O Leeds do começo dos anos 90.

  • por Igor Leal da Fonseca
  • 8 Anos atrás

 

Do 21º lugar da Série B ao título da Série em quatro temporadas. O Leeds United de Howard Wilkinson.


Outubro de 1988. Após quatro derrotas seguidas na 2ª Divisão do Campeonato Inglês, o Leeds demite seu treinador e contrata Howard Wilkinson. Wilkinson tinha 13 anos de trabalhos em equipes menores da Inglaterra e fora contratado para salvar o clube da queda para a Série C da Inglaterra.

Logo após sua chegada, a equipe emenda dez jogos sem derrota – cinco empates e cinco vitórias – chegando a sonhar com uma volta à 1ª Divisão já na temporada de estreia do treinador, mas o Leeds oscila em algumas rodadas, perde pontos bobos em casa e acaba terminando em décimo lugar. Chelsea, Manchester City e Crystal Palace foram os promovidos à Série A da Inglaterra.

Mas, já na temporada seguinte, a redenção: com uma campanha de 85 pontos, o Leeds assume a ponta na rodada 21 e não sai mais. Era a volta da equipe à 1ª Divisão, competição que não disputava desde a temporada 1981/82.

De volta à Football League First Division (como era chamada a Premier League na época), era preciso se reforçar e o Leeds contratou três jogadores que fariam história no clube: o goleiro John Lukic (668 partidas na Liga Inglesa), que já tinha defendido o clube entre 78 e 83, o zagueiro Chris White e o meia Gary McAllister. Contando também com nomes como David Batty, Gordon Stracham, Gary Speed e Lee Chapman, Wilkinson levou o Leeds ao quarto lugar na tabela.

Na temporada seguinte, mais investimentos, como o atacante Rod Wallace (que formou uma temível dupla com Chapman) e o zagueiro Dorigo, além das promessas Wheterall e Newsome. O que praticamente todos tinham em comum era o fato de serem jovens quando contratados. Wilkinson tinha olho clínico para jovens talentos, e em novembro de 1991 descobriu mais um, ainda que esse não fosse tão jovem quanto os anteriores: por 900 mil libras o Leeds contratou Éric Cantona. A Inglaterra nunca mais seria a mesma.
Na primeira parte da temporada, a equipe ficou dez jogos invicta, com cinco vitórias e cinco empates, mesmo após enfrentar United, City, Chelsea, Arsenal e Liverpool. A primeira derrota veio na 11ª rodada, derrota para o Crystal Palace por 1×0, fora de casa.

Após essa derrota, a equipe emendou mais 16 jogos sem perder, com dez empates e seis vitórias, série que foi interrompida na rodada 28, quando perdeu para o Oldham e viu o Manchester United de Alex Fergusson assumir a ponta. Mais cinco jogos sem derrota, mas o United seguia colado na tabela, com as duas equipes se alternando na ponta.

Faltando quatro rodadas para o final, o Manchester tinha 75 pontos e o Leeds 72. Cada equipe tinha duas partidas em casa e duas fora. O United enfrentaria, na ordem: Notthingham Forest (C), West Ham (F), Liverpool (F) e Tottenham (C). O Leeds, por sua vez, jogaria contra o Liverpool (F), Coventry (C), Sheffield United (F) e Norwich City (C).

Na primeira das últimas quatro rodadas, o United perdeu em casa para o Notthingham Forest e o Leeds empatou fora com o Liverpool. O pontinho conquistado em Anfield diminuiu a distância para 2 pontos. Na rodada seguinte, o Manchester United perdeu fora de casa para o West Ham, enquanto o Leeds bateu o Coventry City e assumiu a ponta. Faltando duas rodadas, a diferença era de 1 ponto. Na penúltima rodada, o Manchester foi a Liverpool e perdeu por 2×0 para o time da casa. No mesmo horário, o Leeds batia o Sheffield United num jogo duríssimo. Após sair atrás no marcador, a equipe de Wilkinson virou o jogo e colocou uma das mãos na taça. O Sheffield buscou o empate, mas um gol contra bizarro deu a vitória e o título inglês ao Leeds United.

Foi a última temporada de futebol na Inglaterra organizado pela Federação. Na temporada seguinte, os clubes fundaram a Premier League, assumiram o controle e o Leeds nunca mais conseguiu repetir a campanha do título. A equipe ainda faria grandes campanhas no fim dos anos 90 e começo dos anos 2000, chegando inclusive à semifinal da Champions na temporada 2000/01, muito por causa da política implantada por Wilkinson, de valorização das categorias de base através da Leeds Academy.

Mas isso é assunto para outro post. Até semana que vem!

Comentários

33 anos, morador do Rio de Janeiro. Rubro Negro de coração, apaixonado pelo Maracanã, tem no Barcelona o exemplo de clube para o que entende como futebol perfeito, dentro e fora do campo. Estudioso da memória do futebol, tem nessa sua área de maior atuação no site, para preservar a memória do esporte. Dedica especial atenção aos times mais alternativos, equipes que tiveram grandes feitos, mas que não são tão lembradas quanto as maiores do mundo. Curte também futebol do centro e do leste da Europa, com uma coluna semanal dedicada ao assunto. Um Doente muito antes de fazer parte desse manicômio, sua primeira memória acadêmica é uma redação sobre o Zico, na qual tirou 10 e a mesma foi para o mural da escola. Nunca trabalhou com futebol dessa forma, mas adora o que faz junto com o restante do pessoal e se pergunta o porquê de não ter começado com isso antes. Espera recuperar o ''tempo perdido''. Acha Lionel Messi o melhor que viu jogar e tem em Zico, Petkovic e Ronaldo Angelim como heróis.