Especial Roberto Carlos

  • por Felippe Garcia
  • 8 Anos atrás

ROBERTO CARLOS

Quem não se lembra das bombas disparadas por Roberto Carlos?

Falta à distância não era problema. Um pique de vários passos curtos, algumas passadas longas e lá vinha a bomba, com curva, um míssil tele-guiado. Era sua marca registrada.

Roberto Carlos, lateral esquerdo, surgiu no União São João de Araras com 16 anos. Suas belas partidas como titular  o levaram para a seleção Sub-20 do Brasil.

Chamou a atenção do Palmeiras, onde foi contratado em 93 e conquistou três títulos no mesmo ano: o Campeonato Paulista, o Torneio Rio São Paulo e o Campeonato Brasileiro.  Quebrou o tabu de 16 anos sem conquistas do Palmeiras.

Em 1994, conquistou os tricampeonatos paulista e brasileiro pela equipe alviverde.

Disputou 185 jogos, marcando 17 gols.

Partiu para a Itália. A Internazionale contratou o lateral por US$7 milhões.

Virou mito no Real Madrid. Atuou durante 11 anos no time merengue, 584 partidas, e marcou 71 gols. Sem dúvidas o seu auge no futebol.

Conquistou três vezes a UEFA Champions League: 1997-98, 1999-00 e 2001-02.
Indicado pela  pela UEFA como o melhor lateral-esquerdo em 2002 e 2003.

Em janeiro de 2006, estabeleceu o novo recorde de estrangeiro com mais partidas pela La Liga, quebrando o recorde anterior de 329 partidas do argentino Alfredo di Stéfano.

Roberto Carlos foi duramente criticado por errar num jogo contra o Bayern München, válido pelas oitavas-de-final da Champions League 2006-07, que resultou no gol mais rápido da história do torneio, marcado por Roy Makaay com menos de um minuto de jogo. O fato culminou na desclassificação do Real Madrid.

Insatisfeito e desgastado com a torcida, em 9 de março de 2007, ele anunciou que não renovaria seu contrato. Em sua última temporada pelo clube, conquistou o título da La Liga 2006-07, o quarto título espanhol durante sua passagem pelo Real Madrid.

Aos 34 anos, em 19 de junho de 2007, Roberto Carlos assinou um contrato de dois anos com o Fenerbahçe, da Turquia. Foi apresentado oficialmente no estádio do clube, frente a milhares de fãs.

Em sua primeira partida oficial, venceu um dos grandes rivais do clube, o Beşiktaş. Marcou seu primeiro gol pela equipe durante uma partida contra o Sivasspor, em 25 de agosto de 2007. O gol foi feito após uma cabeçada, e este se tornou apenas o terceiro gol de cabeça em toda a sua carreira.

Em 7 de outubro de 2009, Roberto anunciou que iria deixar o Fenerbahçe, após o final de seu contrato em dezembro do mesmo ano. Ele se ofereceu para retornar ao Real Madrid e jogar gratuitamente, embora também houvesse interesse de vários clubes do futebol brasileiro. Jogou sua última partida pelo clube em 17 de dezembro de 2009, sendo ovacionado e aplaudido de pé pelos torcedores após o fim da partida.

Em 18 de novembro de 2009, após várias especulações sobre seu destino, Roberto Carlos foi anunciado como o primeiro grande reforço do Corinthians para a Copa Libertadores da América de 2010. Foi atraído ao Corinthians devido ao seu projeto para montar  um time forte em 2010. Assinou o contrato e foi apresentado no dia 4 de janeiro de 2010.

Estreou em 20 de janeiro de 2010, na vitória por 2-1 sobre o Bragantino, em partida válida pelo Campeonato Paulista. Apesar da idade avançada, Roberto Carlos vinha mostrando um excelente preparo físico e tendo atuações muito elogiadas no clube paulista, fato que culminou em várias especulações sobre seu retorno a Seleção Brasileira. Entretanto, não foi convocado.

Começou bem o ano de 2011, seu segundo pelo Timão: em 16 de janeiro, marcou um gol olímpico na estreia do Corinthians pelo Campeonato Paulista, contra a Portuguesa. Entretanto, após a precoce eliminação na primeira fase da Copa Libertadores, em 11 de fevereiro, Roberto Carlos anunciou sua saída do Corinthians. Segundo a versão do jogador, por ter recebido ameaças vindas de alguns torcedores, ele optou por fazer uma rescisão amigável com o clube, alegando que esta seria a melhor decisão para ele e sua família.

No dia seguinte, em 12 de fevereiro, Roberto Carlos acerta, por dois anos, com o Anzhi Makhachkala, da Rússia, num contrato de 15 milhões de reais/ano.  Apesar de recém-chegado ao time, recebeu a faixa de capitão.

