Santistas campeões da Copa SP e o futuro no profissional

  • por João Rabay
  • 7 Anos atrás

Com a colaboração de Vitor Saad

 

Após uma maratona de oito partidas em 21 dias, o Santos sagrou-se campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior 2013 ao bater o Goiás por 3 x 1 no Pacaembu. A campanha, de 5 vitórias e 3 empates (classificações nos pênaltis nas oitavas e quartas de final), anima o torcedor santista, que tem sempre esperança de ver novos talentos surgindo da base. A Doentes por Futebol apresenta, abaixo, uma análise dos principais atletas santistas que disputaram a Copa São Paulo.

Após o título, Muricy Ramalho confirmou que oito atletas do time campeão vão ser reintegrados ao elenco profissional – todos já treinaram com a equipe de cima no ano passado, alguns tendo, inclusive, participado de poucas partidas. São eles: Gabriel Gasparotto (goleiro), Jubal (zagueiro), Douglas (lateral-direito), Emerson (lateral-esquerdo), Leandrinho e Alison (volantes) e Pedro Castro (meia). O zagueiro Gustavo Henrique já tinha sido convocado para a equipe profissional durante a disputa da Copinha.

Muricy ressaltou que outros atletas podem ser integrados ao elenco principal do Peixe. Como se pode perceber, a maioria dos jogadores promovidos atuam do meio de campo para trás, mas há a expectativa de que jogadores mais ofensivos recebam oportunidades. Fora da Libertadores, é hora de aproveitar o longo e tedioso Campeonato Paulista para acostumar os jovens ao futebol profissional, sem a pressão das maiores competições.

 

Meninos da Vila comemoram o título da Copinha (Foto: site oficial do Santos FC)

Meninos da Vila comemoram o título da Copinha (Foto: site oficial do Santos FC)

 

Confira, nome a nome, as análises dos principais jogadores campeões da Copa São Paulo 2013.

 

Gabriel Gasparotto: Se o goleiro tivesse sido escolhido o melhor jogador da competição, não haveria injustiça alguma. Salvou o Santos em duas oportunidades, mostrando ser um excelente pegador de pênaltis. Junto com Paulo Henrique, do Goiás, foi o melhor goleiro dessa edição da Copa São Paulo. Com 1,96m de altura, é muito seguro também pelo alto.
Mostrou ter um futuro promissor, mas não deve ter chances no momento. O Santos conta com três bons goleiros no profissional: Rafael, Aranha e Vladimir.

Alison: Depois de sofrer uma lesão grave em 2011, o volante só retornou aos gramados na Copa São Paulo, e, sendo assim, começou a competição no banco. Com a lesão de Leandrinho na terceira partida, ganhou a vaga de titular e não largou mais.

Jogador de muita pegada, tem boa saída de bola, mas se destaca mesmo na marcação. Com as boas atuações, nem mesmo a volta de Leandrinho o fez sair do time titular, e o técnico Claudinei optou por improvisá-lo na lateral, onde se mostrou bastante seguro.
É um jogador em quem Muricy pode apostar, pois já deu oportunidades ao garoto. Não deixa nada a desejar em relação a Adriano, que tem situação contratual indefinida.

Wallace: Zagueiro alto, tem bom porte físico, mas não demonstrou grande futebol na Copinha. Muito inseguro, falhou na semifinal contra o Palmeiras e cometeu pênalti estúpido na final. Já teve chance no profissional em 2011, mas não empolgou.
Iniciou a competição na reserva e só virou titular porque Muricy Ramalho chamou Gustavo Henrique, titular até então, com urgência para os profissionais.

Gustavo Henrique: Do alto de seu 1,93m, e com apenas 19 anos, Gustavo mostra segurança fora do comum para um zagueiro da sua idade. Forte pelo alto e no mano a mano e inteligente no posicionamento em campo, deve ser aproveitado por Muricy em breve, principalmente enquanto Edu Dracena continuar afastado por lesão. Tem potencial para ser titular em breve.

