Copa do Nordeste: no Grupo C, América-RN se complica e Vitória assegura sua vaga

POR RANIERY MEDEIROS

Após um bom começo na competição, a equipe alvirrubra começa a dar sinais de fraqueza. A classificação que até duas rodadas atrás parecia garantida hoje já não mais toma conta do imaginário dos torcedores.

O Dragão de Natal não conta com um elenco reconhecido no âmbito nacional, mas manteve a base campeã estadual de 2012 e a diretoria conseguiu segurar e renovar o contrato com o técnico Roberto Fernandes.

Roberto Fernandes sofre grande cobrança para classificar o América.


A boa campanha no Campeonato Brasileiro da Série B em 2012 credenciou o América a uma das duas vagas para próxima fase. Com duas vitórias nas três primeiras rodadas o tom era de cautela. No entanto, a euforia já tomava conta de cada torcedor. O returno começou com derrota para o Salgueiro. A classificação poderia ser encaminhada no jogo em casa diante do ASA-AL, no último sábado. A equipe alagoana jamais havia vencido um jogo diante do time potiguar. Mais um motivo para corroborar a exacerbada confiança na vitória. Sem contar na situação antagônica vivida pelas duas equipes na tabela de pontuação. O América com seis pontos e a segunda colocação. O Asa segurava a lanterna com seus três pontos e via cada vez mais o seu barco naufragando.

Pelo lado do Asa havia velhos conhecidos do torcedor potiguar. Alguns atletas tiveram passagem pelo ABC, grande rival do alvirrubro. Outro ingrediente a mais foi o técnico Leandro Campos. O treinador já dirigiu o ABC em três oportunidades e levou o time ao título brasileiro da série C em 2010. Rivalidade ainda mais acirrada. Situação bastante hermética para o Mecão.

O JOGO:

Desde o início do cotejo foi o Asa quem assumiu o controle e as ações da partida ao utilizar seu lado direito para minar os avanços de Fernandes, lateral-esquerdo americano. Foi por lá que Léo Gamalho e Osmar fizeram um crivo na defesa americana. Fernandes não estava suportando a pressão e sucumbiu por três ou quatro vezes e fez do seu ‘território’ uma avenida para o adversário.

Pelos lados da equipe potiguar não existiu criatividade alguma no 4-2-2-2 com os meias Netinho e Cascata em noite estática. (Foto 1 – Cascata tenta, mas não soube sair da marcação) Mesmo com a estreia do atacante Renan Marques, a equipe não fez a bola chegar até o seu finalizador. As principais jogadas foram feitas pelo centro, mas sem organização e excessivos erros de passe. O lateral Norberto se apresentou para o jogo, mas foi fortemente marcado pela defesa blindada do Asa.

Dragão tentou atacar, mas foi parado pela solidez defensiva do ASA.

O time das Alagoas soube tirar proveito das boas jogadas pelos flancos e começou a tramar boas alternativas por lá. Sem qualquer anseio das outras partidas, a equipe chegou ao gol em uma boa inversão de bola que encontrou Osmar pela direita. O lateral dominou e chutou cruzado para fazer 1×0. O lado esquerdo da defesa americana batia cabeça e deu regalias para que o time de Leandro Campos adentrasse a sua área.

Entre uma jogada esporádica e outra, o América deu sustos apenas em bolas paradas. Quem mais tentou fazer algo diferente, atuando pelos lados e arriscando alguns dribles para quebrar a marcação, foi o atacante Rico. Sim! Ele mesmo. O mesmo Rico que ganhou visibilidade no futebol atuando por Portuguesa Santista, São Paulo e Grêmio. Fim do primeiro tempo.

Atacante Rico vem fazendo bom Nordestão, mas não conseguiu furar a defesa do ASA. | Reprodução Internet.


Para os que já conhecem o trabalho de Leandro Campos não restavam dúvidas de que ele jogaria ainda mais fechadinho e esperaria os contra-ataques de forma meticulosa. Não dá ponto sem nó e gosta que as suas equipes cadenciem o jogo no momento de desespero do adversário.

O segundo tempo começou e as coisas não mudaram. Ainda sob efeito da boa marcação do adversário, os laterais americanos ficaram completamente engessados e não contribuíram de forma efetiva. Fabinho, volante que sai mais para o jogo, não conseguiu exercer esta função mediante o envolvente toque de bola dos alagoanos e o domínio na ‘meiuca’.

Técnico Leandro Campos, do ASA, sabe fechar espaços e apostar no contra-ataque. | Foto: Tiago Menezes.

