Monterrey – eles podem?

  • por Mauricio Fernando
  • 8 Anos atrás

Foto: Fifa.com

O Monterrey será mesmo um adversário que deverá impôr mesmo muitas dificuldades ao Chelsea nas semifinais? Tudo leva a crer que sim, mas é bom que se explique alguns aspectos da tranqüila vitória de 3×1 do clube mexicano sobre o Ulsan Hyundai.

Para começar, a equipe coreana exigiu muito pouco dos mexicanos. Parecem ter ido ao Mundial a passeio, não mostraram a que vieram, pecando em praticamente todos os aspectos. Não é exagero e nem precisa de muito para notar. Para aqueles que viram só os gols, já dá para observar falhas clamorosas como a frouxa marcação no meio de campo, que fez com que a defesa fosse envolvida facilmente.

As jogadas de ataque dos Rayados foram sim bem criadas, a equipe mostrou um bom toque de bola – conforme já havíamos adiantado em nossa análise inicial – mas os coreanos pouco fizeram para conter isso. Faltou pegada.

Ofensivamente então, a equipe coreana foi uma lástima. Totalmente inoperante, pouco criativa e facilmente neutralizada. Foram apenas três finalizações a gol nos 90 minutos, e o gol de honra só saiu graças a uma falha terrível do goleiro mexicano Orozco. Muito pouco para uma equipe campeã de um continente em que o futebol tem evoluído tanto, e que, além disso, esteve quase o tempo todo atrás do placar – o primeiro gol saiu aos nove do 1º tempo. Novamente a Ásia se viu melhor representada pelo campeão japonês, desta vez o Sanfreece Hiroshima, que por muito pouco não foi às semifinais.

Os méritos do Monterrey também não devem ser esquecidos, claro. Um clube pressionado pela eliminação precoce do ano passado e sem seu principal jogador, o atacante Suazo, cortado por contusão às vésperas da estreia. A experiência do grupo não deixou que estes problemas se tornassem obstáculos. Com um futebol leve, técnico e bem jogado, pulverizou o adversário. A presença do jovem Jesus Corona no meio deu mais dinâmica ao setor ofensivo, que contou ainda com atuações inspiradas de Delgado, autor de dois gols e De Nigris, que deu duas assistências. O trio foi o principal responsável pela boa vitória. Para eles, importa pouco se o adversário não ofereceu o perigo que se esperava. Eles fizeram sua parte e tornaram o jogo mais fácil.

Com relação às chances nas semifinais da próxima quinta feira, o torcedor mexicano pode sim acreditar, mas não só se baseando no que viu ontem, mas por outro aspecto importante. O peso maior, o da estreia, já passou. O objetivo principal dos mexicanos era passar de fase, o próprio técnico Víctor Vucetich reconheceu isso após o jogo de ontem. A responsabilidade agora é toda do Chelsea e, pouco pressionado, o Monterrey pode desenvolver seu jogo com mais tranquilidade. Mas é bom que os mexicanos não pensem que uma atuação como a de ontem – que foi sim boa – será suficiente. É preciso ainda mais, e potencial pra isso a equipe com certeza tem e já mostrou. A torcida e a expectativa por um grande jogo são grandes, a possibilidade é real e, ao que tudo indica, teremos.

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".