Lance polêmico no Campeonato Francês, o que você marcaria?

Na tarde deste último sábado, o Rennes venceu o Ajaccio por 4 a 2. O resultado foi, de longe, o que menos chamou a atenção nessa partida. Um lance polêmico que gerou boas discussões nas redes sociais foi a temática do pós-jogo. Dê o play no vídeo abaixo e avance a barra até 05min30s.

Na ocasião, em um lance de ataque do Rennes, quando ainda venciam por 3 a 2, a defesa do Ajaccio conseguiu apartar o perigo. O zagueiro Carl Medjani dominou a bola no peito, deixou ela quicar duas vezes no gramado, fez duas embaixadas e recuou de cabeça para o goleiro mexicano Guillermo Ochoa. O lance parecia não ter irregularidades, mas, poucos segundos depois, o árbitro Ruddy Buquet paralisou a partida, marcou um tiro livre indireto dentro da área e o lance acabou ocasionando o quarto gol do Rennes no jogo.

A marcação do árbitro gerou muita polêmica. Alguns sites franceses são enfáticos ao dizer que o lance foi legal, pois a regra diz que qualquer recuo de cabeça – que foi o caso – poderá ser defendido com as mãos pelo goleiro. No entanto, outros sites são categóricos ao dizer que a arbitragem acertou.

Pelo Twitter, encontrei um usuário explicando a irregularidade no lance. Ele postou um trecho da regra, em francês, mostrando ser um caso de atitude antidesportiva. Uma tentativa de ludibriar a regra. Veja só:

Traduzirei os principais pontos da imagem acima:

“L’aprréciation de la faute doit tenir compte de la seule attitude du défenseur qui cherche à contourner la loi.”

O movimento é penalizado, pois deve-se considerar a atitude de um jogador que procura contornar a lei.

“Avertissement au partenaire pour comportement antisportif. Coup franc indirect à l’endroit où ce joueur se trouvait, sous réserve des circonstances particulières de la loi 13.”

É para se advertir o jogador por comportamento antidesportivo. Tiro livre indireto, o jogador está sujeito às circunstâncias especiais da Lei 13.

Se seguirmos a recomendação desse texto, o juiz realmente acertou na marcação do tiro livre indireto. Para reforçar ainda mais o acerto, um link do blog do ex-árbitro Leonardo Gaciba. Ao discutir um lance diferente, ele chega a citar uma hipotética situação em que poderia acontecer isso que ocorreu na França. O post está AQUI. Ele é categórico lá no final do texto:

“(…) um atleta erguer a bola que está no chão e recuar a bola com a cabeça para o goleiro. Aí sim, tiro livre indireto e amarelo.”

No lance de Ajaccio x Rennes, Ruddy Buquet não aplicou o cartão amarelo nem para o zagueiro Medjani e nem para o goleiro Ochoa. De qualquer forma, me parece que a decisão dele foi acertada.Fica a dúvida: essa frase do blog do Leonardo Gaciba é uma regra, recomendação aos árbitros ou um lance puramente interpretativo? Analisando as regras da FIFA, na página 120, encontramos recomendações sobre atitudes antidesportivas:

– uses a deliberate trick while the ball is in play to pass the ball to his own goalkeeper with his head, chest, knee, etc. in order to circumvent the Law, irrespective of whether the goalkeeper touches the ball with his hands or not. The offence is committed by the player in attempting to circumvent both the letter and the spirit of Law 12 and play is restarted with an indirect free kick;

– Usa de um artifício, enquanto a bola está em jogo para passa-la ao seu próprio goleiro com a cabeça, peito, joelho, etc, a fim de ludibriar a Lei, independentemente do goleiro tocar a bola com as mãos ou não. A infração é cometida pelo jogador na tentativa de burlar a regra e o espírito da Lei 12. O jogo é reiniciado com um tiro livre indireto;

Independentemente da resposta, o que você, leitor, marcaria nessa situação?

Ajaccio Rennes (RMC)

Foto: RMC Sport | Jogador do Ajaccio reclama do lance polêmico após encerramento do jogo

Comentários

Curte Campeonato Francês e é torcedor do Olympique LYONnais. Dono do único blog do Lyon no Brasil. Já foi colaborador do Jogo Aberto, blog do Lédio Carmona. Já foi colunista de futebol francês da extinta Revista Doentes por Futebol e do portal Os Geraldinos. Foi comentarista da Rádio Futebol Plus. Hoje em dia é editor chefe e sócio-fundador da Doentes Por Futebol. Participa do "Le podcast du Foot", podcast sobre futebol francês do colunista Bruno Pessa, do Portal IG. E é colaborador de futebol Francês no programa "[email protected]", da Rádio Globo SP.