O Palmeiras Campeão Brasileiro de 1972

  • por Igor Leal da Fonseca
  • 8 Anos atrás

Panorama geral do Brasileirão

Após o sucesso da edição anterior do Brasileirão, a CBD resolveu aumentar mais uma vez o número de clubes na disputa do torneio. O campeonato passou a ter 26 clubes e um regulamento dos mais bizarros de todos os tempos.

Na primeira fase, as equipes foram divididas em quatro grupos, sendo dois grupos com seis times e outros dois com sete equipes.

Grupo A: Internacional, São Paulo, Vasco, América/RJ, Bahia e Sergipe;
Grupo B: Palmeiras, Coritiba, Cruzeiro, Flamengo, Remo, Náutico e ABC;
Grupo C: Corinthians, Atlético/MG, Botafogo, Santa Cruz, Nacional e Portuguesa;
Grupo D: Santos, Grêmio, Ceará, Fluminense, Vitória, América/MG e CRB;

Após as 25 rodadas, as quatro equipes que mais tivessem pontuado dentro dos seus grupos, avançavam para a fase seguinte: uma nova fase de grupos, com quatro equipes em cada grupo, jogos em turno único. Esses foram os grupos, os resultados e a classificação:

Grupo 1:

Vasco 1×1 Flamengo – Dé x Caio
Internacional 3×2 Cruzeiro – Claudiomiro, Escurinho, Valdomiro x Dirceu Lopes (2)
Flamengo 1×3 Internacional – Arílson x Valdomiro, Tovar, Volmir
Vasco 3×1 Cruzeiro – Silva, Gilson Nunes, Jorginho Carvoeiro x Paulo César (GC)
Internacional 1×1 Vasco – Claudiomiro x Gílson Nunes
Cruzeiro 1×1 Flamengo – Zé Carlos x Caio

1 – Internacional – 5 Pontos
2 – Vasco – 4
3 – Cruzeiro – 2
4 – Flamengo – 1

Grupo 2:

Coritiba 2×1 América – RJ – Zé Roberto (2) x Edu
São Paulo 2×0 Palmeiras – Dias, Terto
São Paulo 2×0 Coritiba – Paulo, Édson
Palmeiras 3×1 América – RJ – Ademir, Ronaldo, Leivinha x Mauro
América – RJ 1×0 São Paulo – Mauro
Palmeiras 3×0 Coritiba – Leivinha (2), Luís Pereira

1 – Palmeiras – 4
2 – São Paulo – 4
3 – Coritiba – 2
4 – América/RJ – 2

Grupo 3:

Fluminense 0x0 Ceará
Atlético/MG 0x0 Corinthians
Fluminense 2×3 Atlético/MG – Lula, Marco Antônio x Bibi, Dario, Guará
Corinthians 1×0 Ceará – Sicupira
Ceará 1×1 Atlético/MG – Jorge Costa x Romeu
Corinthians 0x0 Fluminense

1 – Corinthians – 4 pontos
2 – Atlético/MG – 4
3 – Ceará – 2
4 – Fluminense – 2

Grupo 4
Santos 2×0 Santa Cruz – Jair da Costa, Carlos Roberto
Grêmio 0x0 Botafogo
Botafogo 4×1 Santa Cruz – Jairzinho, Fischer, Nei Conceição, Marinho Chagas x Ramón
Santos 0x1 Grêmio – Oberti
Botafogo 2×1 Santos – Zequinha, Fischer x Nenê
Santa Cruz 2×1 Grêmio – Luciano, Betinho x Oberti

1 – Botafogo – 5 pontos
2 – Grêmio – 3 pontos
3 – Santos – 2 pontos
4 – Santa Cruz – 2 pontos

Pelas semifinais, os confrontos eram em jogo único e ficaram definidos da seguinte forma: Palmeiras x Internacional, no Palestra Itália, e Botafogo x Corinthians, no Maracanã. Por alguma bizarrice regulamentar que se perde no tempo, Palmeiras e Internacional foram os times que mais pontuaram nas fases anteriores e tiveram que se enfrentar. Já o Botafogo, apenas o sétimo time com mais pontos no geral, teve a prerrogativa de jogar a semifinal em casa, mesmo com o Corinthians tendo melhor campanha (36 pontos do Corinthians contra 30 do Botafogo até a disputa da partida). E o Palmeiras ainda tinha a vantagem de empatar contra o Inter.