Em uma de suas primeiras partidas pelo Anzhi, contra o Zenit, foi alvo de racismo. Ainda antes do início da partida, durante o aquecimento dos jogadores, um fotógrafo flagrou um torcedor adversário mostrando uma banana para o jogador. Em junho, o episódio se repetiu: próximo ao final de uma partida contra o Krylya Sovetov, quando a vitória do Anzhi por 3-0 já estava praticamente definida, um torcedor lançou uma banana perto de Roberto Carlos, que a pegou do chão, mostrou ao árbitro, tirou a braçadeira de capitão e se retirou de campo.

Em entrevista no dia seguinte ao jogo, Roberto Carlos se mostrou indignado e chegou até a alegar que não tem mais vontade de voltar a jogar pelo clube.

Estou profundamente chateado. Não tenho nenhuma vontade de voltar a jogar. Estou indignado pelo asqueroso comportamento do torcedor que, com sua ação, não só me insultou, mas também a todos em campo e a todo o futebol russo. Atos deste tipo não deviam ser tolerados em países civilizados. Saí porque me senti desapontado, não tinha mais o desejo de permanecer no jogo. Eu faria o mesmo se estivesse outro placar. Já é o segundo caso similar em um curto período de tempo que jogo na Rússia. Isso também me machuca porque a maioria das pessoas no país é acolhedora e benevolente com os jogadores, incluindo os estrangeiros. Infelizmente, existem também esses idiotas. Espero que a Federação Russa, a UEFA e a FIFA tenham a reação adequada para este incidente desagradável. Coisas assim não devem ser toleradas em países civilizados.

 

No dia 28 de setembro de 2011, o treinador Gadzhi Gadzhiev foi demitido, em seu lugar Roberto Carlos assumiu interinamente a função de treinador,  além de continuar como jogador na equipe russa. No dia 1º de agosto do ano seguinte, o lateral anunciou oficialmente sua aposentadoria aos 39 anos de idade, assumindo agora a função de Diretor de Futebol do Anzhi.

 

Seleção Brasileira

Tem um total de 125 jogos pela Seleção brasileira de futebol e ajudou seu país a ganhar a Copa do Mundo de 2002, após ser vice em 1998.

Em 2006, após o fracasso brasileiro na competição, foi muito criticado por não ter marcado Thierry Henry enquanto “arrumava seu meião” no lance do gol que culminou na eliminação do Seleção brasileira de Futebol do torneio, desde então Roberto Carlos disse que nunca mais jogaria pela seleção. Mesmo após o caso, ele se ofereceu em uma entrevista caso a seleção precisasse de um lateral esquerdo experiente.

Marcos

Em 1997, Roberto Carlos foi o segundo colocado no prêmio de Melhor jogador do mundo pela FIFA, atrás apenas do seu compatriota Ronaldo.

Em março de 2004, foi apontado por Pelé como um dos 125 maiores jogadores de futebol vivos, na lista denominada FIFA 100. Ainda neste ano, recebeu a cidadania espanhola mas manteve também a sua brasileira.

Em testes realizados pelo Real Madrid em 2006, quando tinha 33 anos, o lateral realizou 100m em 10s9 e ganhou o status de jogador mais rápido daquele elenco e um dos mais rápidos do futebol mundial.

 

Títulos

 

Brasil Palmeiras
  • Campeonato Brasileiro: 1993, 1994
  • Torneio Rio-São Paulo: 1993
  • Campeonato Paulista: 1993, 1994
Espanha Real Madrid
  • Copa Intercontinental: 1998 e 2002
  • UEFA Champions League: 1997-98, 1999-00, 2001-02
  • UEFA Super Cup: 2002
  • La Liga: 1996-97, 2000-01, 2002-03, 2006-07
  • Supercopa de España: 1997, 2001, 2003
Turquia Fenerbahçe
  • Supercopa da Turquia: 2007
  • Campeonato Turco 2007-08
Brasil Seleção Brasileira
  • Copa do Mundo: 2002
  • Copa das Confederações: 1997
  • Copa América: 1997, 1999
  • Jogos Olímpicos: Medalha de bronze em 1996

Prêmios individuais

 

  • Bola de Prata da Revista Placar: 1993, 1994, 2010
  • Melhor lateral-esquerdo do mundo
  • Melhor lateral-esquerdo do Campeonato Paulista 2010
  • Prêmio Craque do Brasileirão, Melhor lateral esquerdo do Brasileirão: 2010
  • Seleção da Copa do Mundo 1998 e 2002
  • Melhor lateral-esquerdo Copa do Mundo 2002
  • Segundo Melhor Jogador do Mundo pela FIFA 1997
  • Melhor Lateral Esquerdo do Campeonato Brasileiro (Troféu Mesa Redonda): 2010

Comentários

Publicitário apaixonado por esporte. Fundador do projeto Doentes por Futebol.