Guia da Libertadores – Grupo 7

  • por Mauricio Fernando
  • 8 Anos atrás
O Newell´s de Heinze é uma das forças do grupo. Foto: La Capital

O Newell´s de Heinze é uma das forças do grupo. Foto: La Capital

 

Equipes: Deportivo Lara, Universidad de Chile, Newell´s Old Boys e Olímpia.

Palpite DPF: Newell´s Old Boys e Universidad de Chile.

 

Deportivo Lara por Mauricio Fernando

O experiente meia Mea Vitali é um dos destaques do Lara. Foto: El Impulso

O experiente meia Mea Vitali é um dos destaques do Lara. Foto: El Impulso

 

Fundado em 2006, o Guaros de Lara conseguiu ascender à primeira divisão do futebol venezuelano logo em seu primeiro ano de existência. Tudo parecia bem, mas uma crise econômica afetou o clube, que em 2009 mudou o nome para Deportivo Lara.

No ano seguinte, o Lara, com novo nome, disputava sua primeira competição internacional, a Copa Sulamericana. Mas a temporada 2011/12 foi a da afirmação para o novato, que viria a ser campeão dos dois turnos do campeonato venezuelano (Apertura e Clausura). Tais conquistas levaram a equipe à disputa de mais uma Copa Sulamericana e a de sua primeira Libertadores.

Por toda a rapidez dos acontecimentos relativos ao Deportivo Lara, não é bom duvidar destes venezuelanos, apesar da modesta pretensão de apenas não fazer feio em sua estreia.

A grande baixa do elenco para a disputa da Libertadores foi a saída do experiente goleiro Manuel Sanhouse, de 35 anos. Para seu lugar, chegou David González, ex-Caracas. Os destaques dos rubonegros são o zagueiro Rey e o meia Mea Vitali, ambos da seleção local.

Universidad de Chile por Rogerio Bibiano

O jovem atacante Ubilla é a grande aposta da LaU para esta Libertadores. Foto: Fifa

O jovem atacante Ubilla é a grande aposta da LaU para esta Libertadores. Foto: Fifa

 

Considerada uma das forças do continente dos últimos dois anos, a Universidad de Chile participa da sua décima oitava Taça Libertadores da América. O direito de disputar a competição nesse ano veio após conquistar o Torneio Apertura 2012 do Chile. A equipe foi uma das semifinalistas da última edição da Libertadores, quando foi eliminada pelo Boca Juniors-ARG, em dois duelos marcados pelo equilíbrio de ambas as equipes.

O time, que foi tricampeão nacional e campeão da Copa Sul-Americana 2011, é treinado pelo argentino Jorge Sampaoli, que revolucionou o futebol chileno devido ao jogo bastante ofensivo e de ótimo toque de bola. A começar pelo próprio treinador, que deixou o comando técnico da equipe para assumir a Seleção Chilena no lugar do demitido Cláudio Borghi. O segundo motivo da mudança da equipe é a saída de jogadores que eram peças fundamentais do esquema.

Entre os jogadores que ficaram, destacam-se os meias Aránguiz, Lorenzetti e Mena e os defensores José Rojas e Acevedo, além do goleiro Johnny Herrera. Porém, a grande aposta da equipe para esta Libertadores é o jovem atacante Sebastián Ubilla, de 22 anos. Que aliás, é uma grande aposta também para o futuro do futebol chileno.

O atual treinador da equipe é o também argentino, naturalizado mexicano, Dario Franco, que assumiu a equipe no dia 13/12/2012. Esta será a primeira experiência do treinador em terras sul-americanas, após passagens por Monarcas, Estudiantes Tecos, Atlas e San Martin, todas pelo futebol mexicano.

Franco, ao contrário do seu antecessor, costuma escalar La U em um sistema mais defensivo, um tanto conservador. Para a Libertadores, chegaram três reforços: os atacantes chilenos César Cortés, ex-goleador do Huachipato-CHI, e Isaac Díaz, vindo do Ñublense-CHI; e o meio-campista Ramón Fernández, que jogava no O’Higgins-CHI.

Newell´s Old Boys por Mauricio Fernando

O artilheiro Scocco é promessa de muitos gols para esta Libertadores. Foto: Olé

O artilheiro Scocco é promessa de muitos gols para esta Libertadores. Foto: Olé

O Newell’s Old Boys está de volta à fase de grupos da Taça Libertadores da América, a qual não disputa desde 2006, quando foi eliminado pelo Vélez nas oitavas de final. Em 2010, na última participação do clube na competição, os leprosos foram eliminados ainda na 1ª fase (pré-Libertadores), em confronto diante do Emelec, do Equador. Será a sétima participação do clube na competição continental.

