Janeiro negro – A queda da Velha Senhora no início do novo ano

  • por Tiago Lima Domingos
  • 8 Anos atrás

 

A Juventus começava 2013 comemorando o ótimo 2012. Batera o recorde de 94 pontos da equipe de 2005 de Fábio Capelo (os comandados de Conte fizeram 95 pontos no ano passado). No Campeonato, uma cômoda vantagem de oito pontos a uma rodada do fim do 1º turno. Na Champions League, classificada como líder do grupo desbancando o ótimo Shakhtar e o atual campeão Chelsea. No sorteio das oitavas, o Celtic foi definido como adversário do time italiano, um rival acessível no caminho às quartas de final.


O ano virava e a expectativa era da continuidade do grande ano que passara, mas não foi bem o que aconteceu. O clube fecha o mês de janeiro com apenas duas vitórias em sete partidas. Foi eliminada pela Lazio na Copa da Itália e viu a vantagem para o Napoli, que era de oito pontos, cair para apenas três e agora vê sua liderança no Calcio ser fortemente ameaçada.

Mas o que aconteceu para a equipe cair tanto? Apresentaremos alguns motivos agora.

Um dos motivos da queda do rendimento da equipe, indubitavelmente foi a falta sentida de seus titulares que ficaram de fora.

Um dos motivos da queda do rendimento da equipe, indubitavelmente foi a falta sentida de seus titulares que ficaram de fora.

Buffon; Barzagli, Bonucci, Chiellini; Lichtsteiner, Vidal, Pirlo, Marchisio, Asamoah; Giovinco, Vucinic.

Esse é o time-base da Juventus. Porém em janeiro não foi visto nenhuma vez em campo. Chiellini se recupera de lesão e ainda não atuou em 2013. O ganês Asamoah, a melhor contratação da Juventus para esta temporada, está na Copa Africana de Nações e também não atuou pelo clube nesse ano. Além destes, outros dois importantes jogadores tiveram pequenas lesões e desfalcaram a equipe em jogos importantes: Pirlo e Marchisio. Sem falar em Vucinic, que não consegue jogar 90 minutos.

Llorente é a esperança futura de gols para solucionar o problema do ataque do time.

Além disso, o clube carece de um autêntico matador. O problema vem desde a temporada passada, mas com o passar do tempo vai se acentuando. Matri e Quagliarella não demonstraram ser esse jogador. O segundo, mesmo não sendo titular absoluto, é o artilheiro do time no campeonato com apenas 7 gols. Para junho, a Juventus já acertou com Llorente, goleador no Athletic de Bilbao, e espera que possa ser ele o cara que Antonio Conte tanto precisa. Outro que chega, mas já em janeiro, é o veterano Nicolas Anelka, mas o francês não vive boa fase há tempos (fez 3 gols em 22 jogos na China) e dificilmente será esse cara.

O elenco também não correspondeu às expectativas. Isla, ótimo quando atuava na Udinese, nem de longe lembra o jogador que foi em Udine. Peluso, contratado em janeiro junto a Atalanta, também não convence e sente o peso de um grande clube. Porém, a nota positiva é Paul Pogba, que continua a encantar os tifosi bianconero. Foi ele o grande responsável pela única vitória da Juventus em janeiro pelo campeonato. Nos 4-0 sobre a Udinese, Pogba anotou os dois primeiros gols da goleada. De negativo, é que o jogador rende melhor jogando na posição de Pirlo, melhor jogador da equipe. Se o jovem melhorar seu rendimento nas posições de Marchisio e Vidal, pode ser uma boa opção para o clube.

Janeiro chega ao fim e a Juventus junta os cacos e tenta apagar o mês que se acaba. Ainda tem o melhor time e elenco para conquistar o scudetto, mas não será tão fácil como parecia. E que os comandados de Conte estejam atentos, pois em fevereiro começa o mata-mata da Champions League. Qualquer vacilo não costuma ser perdoado.

Comentários

Carioca e rubro-negro. Do Rio de Janeiro a Milão. Doente por futebol, é claro. E apaixonado pelo Calcio.