Parabéns, Tevez!

Nascido em 5 de fevereiro de 1984 num bairro pobre de Buenos Aires, conhecido como Forte Apache (por isso o apelido “Apache”), Carlos Alberto Tevez começou sua carreira nas categorias de base do pequeno All Boys. Foi contratado pelo gigante Boca Juniors em 1997, estreando como profissional em 2001, com apenas 16 anos, em jogo válido pelo Torneio Apertura.

 

Seu ano mágico no Boca foi 2003. O clube argentino venceu o Campeonato Argentino, a Copa Libertadores e o Mundial daquele ano, com Tevez sendo eleito melhor jogador da Libertadores e, meses depois, melhor jogador da América do Sul, prêmio que ele viria a conquistar novamente em 2004.

 

Em 2005, Tevez tornou-se a contratação mais cara feita por clubes brasileiros ao ser comprado pelo Corinthians por 22 milhões de dólares. O investimento valeu a pena. Sua partida de maior destaque foi a da maior goleada sofrida por um dos rivais do Corinthians, o Santos, em Brasileirões: um 7×1 com direito a 3 do argentino
Tevez terminou o Brasileiro como capitão do tetra do alvinegro paulista, artilheiro do time na competição com 20 gols, eleito o melhor jogador do torneio (primeiro estrangeiro escolhido desde 1976) e, pela terceira vez consecutiva, eleito o melhor jogador da América do Sul.

No entanto, após o grande ano de 2005, Tevez entrou em atrito com parte da torcida corintiana. A soma disso com os diversos problemas administrativos do clube resultou na saída do argentino, que foi vendido para o West Ham da Inglaterra no meio de 2006, junto com seu companheiro de clube e seleção Javier Mascherano.

 

Após um começo difícil no West Ham (o clube chegou a ficar 9 jogos sem vencer e 7 sem fazer gol), Tevez se encontrou na equipe londrina e foi destaque de jogos importantes na luta contra o rebaixamento, como a vitória por 1×0 sobre o Manchester United, campeão da Premier League. O triunfo garantiu a permanência dos Hammers na primeira divisão. No final da temporada, Carlitos recebeu o prêmio Hammer Of The Year, dado para o melhor jogador do West Ham na temporada.

 

Em julho de 2007, Tevez rescindiu o contrato com o West Ham e assinou com o Manchester United. O atacante nunca conseguiu ser o centro das atenções em Manchester, posto que era indiscutivelmente do astro Cristiano Ronaldo. No entanto, Tevez foi importante para o clube em alguns jogos da temporada e conquistou a Premier League, a Liga dos Campeões e o Mundial de Clubes em 2008.

 

Em 2009, após poucas chances no time titular e por entrar em atrito com o técnico Ferguson, Tevez trocou a cor vermelha do seu uniforme pelo azul do Manchester City. No rival do antigo clube, o argentino foi muito bem. Foi o artilheiro da Premier League de 2010/11 e conquistou a Copa da Inglaterra da mesma temporada, quebrando um jejum de títulos importantes que durava desde 1976.

Em 2011, Carlitos tentou voltar ao Corinthians alegando sentir falta de seus familiares na Argentina e não gostar do clima da Inglaterra. No entanto, o Manchester City não cedeu e o argentino foi obrigado a permanecer, mesmo insatisfeito.
Em setembro do mesmo ano, Tevez se recusou a entrar em campo como substituto na derrota do City por 2×0 contra o Bayern de Munique, pela Liga dos Campeões, irritando o técnico Mancini. O italiano disse que o atacante nunca mais atuaria pelo clube azul.
Porém, após não ser vendido na janela de transferências de janeiro, Tevez acabou voltando a jogar pelo City em fevereiro, contra o Chelsea. Na ocasião, Tevez deu o passe para o gol de Nasri que selou a vitória do City por 2×1. A atuação ajudou o atacante a ser perdoado pela torcida. 
Semanas depois, Tevez viria a marcar três gols numa goleada de 6×1 contra o Norwich, resultado que mais tarde ajudaria o clube azul de Manchester a conquistar a Premier League ao final da temporada.

Em 2012, Tevez marcou seu centésimo gol em competições inglesas em um empate por 2×2 contra o Liverpool. Na semana seguinte, ao marcar um gol na vitória por 3×1 contra o Queens Park Rangers, tornou-se o primeiro jogador do City a marcar 50 gols na Premier League.
Após 148 jogos, 73 gols, 3 títulos e uma artilharia da Premier League, no dia 26 de junho de 2013, Tevez deixava o Manchester City rumo à Juventus por £12M.

 

Na Itália, Tevez foi sucesso imediato. Na sua estreia, marcou o quarto gol da goleada por 4-0 na Lazio que deu o título da Supercopa da Itália aos Bianconeri. No Calcio, estreou fazendo o gol da vitória por 1-0 contra a Sampdoria, logo na primeira rodada.

Ao final da temporada, Tevez havia 21 gols marcados em 48 jogos. Além disso, foi eleito o melhor jogador da Juventus da temporada 2013/2014 e foi nome importante na conquista do 30º Scudetto da história do clube.

Em julho de 2015, depois de 95 jogos, 50 gols, um prêmio individual de melhor jogador do Campeonato Italiano da temporada 2014/2015, uma final de Liga dos Campeões, dois títulos da Serie A, um da Copa da Itália e um da Supercopa Italiana,  Carlitos deixou a  Velha Senhora e retornou ao Boca Juniors, seu eterno clube do coração.

Na sua primeira temporada de volta à Argentina, Tevez já conquistou o Apertura de 2015 e a Copa da Argentina do mesmo ano. Com 9 gols em 17 jogos, o argentino segue mostrando que ainda tem muita bola para jogar no clube que o revelou para o mundo.

 

Pela seleção argentina, Tevez disputou as Copas do Mundo de 2006 e 2010, marcando gols em ambas. Porém seu maior destaque com a camisa albiceleste foi nos Jogos Olímpicos de 2004, quando marcou 8 gols em 6 jogos, inclusive o da vitória por 1×0 na final contra o Paraguai. Os gols valeram a Tevez a eleição para melhor jogador do torneio.

Comentários

Estudante de Redes de Computadores. Fanático por futebol, seja brasileiro ou europeu. Sua preferência, na Europa, é a Premier League.