Aproveitando-se das vantagens conferidas, o Palmeiras recebeu o Internacional em casa e saiu perdendo, gol do meia Tovar para o Internacional. Mas no segundo tempo o Verdão chegou ao empate através de Nei e ficou com a vaga.

No outro confronto, o Corinthians abriu o placar já no segundo tempo, mas o Botafogo virou com Jairzinho e Nei Conceição, chegando assim à decisão.

A final

Desde o começo da competição, o Botafogo era considerado um dos principais favoritos ao título, senão o principal. A equipe tinha jogadores como Brito (titular da Seleção em 70), Marinho Chagas e Jairzinho, além de ser um dos principais times no quesito revelação de jogadores. Já o Palmeiras, chegou ao Brasileiro credenciado pelo título paulista invicto, com 15 vitórias e 7 empates em 22 jogos.

60 mil pessoas foram ao Morumbi para ver o jogo final do Campeonato Brasileiro de 1972 naquela noite de sábado. A título de curiosidade, no mesmo dia foram resgatados os 16 sobreviventes do famoso acidente aéreo nos Andes, retratado no filme ‘’Alive’’. No acidente, um avião que transportava 45 pessoas caiu na Cordilheira dos Andes, matando mais de um quarto dos passageiros já na queda. Avalanche, frio e ferimentos resultantes da queda mataram mais, deixando apenas 16 vivos. Os sobreviventes foram resgatados mais de dois meses após a queda (o avião caiu em 13 de Outubro) e para sobreviverem tiveram que comer a carne dos mortos.

Mas voltando à decisão, esperava-se um grande jogo de futebol, pois o Palmeiras tinha jogadores como Ademir da Guia, Leivinha, Dudu, Luís Pereira, entre outros, enquanto o Botafogo tinha um dos melhores times do país e vinha embalado pelo crescimento na reta final da competição. Mas com o regulamento debaixo do braço, o Palmeiras não deu muitas chances ao time carioca e conquistou o título do Campeonato Brasileiro de 1972.

O Palmeiras Campeão Brasileiro de 1972.

A Academia

No fim dos anos 60/começo dos anos 70, o Palmeiras tinha um dos melhores times do país. Jogadores como Leão, Luís Pereira e Ademir da Guia já tinham carreira consolidada na equipe. Em Dezembro de 71, o Palmeiras contratou Leivinha, que era jogador da Portuguesa. Também chegou ao clube o zagueiro Alfredo, que formaria histórica dupla com Luís Pereira.

Luís Pereira, Leivinha, Ademir da Guia e Leão

 

Dudu e Ademir da Guia comandavam o meio campo do Palmeiras.

No meio campo, a classe de Dudu na volância completava o talento de Ademir da Guia na armação. No ataque, César ‘’Maluco’’ – segundo maior artilheiro da história do Palmeiras – e Leivinha eram uma dupla praticamente imparável.

No primeiro semestre, a equipe ganhou o Campeonato Paulista invicto, ainda que de forma sofrida. Com 15 vitórias e 7 empates em 22 jogos, o time bateu o São Paulo por apenas 1 ponto ao fim das 22 rodadas. A equipe do São Paulo chegou à última rodada também sem derrotas, com 14 vitórias e 7 empates em 21 jogos. Mas um empate em 0x0 deu ao Palmeiras o título paulista. O São Paulo terminou com o vice, também invicto.

 

Ficha técnica:

PALMEIRAS 0 x 0 SÃO PAULO 
Local: Estádio “Paulo Machado de Carvalho”, no Pacaembu, São Paulo.