O atual treinador, Geraldo “Tata” Martino, tem muita história no clube, especialmente na época em que foi jogador. Tata atuava no Newell’s nas duas oportunidades em que a equipe chegou à final da Libertadores. Foi derrotado pelo Nacional do Uruguai em 1988 e pelo São Paulo em 1992.

Na edição de 2013, no entanto, as pretensões de sua equipe devem ser mais modestas. Vice campeão do último campeonato argentino, o Newell’s espera pelo menos fazer um papel melhor que suas últimas participações.

Falando da equipe atual, Tata Martino tem na defesa seu ponto forte, contando com jogadores como o lateral Vangioni e o experiente zagueiro/lateral Heinze, destaques na última temporada. Porém, o grande nome do time é o atacante Ignazio Scocco, eleito pela imprensa como o melhor jogador do Torneo Inicial 2012. Os Leprosos ainda contam com a experiência de Maxi Rodríguez no meio campo. Como reforço, chegou apenas o volante peruano Cruzado, vindo do Chievo da Itália. Parece pouco, mas ao menos a equipe manteve a boa base e uma equipe já montada por seu ótimo treinador, o que dá um pouco de esperança aos “hinchas” rubronegros.

Olímpia por Mauricio Fernando

O grandalhão Juan Carlos Ferreyra está de volta ao Olímpia. Foto: Diário ABC Py

O grandalhão Juan Carlos Ferreyra está de volta ao Olímpia. Foto: Diário ABC Py

 

Maior clube do Paraguai, o Olímpia é um dos times com maior número de participações na Taça Libertadores da América, chegando a 37ª de sua história. Foi também o único de seu país a conquistar a competição, e por três vezes (1979, 1990 e 2002).

Na última participação, no ano passado, o Decano acabou eliminado na primeira fase pelo Emelec em sua própria casa, mesmo precisando de uma vitória simples para se classificar.

Para a atual temporada, várias foram as baixas. As mais sentidas são o zagueiro Júlio Cáceres, que era capitão da equipe, e o meia uruguaio Miguel Amado. Outro que saiu foi Maxi Biancucchi, o primo do Messi, famoso no Brasil por ter atuado no Flamengo. Porém, para seu lugar chegou seu irmão mais novo, Emanuel Biancucchi, fazendo com que a equipe continue tendo um primo do melhor do mundo em seu elenco.

Entre os principais reforços estão as vindas dos meias Blás Cáceres e Wilson Pittoni (ex-Figuerense) e a volta do centroavante grandalhão Juan Carlos Ferreyra, além do zagueiro Julio Mansur, outro que teve passagem pelo futebol brasileiro, atuando no Santos.

Para chegar à fase de grupos, o Olímpia, classificado pelo índice técnico em seu país, teve de superar o Defensor na 1ª fase, com uma vitória por 2×0, após um empate sem gols no Uruguai. A meta da equipe é muito mais modesta do que na época em que o (hoje) treinador uruguaio Ever Hugo Almeida atuava como goleiro. Classificar-se para a segunda fase já será muito difícil, visto que os paraguaios correm por fora em relação às forças de seu grupo.

Tabela de jogos:

12/02 Santiago  Universidad de Chile x Deportivo Lara

14/02 Rosario   Newell´s x  Olímpia

19/02 Assunção Olímpia x Universidad de Chile

21/02 Cabudare   Deportivo Lara x Newell´s

05/03 Assunção   Olímpia x Deportivo Lara

05/03 Rosario   Newell´s x Universidad de Chile

12/03 Santiago   Universidad de Chile x Newell´s

13/03 Cabudare   Deportivo Lara x Olímpia

02/04 Santiago   Universidad de Chile x Olímpia

04/04 Rosario   Newell´s x Deportivo Lara

11/04 Cabudare   Deportivo Lara x Universidad de Chile

11/04 Assunção   Olímpia x Newell´s

Comentários

21 anos, morador de Maringá-PR. Corintiano de coração, aprendi ainda a ser Liverpool, na Europa. Como Doente por Futebol, acompanho diariamente jogos, jogadores e tudo o que acontece acerca deste apaixonante esporte. Minha função por aqui será de analisar e informar tudo o que rola na América do Sul e no México. Responsável ainda pelas colunas "Craque DPF" e "Futebol na Mídia".