A equipe potiguar chegava sem dar sustos e o desespero começou a ser a tônica do segundo tempo. Em noite totalmente degradante, Netinho foi substituído por Ewerton. Dar maior velocidade? Talvez! Mas não adianta correr com a bola e esquecer o que fazer com ela. Isso em nada desmerece a boa partida realizada por Cal, volante do Asa.

Não seria nada tórrido dizer que o América de sábado foi totalmente inverossímil em relação as outras rodadas e o Asa exerceu o ato contrário. Apenas no fim de jogo o time de Roberto Fernandes foi “ousado” e arriscou alguns chutes que não levou perigo algum ao goleiro Gilson. Um báratro de deficiência e desorganização tática comprovou a queda de rendimento do dragão alvirrubro.

Por outro lado, o Fantasma (mascote do clube) cadenciava a partida ao seu ritmo e deixou o seu adversário totalmente exasperante. Fato esse que fez com que o América não mais produzisse e tocasse a bola na base do salve-se quem puder. O clube preto e branco das alagoas soube explorar as jogadas pela linha de fundo. Fim de jogo!

O dragão potiguar se complicou de vez na competição. Se realmente almeja a classificação, terá de lutar e melhorar no aspecto tático e na vontade de permanecer no torneio. O próximo adversário será o Vitória, no Barradão. A equipe Baiana já garantiu o 1º lugar do Grupo C e provavelmente preservará alguns atletas para a última rodada. O torcedor americano ainda sonha que o time repita o feito de 1998, quando foi campeão do torneio ao bater o Vitória-BA na final. Já o Asa ganhou sobrevida na competição. A equipe tem a mesma pontuação de América e Salgueiro. Porém, decide a vaga em casa e as chances, antes remotas, tornaram-se reais.

Vitória vence, garante a classificação e o 1º lugar do grupo

Marcelo Nicácio vem decidindo para o Vitória e é o artilheiro da Copa do Nordeste. | Foto: Reprodução/Erik Salles – Agência Estado.

Na outra partida do grupo o Vitória foi até o interior de Pernambuco e venceu o Salgueiro por 1×0. Com o resultado obtido no domingo, a equipe Baiana chegou aos 12 pontos e não pode mais ser alcançado por América-RN, Asa-AL e pelo próprio Salgueiro-PE. Ambos com 6 pontos.

A tônica da peleja foi jogo lá e jogo cá. Mesmo sob sol forte as equipes lançaram-se ao ataque com a necessidade da vitória. Mas foi o Leão quem dominou boa parte da partida com seu 4-3-1-2, dando segurança ao sistema defensivo e deixando Renato Cajá com liberdade para criar as jogadas da equipe.

O artilheiro Marcelo Nicácio foi o autor do único gol da partida. Foi o seu quarto gol no torneio e as credenciais de matador já foram dadas. Jogador oportunista e letal, Nicácio já havia feito sucesso no América-RN e no Ceará.

O Leão tem a melhor campanha do torneio e deve preservar alguns jogadores para a partida diante do América-RN, no Barradão. Já o Salgueiro terá de medir forças com o Asa, em Arapiraca. As partidas estão marcadas para amanhã (quarta-feira) às 20h15, horário local.

Ficha da partida

Salgueiro-PE:
Luciano; Tamandaré, Rodrigo de Lazzari, Cléber Carioca e Peri; Pio (Junior Ferrin), Moreilândia (Vitor Caicó), Helder e Clebson; Fabrício Ceará e Élvis (Sidny). Técnico: Marcelo Chamusca.

Vitória:
Deola; Nino, Gabriel Paulista, David Braz e Mansur; Rodrigo Mancha, Michel, Renato Cajá e Mineiro (Marcos); Marquinhos (Alan Pinheiro) e Marcelo Nicácio (Lúcio Maranhão). Técnico: Caio Júnior.

Gols: Marcelo Nicácio (Vitória) – 16’ do 1T
Local: Estádio Cornélio de Barros

_____

A última rodada do grupo ocorrerá hoje, às 21:15h, e terá as seguintes partidas:

Vitória x América, no Barradão;

ASA x Salgueiro, no Municipal Arapiraca.

Melhores momentos de Salgueiro 0x1 Vitória

O gol de América 0x1 ASA

Comentários

Jornalista recifense, sócio-diretor do Doentes por Futebol, editor da Revista Febre. Curioso observador de tudo o que cerca o futebol brasileiro e internacional.