O curioso caso de Fernando Torres

  • por Gregor Vasconcelos
  • 7 Anos atrás

Em 2008, com 24 anos de idade, Fernando Torres foi o terceiro colocado na premiação da FIFA para o melhor jogador do mundo. O então atacante do Liverpool vivera um ano fantástico. Sua temporada de estreia na Premier League viu o espanhol se tornar o estrangeiro com mais gols na sua primeira temporada na Inglaterra. Torres foi também indicado aos prêmios de melhor jogador do ano, melhor jovem do ano e terminou em segundo lugar no prêmio dos jornalistas, perdendo apenas para Cristiano Ronaldo.

Photo: PA – Torres virou idolo após atuações impecáveis, como na vitória por 4-1 contra o Manchester United em pelo Old Trafford

Apesar de não ter mostrado na Euro o futebol que encantou Merseyside, Torres ainda foi decisivo marcando o gol da vitória da Espanha na final contra a Alemanha. Na temporada seguinte, seu futebol continuou no mais alto nível. Ele chegou ao seu 50º gol pelo Liverpool em apenas 84 jogos e foi um dos principais nomes na frustrante campanha, que viu o título escapar mesmo tendo feito a dobradinha sobre o Manchester United, mas as lesões começaram a atrapalhar. Torres terminou 08-09 com apenas 14 gols na Premier League, porque ele apenas foi titular em 20 partidas. Na temporada seguinte, marcou 18 vezes na Premier League, um número impressionante, já que foi titular em apenas 20 jogos. Mesmo em sua última meia temporada pelo Liverpool, ainda fazia seus gols com certa frequência; foram 9 em 22 jogos, longe do Torres de outrora, mas mais longe ainda do atual.

Como o Liverpool vivia fase terrível como um clube, a desculpa oficial dos defensores de Torres era que o time não ajudava, o que até era verdade, mas a transferência para o Chelsea em Janeiro de 2011 mostrou que o problema era muito mais sério que isso. Torres demorou 14 partidas para marcar seu primeiro gol pelos Blues (Demba Ba, contratado pelo Chelsea para substituí-lo, demorou apenas 35 minutos). Na sua primeira meia temporada em Londres, Torres anotou apenas uma vez nas 14 partidas que disputou. No ano seguinte, em 42 jogos, foram apenas 9 gols marcados. Na atual temporada, ele fez até agora um número respeitável de gols, 13 em 30 jogos, mas ver o Torres atual jogar traz uma profunda tristeza para os antigos fãs de El Niño.

O espanhol era conhecido por ter um arranque espetacular e uma técnica muito acima da média. Eram gols de cabeça, de chutaços de fora da área, de arrancadas, nas quais ele passava por seus marcadores como se não houvesse ninguém no caminho. Enfim, Torres era perigoso em qualquer parte do campo. Não é à toa que Nemanja Vidic, um dos melhores zagueiros do mundo, sempre tinha pesadelos quando os dois se enfrentavam. Já hoje, Torres é facilmente anulado por jogadores como Onuoha e Nelsen. Seu arranque não existe mais, a dificuldade para dominar uma bola é inacreditável e cada gol é um parto. O uma vez letal Torres proporciona com certa frequência alguns dos lances mais bizarros do futebol mundial. O gol perdido contra o Manchester United, depois de driblar o goleiro, e o contra o Corinthians no Mundial são o que definem o atual Fernando Torres. Um centro-avante que custou 50 milhões de Libras, mas marcou apenas 23 gols em 3 temporadas e 75 jogos pelo Chelsea.

Foto:PA – Torres lamenta mais uma chance perdida

Ainda há quem acredite na recuperação. A cada sequência de gols em jogos seguidos, escutamos seus antigos fãs dizerem que Torres voltou. Mas o fato é que Torres, hoje com 28 anos quando deveria estar vivendo seu auge, está acabado para o futebol. É uma pena, já que o espanhol tinha tudo para se tornar um dos grandes atacantes de sua geração e se manter entre os melhores do mundo por muitos anos. É um caso curioso, que nos leva a pensar: afinal, o que aconteceu com Fernando Torres?

Comentários

Torcedor fanatico do Arsenal e do Flamengo, Gregor é fã de longa data da Premier League, acompanhando a liga avidamente há 10 temporadas. Formado em linguística inglesa pela universidade King's College em Londres, agora faz mestrado em linguistica e literatura na universidade de Zurich. Colunista da extinta revista "Doentes por Futebol", hoje é o editor de futebol inglês no site.