Guia da Libertadores – Grupo 2

  • por Mauricio Fernando
  • 8 Anos atrás
Guinãzu está de volta ao Libertad, uma das forças do grupo. Foto: Zero Hora

Guinãzu está de volta ao Libertad, uma das forças do grupo. Foto: Zero Hora

 

Equipes: Sporting Cristal, Libertad, Palmeiras e Tigre-ARG.

Palpite DPF: Libertad e Palmeiras.

 

Sporting Cristal por Mauricio Fernando

Ross foi o artilheiro do Sporting Cristal na última temporada. Foto: Trivela

Ross foi o artilheiro do Cristal, campeão peruano da última temporada. Foto: Trivela

 


Um time a se redescobrir, este é o Sporting Cristal versão 2013. Após a conquista do campeonato peruano no fim do ano passado, deixaram o clube jogadores importantes no ofensivo esquema montado pelo treinador Roberto Mosquera. Entre eles, os alas Advíncula, vendido ao Hoffenheim da Alemanha, Yotún, que se transferiu para o Vasco, além dos irmãos Walter e Óscar Wilchez, zagueiro e meia, respectivamente.

Em contrapartida, bons reforços vieram, como o zagueiro Revoredo e o experiente meia Willian Chiroque, atletas da seleção peruana, além do atacante uruguaio Jonathan Ramírez, que veio do Nacional de seu país. Houve ainda uma troca de goleiros com o Juan Aurich: veio Diego Penny e Erick Delgado foi embora.

Da equipe, ou do que sobrou dela, o ponto forte é o trio de frente, formado por Júnior Ross, Irven Ávila e Hernán Rengifo, que até agora segue intacto. Os três juntos foram responsáveis por mais da metade dos gols anotados pela equipe na vitoriosa campanha do campeonato nacional do ano passado.

Portanto, o que se vê é que Roberto Mosquera terá dois grandes desafios. O primeiro é remontar rapidamente a equipe. O segundo, e o mais duro, é se classificar para as oitavas de final da Libertadores, fase que o Sporting Cristal não atinge na competição desde 2004. Por tudo isso, e ainda pelo forte grupo que tem pela frente, é de se imaginar que as chances e pretensões dos peruanos são modestas.

Será a 29ª participação do clube na Taça Libertadores da América. A melhor colocação foi um vice campeonato em 1997, quando foi derrotado pelo Cruzeiro na final. Serve de “consolo” para o torcedor celeste que esta participação já supera as duas últimas do clube, já que em 2007 e 2009, o Sporting não passou da primeira fase (Pré), sequer chegando a disputar a fase de grupos.

Libertad por Mauricio Fernando

O artilheiro José Nuñez foi um dos grandes destaques do Libertad na última temporada. Foto: Vavel Brasil

O artilheiro José Nuñez foi um dos grandes destaques do Libertad na última temporada. Foto: Vavel Brasil

 

Desde 2002, foram 16 campeonatos nacionais disputados e 8 conquistados, sendo o último no final do ano passado, feitos que fazem do Libertad o grande time paraguaio dos últimos anos.

Chegando à 14ª disputa de Taça Libertadores da América, a 11ª participação consecutiva, o Gumarelo aparece novamente com um bom cartaz para a disputa deste ano, em que inicialmente aparece como favorito para avançar em seu grupo.

A equipe comandada pelo bom treinador uruguaio Rubén Israel manteve a base que encerrou a última temporada, exceção ao zagueiro Joe Bizera, que se transferiu para o Atlante do México. Para o seu lugar, chegou o grandalhão César Benitez, ex-Atlético Mineiro e que estava no Cerro Porteño. Mas o grande reforço para este ano é a volta de Pablo Guinãzú, volante que atuou por cinco anos no Internacional de Porto Alegre, onde é ídolo.

Os destaques do time são José Nuñez, artilheiro do último campeonato nacional, o lateral Miguel Samudio, que despertou o interesse de clubes brasileiros recentemente, o meia Sergio Aquino e o volante uruguaio Sebastián Eguren, que frequentemente atua pela seleção de seu país.

As melhores participações do Libertad foram em 1977 e 2006, quando a equipe foi semifinalista. No ano passado, os paraguaios caíram apenas nas quartas de final, nos pênaltis, diante da Universidad de Chile. A expectativa para este ano é repetir a boa campanha. Material humano para isso, parece não faltar ao time, que sempre impõe dificuldades aos adversários.

