Brasil nos 4 cantos: Juninho

  • por Paulo Santana Neto
  • 8 Anos atrás
Foto: Reprodução - Juninho no LA Galaxy

Foto: Reprodução – Juninho no LA Galaxy

Depois da coluna “Brasil nos 4 cantos” rodar por diversos países do globo, sejam eles com tradição no futebol, como Portugal e Espanha, sejam nações pouco significativas no planeta bola, tal qual Austrália e Malta, chegou a hora de desembarcarmos em solo americano.

É nos Estados Unidos da América, país da oportunidade, que atua o nosso personagem da vez. E ele não é só mais um dos milhares de anônimos brasileiros que se aventuram por todo o mundo, em busca de conquistar o seu espaço dentro do futebol, mesmo que seja em terras desconhecidas. O jogador de hoje é peça importante do atual campeão da Major League Soccer, a MLS, campeonato nacional de soccer dos EUA.

Vítor Gomes Pereira Júnior, normalmente chamado de Juninho, ou até mesmo Vitor Júnior, é brasileiro e meio-campista do Los Angeles Galaxy, clube de futebol fundado em 1995, que já venceu a liga americana em quatro oportunidades (2002, 2005, 2011 e 2012).

Nascido em São José dos Campos/SP, Juninho atuava nas categorias de base do São Paulo Futebol Clube, time por qual jogou somente duas partidas como profissional, isso em 2007. Depois de um empréstimo para o Toledo do Paraná em 2009 para a disputa do Campeonato Paranaense, Juninho rumou em 2010 para o país onde seu futebol começaria a ter mais destaque.

Inicialmente o jogador foi cedido ao LA Galaxy por empréstimo, junto com outros dois colegas de clube, o lateral Alex Cazumba e o zagueiro Leonardo. O defensor continua sendo seu parceiro no time americano, enquanto que Alex já retornou ao Brasil e rodou por diversos clubes desde então.

Juninho, já no seu primeiro ano nos Estados Unidos, atuou muito bem. O brasileiro se estabeleceu como um dos principais jogadores de meio-campo na MLS, contribuindo de maneira significativa para a boa temporada da equipe de Los Angeles, que terminou na segunda colocação dentro do certame, perdendo a final para o FC Dallas.

No ano seguinte, as coisas melhoraram ainda mais para o brasileiro. Jogando ao lado do badalado craque mundial David Beckham, Juninho formou com o inglês um dos melhores meio de campo da Major Soccer League naquele ano.

Foto: Reprodução - Juninho, Beckham e seus companheiros de clube

Foto: Reprodução – Juninho, Beckham e seus companheiros de clube


Com essa dupla municiando atacantes de renome, como o americano Landon Donovan e o irlandês Robbie Keane, não poderia acontecer coisa diferente a não ser o título da MLS para o LA Galaxy. A conquista veio na final contra o Houston Dynamo, pelo placar mínimo.

Porém, o empréstimo do jogador acabara ao fim daquela temporada, devendo o mesmo então retornar ao São Paulo. Porém, no clube paulista, o então técnico Emérson Leão resolveu não contar com o meio-campista, assim seu empréstimo para a equipe americana foi prorrogado.

E o ano de 2012 foi mais do mesmo para o brasileiro. Juninho continuou sendo destaque no campeonato americano de futebol, junto com seus colegas de clube mais conhecidos internacionalmente citados acima. E o título da MLS acabou mais uma vez parando em Los Angeles, novamente com uma vitória em cima do Houston Dynamo, agora com o placar de 3 a 1.

Em solo americano, o futebol de Juninho evoluiu de maneira exponencial ano após ano, tanto que seus números de assitências e gols aumentaram nitidamente. Com isso, o meio-campista consolidou o seu lugar de destaque no emergente campeonato de futebol dos Estados Unidos.

Visto o sucesso de Juninho na América do Norte, o São Paulo percebeu a chance de lucrar com o jogador. Portanto, com o fim do empréstimo para o time americano, o clube paulista vendeu Juninho ao LA Galaxy por cerca de R$ 4,1 milhões, ficando então o volante jogando em definitivo no atual time campeão da MLS a partir de 2013.

 

Foto: Reprodução - Juninho vem sendo um dos melhores jogadores da MLS nos últimos anos.

Foto: Reprodução – Juninho vem sendo um dos melhores jogadores da MLS nos últimos anos.

Quanto a MLS, é notório que a mesma ainda engatinha comparada com os grandes centros da Europa. Mas também se pode constatar que cada vez mais a competição vem atraindo grandes craques, mesmo que em fim de carreira. Tudo isto a fim de impulsionar o esporte num país ainda muito voltado ao basquete, futebol americano, hóquei, basebol etc.

E quem sabe com a evolução, tanto técnica como também de reconhecimento, da MLS, não hajam novos Juninhos jogando nos Estados Unidos e vivendo o “sonho americano”, ou seja se destacando e levando o nome do Brasil para aqueles lados. Afinal, onde quer que haja futebol, haverá um brasileiro jogando.

Comentários

Gaúcho de nascimento, catarinense de criação. Um viciado em rock, séries e, obviamente, futebol. Fã desde o atacante caneludo fazedor de gols ao habilidoso irreverente e imprevisível. Curte os detalhes e estatísticas que cercam o melhor esporte do mundo.