Jubal: Junto com Gustavo Henrique, formou uma das melhores e mais seguras zagas das categorias de base do Brasil.. Atua como zagueiro central, porém, com a saída de Gustavo Henrique , passou a jogar na quarta zaga. Começou um pouco perdido, mas mostrou adaptação rápida. Está atrás de Gustavo na fila por uma vaga no profissional, mas merece ser testado.

Emerson: Lateral de futebol interessante, que vem demonstrando evolução rápida e boa. Jogou apenas duas partidas na Copa São Paulo, nas quais mostrou futebol de primeira qualidade. Se destacou na final, fazendo bela jogada que resultou no pênalti que abriria o placar. Emerson tem convocações pelas seleções de base e já vinha treinando com o elenco profissional ano passado. Com a indefinição na lateral-esquerda, pode receber oportunidades.

Lucas Otávio: O volante é um dos motores do time sub-20. Seu futebol vem chamando atenção desde o ano passado. Não fez uma grande Copa São Paulo, mas sua importância na ligação entre defesa e ataque foi notada. Uma das grandes apostas do Peixe para o futuro, tem multa fixada em 20 milhões de euros.
Com apenas 18 anos, ainda está um pouco verde para ser aproveitado entre os profissionais, mas é um bom nome para o futuro.

Leandrinho: Não foi eleito o melhor jogador da competição à toa. Suas características se assemelham com as de Wesley, hoje no Palmeiras, outro jogador que veio da base santista. Assim como ele, jogava de meia e foi recuado para jogar como segundo volante, dando dinamismo para o meio de campo.
Ajuda muito na marcação e tem excelente chegada ao ataque. Incansável, não descansa um minuto sequer. Na temporada passada teve algumas oportunidades no time de cima e foi muito elogiado por Muricy Ramalho. Enfrenta a concorrência forte de Arouca, mas tem tudo para entrar com qualidade e se firmar como peça importante do elenco.

Pedro Castro: Um dos mais experientes da equipe, o meia dividiu com Alison a faixa de capitão. Não mostra qualidades técnicas fora de série, mas tem consciência do jogo coletivo. Ao lado de um armador mais técnico, pode exercer bom papel de coadjuvante.

Léo Cittadini: Meia clássico, legítimo “10”. Possui muita qualidade no pé esquerdo, lembrado Paulo Henrique Ganso. Tem excelente visão de jogo e muita qualidade no passe. Foi um dos artilheiros do peixe na competição com três gols. Seu grande problema é o porte físico. Muito magro, pode ter dificuldades para encarar os contatos do futebol profissional. Completa 19 anos em fevereiro, e deve passar mais uma temporada jogando pela base.

Giva: Não satisfeito com o gol que deu o título paulista sub-20 ao time, foi o artilheiro santista na Copa São Paulo e um dos destaques do campeonato. Gosta de atuar pelos lados do campo e tem como uma das principais características a explosão. É muito veloz e habilidoso, mas também sabe concluir a gol. Pode ganhar oportunidades de Muricy.

Neílton: Titular da Copa São Paulo2012, Neílton foi perdendo espaço na equipe titular com a chegada de Giva. Sempre mostrou possuir habilidade e vontade de ir pra cima dos marcadores, mas chamava mais atenção por ser parecido com Neymar.
Apesar de ter entrado bem nas partidas, só foi ter sua oportunidade como titular na semifinal, devido à suspensão de Giva, e na final, dessa vez atuando ao lado do companheiro. Marcou três gols na semifinal contra o Palmeiras e mais um na decisão. Tem grande concorrência na equipe profissional, portanto deve continuar no time júnior por enquanto.

 

É importante lembrar que o futebol profissional é praticamente um outro esporte se comparado ao das categorias de base, e que diversos fatores além da qualidade técnica influem no sucesso ou fracasso dos jogadores. Mas, se o Santos mostra alguma coisa sobre o futebol, é que apostar nos garotos dá resultado. Basta ter paciência e responsabilidade para fazer a transição entre os dois mundos.

Comentários

Jornalista. Doente por futebol bem jogado e inimigo de jogadores que desistem da bola para cavar falta e de atacantes "úteis porque marcam os laterais".