Palmeiras por Bráulio Silva de Fátima

Com as baixas da temporada, Henrique passa a ser o grande nome do Palmeiras para a Libertadores. Foto: Lancenet

Com as baixas da temporada, Henrique passa a ser o grande nome do Palmeiras para a Libertadores. Foto: Lancenet

 

Vivendo a maior crise de sua quase centenária história, o Palmeiras está prestes a inciar a sua 14ª participação na Libertadores da América. E os dirigentes já deram o recado aos torcedores: não esperem uma grande campanha neste ano. O principal objetivo é voltar à primeira divisão do Brasileirão.

Às vésperas de entregar a ficha com os inscritos, o clube paulista se desfez de seu principal jogador, o centroavante Barcos, que acertou a transferência para o Grêmio. Em troca, o Verdão receberá uma quantia em dinheiro e alguns jogadores. Dos escolhidos, o único que poderá disputar a competição é o zagueiro Vilson.

Na temporada de 2012, o Palmeiras colecionou altos e baixos. Conquistou a vaga na Libertadores com o título da Copa do Brasil. Mas decepcionou no Brasileirão, acabou em 18º e foi rebaixado para a Série B.

Os principais destaques do remodelado time são Valdivia, que tenta se livrar das lesões, o goleiro Fernando Prass, que fez boa temporada no Vasco ano passado, e o zagueiro Henrique, que, em 2013, vive fase de artilheiro, com três gols marcados no Paulistão.

Os adversários do alvi-verde na fase de grupos serão Sporting Cristal do Peru, Libertad do Paraguai e os argentinos do Tigre, jogo que já traz preocupações aos dirigentes palestrinos, devido aos problemas que os argentinos sofreram/causaram no Morumbi, na final da Copa Sul-Americana, diante do São Paulo.

Gilson Kleina aposta nos jogadores da base que são maioria dos 30 inscritos na fase de grupos da Libertadores. Elenco muito inferior às tradições do Palmeiras, mas que, na visão dos dirigentes, será o suficiente para conquistar o acesso ao final do ano.

Tigre por Mauricio Fernando

O habilidoso Botta segue sendo o destaque do Tigre. Foto: Uol Esporte

O habilidoso Ruben Botta segue sendo o destaque do Tigre. Foto: Uol Esporte

 

No papel de franco atirador, o Tigre argentino quer novamente surpreender a América do Sul. Assim como foi na Sul-Americana do ano passado, competição na qual foi vice campeã, a equipe inicia mais um torneio sem muitas expectativas, com pés no chão, tentando se aproveitar dos descuidos de seus adversários.

Trata-se de um clube emergente, que almeja se estabilizar não só no cenário argentino, como em toda a América do Sul. Dois vice-campeonatos, no Apertura 2007 e no Clausura 2012, são as melhores campanhas da história, nacionalmente falando, sendo que esta última levou o Tigre à Sul-Americana, competição que revelou a equipe para o continente.

Uma equipe de pouco brilho, mas muito disciplinada taticamente e bem aguerrida. Desta forma se mostra o time treinado por Nestor Gorozito. O principal e talvez único destaque individual seja o habilidoso meia atacante Ruben Botta, de 23 anos.

Esta é a primeira participação do Tigre na Libertadores. A perspectiva é que o time brigue por uma das vagas do grupo 3. A partir daí, o que vier será lucro. Lembrando que a equipe passou pelo Deportivo Anzoátegui, campeão venezuelano, na 1ª fase (pré-Libertadores) com duas vitórias: 2×1 e 3×0.

Tabela de jogos:

14/02 São Paulo  Palmeiras x Sporting Cristal

21/02 Victoria   Tigre x  Libertad

28/02 Lima Sporting Cristal x Tigre

28/02 Assunção   Libertad x Palmeiras

06/03 Assunção   Libertad x Sporting Cristal

06/03 Victoria   Tigre x Palmeiras

12/03 Lima   Sporting Cristal x Libertad

02/04 São Paulo   Palmeiras x Tigre

09/04 Victoria   Tigre x Sporting Cristal

11/04 São Paulo   Palmeiras x Libertad

18/04 Lima   Sporting Cristal x Palmeiras

18/04 Assunção   Libertad x Tigre

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".