arábia nas oitavas, a favorita Espanha nas quartas e México na semifinal. Oscar foi um dos destaques da equipe até então, com várias grandes jogadas, mas ainda não tinha marcado.

Na final, o adversário foi Portugal, que também fazia boa campanha até então. Oscar abriu os trabalhos, mas Portugal virou para 2×1. Faltando pouco mais de 10 minutos para o fim, Oscar empatou novamente. Na prorrogação, o atual meia do Chelsea tentou cruzar uma bola e ela entrou direto, para o Brasil marcar seu terceiro gol no jogo e vencer a partida. Oscar foi o primeiro jogador na história dos Mundiais Sub-20 a fazer 3 gols numa final. De volta ao Inter, passou a ser convocado regularmente para a Seleção Brasileira e rapidamente virou o maior destaque do time colorado, sendo alvo de várias especulações da Europa no fim de 2011, com notícias envolvendo Milan e Barcelona.

Oscar permaneceu no Internacional, com a disputa São Paulo x Oscar chegando ao fim no dia 30 de Maio, quando a Justiça decretou que o São Paulo tinha direito a receber R$ 15 milhões, por quebra de contrato e outros danos. Oscar chegou a ficar um tempo sem poder atuar, mas já na volta fez um gol decisivo para o Internacional em jogo pelo Campeonato Gaúcho e era presença certa nas Olimpíadas de Londres. Chegou a Londres como titular da Seleção Olímpica e antes mesmo da estreia saiu o anúncio de sua transferência para o Chelsea. Durante as Olimpíadas, Oscar foi um dos destaques do Brasil, com participação em praticamente todos os gols da equipe até a final. Na final pouco fez – como o resto do time – e o Brasil mais uma vez deixou escapar a medalha de ouro.

Após a Olimpíada, Oscar começou no banco pelo Chelsea, entrando no decorrer dos jogos contra Wigan, Reading e Atletico de Madrid. Fez sua estreia entre os titulares na primeira partida do novo clube pela Champions, contra a Juventus. E já na estreia mostrou a que veio: com 2 gols – sendo um deles um golaço – foi eleito o melhor em campo pela UEFA. A partir desse jogo, Oscar vem se mantendo sempre entre os 11 titulares do treinador Di Matteo, sendo que a maioria das apostas era no sentido de revezar com Mata e Hazard. O jogador brasileiro teve seu caminho ‘’facilitado’’ pela contusão de Frank Lampard – o que impede esse revezamento de meias – mas com muita consciência tática e talento, vem conseguindo feitos e bons jogos no seu curto período de Chelsea, acumulando experiência para 2014, quando certamente será um dos principais jogadores da Seleção Brasileira na Copa do Mundo.

Comentários

Paulistano, projeto de jornalista e absolutamente ligado a tudo o que envolve essa arte chamada futebol, desde a elegante final de uma Copa do Mundo às peculiaridades alternativas das divisões mais obscuras de nosso amado esporte bretão. Frequentador assíduo nas melhores (e piores) várzeas e peladas de fim de semana, sempre à disposição para atuar em qualquer posição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.