Gareth Bale: o exército de um homem só

  • por João Rabay
  • 8 Anos atrás
Foto: reuters

Foto: Reuters

Ele fez seis dos últimos sete gols do seu clube, tendo marcado onze vezes nos doze últimos jogos. Não, não estamos falando de Messi ou Cristiano Ronaldo. O dono dessas estatísticas impressionantes é Gareth Bale, do Tottenham Hotspur.

Apontado, desde que surgiu, como provável substituto de Ryan Giggs no papel de grande destaque de País de Gales, Bale, hoje com 23 anos, começou a chamar atenção graças às cobranças de falta precisas com o pé canhoto. Nessa época, o jogador ainda atuava como lateral.

Apesar de mostrar qualidade no apoio ao ataque, Bale foi, aos poucos, sendo preterido por se mostrar fraco defensivamente. Quando muitos já o apontavam como flop e o galês se preparava para deixar os Spurs, Harry Redknapp resolveu experimentar o jogador na ponta, posição na qual o Tottenham tinha poucas opções.

Hoje, menos de três anos após a mudança, Bale parece estar pronto para voos mais altos. Criticado por sua inconstância, o winger, como dizem os britânicos, está mais maduro e carrega nas costas os Spurs, que vêm fortes na briga por vaga na Champions League e pelo título da Liga Europa. Bale, aliás, marcou os dois gols de falta que garantiram a vitória por 2×1 sobre o Lyon na partida de ida pelos 16 avos-de-final. Nas oitavas, o adversário será a Internazionale, que já sofreu nos pés de Bale. Dizem que o lateral Maicon, hoje no Manchester City, vê vultos de uma camisa branca com o número 3 até hoje.

Além da regularidade, outra mudança no futebol de Bale chama atenção. Desde a chegada do técnico português André Villas-Boas ao Tottenham, o galês deixou de se limitar à ponta esquerda e vem atuando em outras partes do campo. Sua velocidade extrema e habilidade impressionante funcionavam muito bem pelo lado do gramado, mas a imprevisibilidade de suas jogadas era prejudicada. Atuando em todo o ataque, Bale se tornou mais letal e eficiente.

Diferentemente de outros wingers de destaque na Premier League, Bale tem na finalização precisa uma de suas maiores qualidades. Chuta forte com as duas pernas, e evolui cada vez mais nos confrontos 1×1 contra o goleiro. Os 13 gols marcados em 22 partidas pela liga inglesa não aconteceram por acaso.

Montagem enumera feitos de Bale e Walcott, grandes destaques da EPL. (Crédito:  indexfootball.com)

Montagem enumera feitos de Bale e Walcott, grandes destaques da EPL. (Crédito: indexfootball.com)

Especulado no Barcelona de Guardiola há algumas temporadas, ainda para atuar na lateral, ele parece ser o principal alvo do mercado de verão. O Barça, agora com Tito Vilanova, continua interessado. O rival, Real Madrid, aparece como concorrente, além do Bayern de Munique, que será comandado por Pep Guardiola em 2013-14. Dentro da Inglaterra, há notícias também sobre o interesse do Manchester United.

Quem quiser tirar Bale de White Heart Lane precisará investir alto. Segundo as especulações, o Tottenham já teria recusado negociar ao receber propostas que giravam em torno de 35 milhões de libras. Vale lembrar que o time do norte de Londres passa longe de precisar de dinheiro, portanto só uma oferta irrecusável convenceria os dirigentes.

Comentários

Jornalista. Doente por futebol bem jogado e inimigo de jogadores que desistem da bola para cavar falta e de atacantes "úteis porque marcam os laterais".