Buffon Eterno

  • por Victor Gandra Quintas
  • 8 Anos atrás

Quatorze anos de Juventus. Este será o tempo em que Gianluigi Buffon permanecerá no clube de Turim ao final de seu contrato.

Nascido em uma família repleta de atletas, antes de sair de casa para conquistar o mundo do Futebol, Gianluigi viu sua mãe Maria Stella e seu pai Adriano fazerem carreira no atletismo, mais especificamente no arremesso de disco e no levantamento de peso. Além do mais, tem dois irmãos que jogaram vôlei, inclusive na seleção italiana. Carrara, município da belíssima Toscana, local de nascimento e onde cresceu o jogador, pode se orgulhar da família Buffon, que trouxe tantas conquistas esportivas para a cidade.

COmpletados 39 anos no em 28 de janeiro, Gigi, como e chamado pela apaixonada torcida bianconera, tornou-se um dos ícones do esporte. Mas o considerado por muitos o melhor goleiro de todos os tempos nem sempre defendeu a camisa da Vecchia Signora.

Buffon iniciou profissionalmente no Parma, em 1995, jogando por seis temporadas e estando presente em 168 partidas. Estreou na Seria A com apenas 17 anos, em um jogo contra o Milan, em novembro de 1995, garantindo um 0 a 0 para seu time. Foi se firmando aos poucos e antes mesmo de completar 20 anos já era dono da camisa 1.

https://www.youtube.com/watch?v=1ZLVphAIFNQ

E foi quatro anos depois de sua estreia, já em 1999, que viveria a maior glória até então, conquistando a Copa da Uefa (atual Liga Europa). Após uma campanha sem sustos, o Parma chegava à final contra o tradicional Marselha, da França. No entanto, a equipe italiana pouco se importou com o adversário, vencendo por 3 a 0. Um elenco forte, repleto de grandes jogadores, alguns que começavam a se destacar mundialmente e outros que já tinham seus nomes conhecidos, ajudando o Parma a conquistar seu bicampeonato na competição. Lilian Thuram e Fábio Cannavaro, que viriam a serem seus companheiros na Juventus, faziam parte do grupo campeão.

Dois anos depois, em 2001, chegava à Juventus para assumir o lugar do Holandês Edwin Van Der Sar, que não conseguiu conquistar o carinho da torcida. O goleiro italiano assumiria então a camisa titular para permanecer dono dela até os dias de hoje.

Já na temporada de estreia pela Juventus, conquistou a Serie A, feito ocorrido também na temporada seguinte. Em 2003, chegou com a equipe à final a Liga dos Campeões da Europa, perdendo nos pênaltis para o Milan do inspirado Dida. Apesar disso, no mesmo ano, entrou pela primeira vez na Seleção da Uefa, o que também aconteceria em 2004 e 2006.

Aliás, este seria um ano com uma grande alegria e tristeza. Com a Seleção, viveria o auge, conquistando a Copa do Mundo na Alemanha, eleito o melhor goleiro da competição e ficando em segundo lugar do Prêmio Bola de Ouro daquele ano, vencido pelo amigo Cannavaro. A tristeza fica por conta do Calciocaos, escândalo que levou ao rebaixamento da Juventus à Serie B. A direção do clube foi julgada culpada por várias situações de manipulação de resultados.

Por causa do decesso, muitos jogadores preferiram sair do time, mas juntamente com nomes de peso como Pavel Nedved e Alessandro Del Piero, resolveu permanecer e restaurar a glória da Vecchia Signora. Por tal atitude, mesmo em meio a várias especulações não concretizadas, Buffon se tornou ainda mais ídolo da torcida da Juventus, que o tem como exemplo e um dos pilares da equipe. Assim, na temporada seguinte, estava de volta à elite.

Com a seleção principal, esteve ainda nas Copas do Mundo de 1998, 2002, 2010 e 2014 – poderá ser o recordista de dispusta de Copas do Mundo em 2018, com sua sexta competição, e as Eurocopas de 2004, 2008, 2012 e 2016, sendo em 2012 ficou em segundo lugar, perdendo na final para a forte Espanha, atual campeã mundial.

Goleiro seguro, líder nato, é o atual capitão da Juventus, braçadeira herdada após a saída de Alessandro Del Piero. Em 2012, ergueu pela primeira vez um troféu em seu novo posto, a Supercopa da Itália, conquistada contra o Napoli. Foi eleito ainda o ano passado pela IFFHS (Federação Internacional de História e Estatísticas de Futebol) o melhor goleiro do século XXI. Apesar da controvérsia que esta instituição carrega, é inegável que Gigi está entre os melhor da posição.

Buffon sempre será lembrado pelo carisma com a camisa da Itália, da Juventus e até do Parma. Um dos maiores jogadores da história do futebol ainda escreverá mais alguns capítulos. Além das torcidas por onde passou, todo Doente por Futebol nutre um carinho pela sua história e pela grandeza que seu nome carrega.

Ainda busca sua Liga dos campeões, e diz que somente após esta conquista irá parar de jogar futebol. Aos 39 anos Buffon ainda joga em alto nível, e pode ajudar a Juventus a ganhar a orelhuda nesta temporada.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).