Huachipato conquista Clausura chileno após 38 anos

  • por Mauricio Fernando
  • 8 Anos atrás

Nem Colo- Colo, o maior vencedor, nem La U, campeã das últimas três edições, nem Unión Española, a sensação, a surpresa veio do sul. O modesto Huachipato sagrou-se no último domingo, campeão do Clausura Chileno, quebrando um longo jejum de 38 anos de seu primeiro e, até então, único título nacional.

A decisão histórica para o clube aconteceu em seu acanhado, mas apaixonante estádio, CAP. Pouco mais de 10 mil pessoas acompanharam uma virada emocionante na decisão diante do Unión Española, que havia atropelado Colo-Colo e Universidad de Chile nas fases anteriores, e se credenciado como grande favorito à final.

Os visitantes, que haviam vencido a partida de ida por 3×1, abriram o placar e deixaram o Huachipato em situação delicada, precisando de três gols para levar a decisão para os pênaltis. Os donos da casa foram à luta, e com dois gols de Daniel González, chegaram à virada ainda no primeiro tempo. E, apesar do segundo tempo inteiro pela frente, o gol salvador só saiu aos 44 da etapa final, com Villalobos, levando a torcida ao delírio e à disputa para as penalidades máximas, onde os goleiros predominaram, especialmente Nery Veloso. Ele brilhou, defendendo quatro das seis cobranças do Unión, levando o Huachipato a uma bela conquista.

O grande responsável pelo título, segundo os próprios torcedores, foi o treinador Jorge Pellicer, responsável pela contratação de muitos dos heróis do título e pela montagem da equipe. Pellicer carregava – e ainda carrega – o peso de ter sido o último técnico chileno a conquistar o campeonato local, em 2005, pelo Universidad Católica.

Dentro de campo, o atacante uruguaio Braian Rodríguez foi considerado o grande destaque da campanha. Além dele, o defensor Omar Melo, o meia Gonzáles e o próprio arqueiro Veloso formam a espinha dorsal da equipe, que com o título, se classificou a Libertadores do ano que vem.

Equipe base: Nery Veloso, Claudio Muñoz, Nicolás Núñez, Omar Merlo, Nicolás Corvetto; Gabriel Sandoval (José Contreras), Daniel González, Lorenzo Reyes, César Cortés; Manuel Villalobos e Braian Rodríguez.

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".