Palmeiras: Leão; Eurico, Luis Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu (Madurga) e Ademir da Guia; Edu (Fedato), Leivinha, César e Nei. Técnico: Osvaldo Brandão

São Paulo: Sérgio; Pablo Forlán, Samuel, Arlindo e Gilberto; Edson e Pedro Rocha; Paulo, Terto, Toninho (Zé Carlos) e Paraná (Wilson). Técnico: Alfredo Ramos.

Árbitro: Oscar Scalfaro.

Renda: Cr$ 352.838,00
Público: 41.812

 

Para o Campeonato Brasileiro, a base palmeirense foi mantida e o time era considerado um dos favoritos ao título, o time tropeçou contra o Coritiba na estreia. Venceu o Vitória na rodada seguinte, mas empatou com o fraco Sergipe na sequência. Na quarta rodada, o time recebeu o Botafogo e perdia até os 39 minutos do segundo tempo, quando chegou ao empate através de Leivinha.

A equipe só voltou a perder na décima quarta rodada, clássico contra o Santos. O jogo terminou 1×0 para a equipe santista, gol de Pelé.

A equipe voltaria a perder um clássico apenas duas rodadas depois – derrota para o Corinthians por 1×0 – mas a partir daí o esquadrão alviverde emendaria mais nove jogos de invencibilidade.

Na segunda fase, o Palmeiras começou perdendo para o São Paulo e viu sua situação complicada no grupo, pois não havia returno. O time bateu o América/RJ, mas viu o São Paulo bater o Coritiba. Na última rodada, o São Paulo só precisava do empate contra o lanterna América/RJ, mas perdeu por 1×0 e viu o Palmeiras bater o Coritiba por 3×0 e avançar à semifinal.

Na semi, o time saiu perdendo para o Internacional, mas chegou ao empate e, com o regulamento debaixo do braço, conquistou a vaga para a decisão contra o Botafogo. Contra o time carioca, mais uma vez o regulamento foi bem utilizado pelos comandados de Oswaldo Brandão e o Palmeiras garantiu o título após empatar em 0x0.

O Palmeiras terminava o ano de 1972 com apenas quatro derrotas em 52 jogos oficiais, dois títulos conquistados e consolidado como o melhor time do país no fim dos anos 60 e começo dos anos 70.

Ficha técnica:

Palmeiras 0x0 Botafogo

Estádio: Morumbi (São Paulo)

Renda: Cr$ 649.445,00
Público: 58.287

Árbitro: Agomar Martins (RS)

Palmeiras: Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu (Zé Carlos) e Ademir da Guia; Edu (Ronaldo), Leivinha, Madurga e Nei.

Técnico: Oswaldo Brandão

Botafogo: Cao, Waltencir, Brito, Osmar e Marinho Chagas; Carlos Roberto e Nei Conceição; Zequinha, Jairzinho, Fischer e Ademir Vicente (Ferretti).

Técnico: Sebastião Leônidas

A equipe alviverde repetiria a dose de títulos no ano seguinte, mas isso é assunto para outro post.

Até mais!

 

 

Comentários

33 anos, morador do Rio de Janeiro. Rubro Negro de coração, apaixonado pelo Maracanã, tem no Barcelona o exemplo de clube para o que entende como futebol perfeito, dentro e fora do campo. Estudioso da memória do futebol, tem nessa sua área de maior atuação no site, para preservar a memória do esporte. Dedica especial atenção aos times mais alternativos, equipes que tiveram grandes feitos, mas que não são tão lembradas quanto as maiores do mundo. Curte também futebol do centro e do leste da Europa, com uma coluna semanal dedicada ao assunto. Um Doente muito antes de fazer parte desse manicômio, sua primeira memória acadêmica é uma redação sobre o Zico, na qual tirou 10 e a mesma foi para o mural da escola. Nunca trabalhou com futebol dessa forma, mas adora o que faz junto com o restante do pessoal e se pergunta o porquê de não ter começado com isso antes. Espera recuperar o ''tempo perdido''. Acha Lionel Messi o melhor que viu jogar e tem em Zico, Petkovic e Ronaldo Angelim como heróis.