Imortal de casa nova

Foto: Reprodução

 

(Por Cleiton dos Santos)

Mudança – De Mala e Cuia

Inauguração da Arena do Grêmio mobiliza Porto Alegre neste sábado e é o monumento à esperança de oito milhões de gremistas

Há pessoas que desde quando conhecemos (e nos conhecemos por gente) moram na mesma residência; talvez seja o seu caso. Se para algumas famílias o terreno, as paredes, o jardim e a árvore no quintal sejam tão representativos, para um clube de futebol não é diferente.

O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense está de mudança mais uma vez. Repete-se o que aconteceu nos Anos 50: o fim de uma era e o abandono de um bairro que podia chamar de seu, mas tudo por um forte motivo. A saída do Moinhos de Vento para a Azenha fez o tricolor gaúcho crescer. De 1954, ano de estreia, até 1968 foram 11 títulos de campeão estadual. É essa hegemonia e crescimento que o Grêmio quer reconquistar, e é a Arena do Grêmio, uma “nave alienígena” saída de MIB-Homens de Preto ou Independence Day, que representa a esperança e um futuro de glórias.

A baiana OAS demonstra orgulho e satisfação pela parceira de vinte anos com o Imortal Tricolor. Desde o 20 de setembro de 2010 a construtora, juntamente com Eduardo Antonini (o “Homem-Arena”), tem trabalhado incansavelmente em cima do projeto.

Não me aprofundarei sobre aspectos técnicos (R$ 600 milhões, 60540 lugares, 4 andares, 2 telões de 96m2, X banheiros, X bares, sistema de drenagem a vácuo, mesmo gramado de Wembley, padrões FIFA e UEFA, modernidade, conforto, etc), pois a própria imagem do estádio fala por si só. Tão alto que para encontrar o teto você terá dores no pescoço; o azul dos brises e dos assentos lembrando quem manda no pedaço; cada detalhe nos acabamentos e o cuidado com que foram projetados.

Saem a imagem de Olímpico Monumental e Azenha, a Era Romântica do Velho Casarão, e é chegada a hora da Era Bu$ine$$ tomar conta. Na noite deste sábado, no bairro Humaitá, aos 08 de dezembro de 2012, Grêmio FBPA e os alemães do Hamburger Sport-Verein pela primeira vez farão a bola rolar no novo palco do futebol brasileiro logo após uma prometida cerimônia de abertura em nível de Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. 

Será a entrega das chaves para a nova morada dos gremistas. Para novos dias de luta, novas noites de glória. O gremista sempre amou o seu passado (Baixada), cultivou o presente (Olímpico) e agora sonhará com o futuro (Arena).

Comentários

Diretor no DPF desde 2012 e criador da coluna "Olho Nele!".